Renascer ou quebrar

Buscar

Opinião

Publicidade

Renascer ou quebrar

Depois da crise, o jornalismo vai ser outro e os sobreviventes sensatos, mais fortes do que nunca


31 de março de 2020 - 15h00

(Crédito: Aurielaki/ iStock)

A crise provocada pela epidemia de coronavírus está só começando, mas já é possível enxergar algumas consequências inevitáveis. Como a grande maioria dos meios impressos do Brasil dependem fundamentalmente de publicidade do setor de serviços – e a economia está parada – o faturamento será próximo de zero nos meses de Covid-19. Eventos? Impossível, ninguém pode sair de casa. Pior, raros foram os meios que entenderam a necessidade de mexer na matriz de receitas antes da chegada do vírus, incentivando a participação da audiência nos resultados. Agora é tarde.

O quebra-quebra já começou. Demissões no Destak. Redução de circulação em diários do interior. É a lógica, não há milagres. Os custos são fixos e altos, as margens que já estavam minúsculas – ou negativas – agora se transformarão em um buraco enorme, uma cratera. A menos que ocorra um milagre, nenhum meio predominantemente impresso do Brasil fechará o ano no azul. Mesmo os que têm uma operação digital digna. Rádios e TVs seguirão a mesma toada – talvez com uma ou outra nobre exceção. Meios nativo digitais poderão ter resultado positivo, se já apostaram na receita da audiência – como Nexo ou Canal Meio, por exemplo.

Se por um lado o jornalismo do Brasil pós-coronavírus será outro, com a morte inevitável de diversos veículos, a crise poderá servir para que se repense as estruturas. O medo da mudança será atropelado pela velocidade de propagação do vírus. O pior das ilusões será imaginar que passada a crise tudo vai voltar ao “normal”. Não e não. Aquele cenário que já vivia de favores de anunciantes está morto e sepultado. A única solução será depender do dinheiro da audiência.

E que melhor momento para isso do que agora?

A desinformação é um problema sério. Não se sabe em quem acreditar, nas selfies do chefe de Estado com os bajuladores na frente do Planalto, ou nos alertas de cientistas e médicos para os perigos do vírus. Os veículos devem se posicionar, como aos poucos vêm se posicionando. Na falta de um governo forte, a sociedade civil se organiza. Mas as empresas de comunicação precisam assumir a liderança desse movimento, não podem perder a oportunidade de ser a fonte confiável para a sobrevivência. É a postura que possibilitará com que a audiência invista no produto, pague por ele. Não haverá ocasião melhor.

É hora de transformar essa pandemia em uma eficiente vacina. Mudar a lógica do negócio, esquecer os favores aos eventuais anunciantes, deixar para trás os tempos dos anúncios classificados, lembrar como um fato do passado a dependência de anúncios oficiais e não oficiais. A única opção sensata é praticar o bom jornalismo. Repensar as estruturas, diminuir drasticamente os custos nas áreas fora da produção de conteúdo. E fazer com que o veículo valha alguns reais na conta enxuta da audiência.

Chega de resistir. O coronavírus é o divisor dos tempos. Depois da crise, o jornalismo vai ser outro. Muitos mortos. Inúmeros moribundos. E os sobreviventes sensatos, mais fortes do que nunca.

*Crédito da foto no topo: Audioundwerbung/ iStock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Destak

  • Meio

  • Nexo

  • televisão

  • rádio

  • impresso

  • jornalismo

  • Modelo de negócio

  • desinformação

  • coronavírus

  • covid-19

  • pandemia

  • receita publicitária