Crise acelera novas tendências que chegaram para ficar

Buscar

Opinião

Publicidade

Crise acelera novas tendências que chegaram para ficar

Muitas que já estavam em ascensão continuarão sendo o modo de vida dos consumidores


22 de junho de 2020 - 13h04

(Crédito: RichLegg/iStock)

O início da Covid-19 causou uma disrupção maciça na vida das pessoas em todo o mundo. Em escala global, os consumidores passaram a viver em um “modo de crise”, adotando novos hábitos e mudando seu comportamento para se adaptarem à vida em isolamento. No entanto, eu sempre argumentei que uma crise tem um papel de acelerar as tendências existentes, e isso certamente será o caso quando sairmos dessa etapa convivendo com a pandemia.

Embora essa fase tenha introduzido certas tendências para novos públicos por necessidade, muitos desses comportamentos já eram a norma para alguns consumidores, e permanecerão assim para um subgrupo totalmente novo. A realidade é que nunca voltaremos ao que era a vida antes da COVID-19 e, embora alguns dos comportamentos experimentais que surgiram durante esse período irão desaparecer, há muitos que continuarão por muito tempo após o fim da pandemia.

Ensino a distância

Uma das tendências reforçadas durante o isolamento que poderemos ver muito depois da pandemia é o ensino a distância. Com a necessidade de manter as aulas em quarentena, escolas e universidades adaptaram seus métodos de ensino e adotaram plataformas on-line para chegar até seus alunos em casa. No Brasil, mesmo o Ministério da Educação autorizou “em caráter excepcional” a substituição de aulas presenciais por classes de modelo de educação a distância. Com muitos alunos sendo apresentados a essa nova e conveniente maneira de aprender, podemos esperar que escolas e universidades continuem oferecendo opções de aprendizado remoto para os alunos, mesmo depois que as escolas reabrirem para aulas presenciais.

Supermercado por delivery

Com as regras de confinamento em vigor em todo o mundo, e muitos consumidores preocupados em entrar em contato com a Covid-19, as compras de supermercado e mercearias on-line aumentaram. Muitas pessoas estão experimentando essa nova maneira de fazer compras pela primeira vez e, embora originalmente pensada ​​como uma medida temporária, continuarão comprando assim no futuro. De fato, de acordo com um estudo da Brick Meets Click, 43% dos participantes da pesquisa indicaram que é extremamente ou muito provável que continuem a usar serviços de mercados e mercearias on-line após a Covid-19.

Home office

O trabalho remoto tem aumentado nos últimos anos, com funcionários solicitando flexibilidade quanto ao seu local e forma de trabalhar. Com a chegada do novo coronavírus, as empresas em nível global modificaram suas operações no melhor interesse dos funcionários e muitas delas reforçaram ou construíram do zero os processos e a infraestrutura para que suas equipes trabalhem remotamente e continuem os negócios como de costume. Após a pandemia, o novo normal parecerá muito mais remoto, com muitos funcionários solicitando continuar trabalhando em casa e empresas ajustando sua estratégia de longo prazo, minimizando investimentos em imóveis e fornecendo políticas flexíveis.

Socialização virtual e telemedicina

Embora o bate-papo e a conferência por vídeo não sejam novidade, especialmente no local de trabalho, muitas pessoas estão recorrendo a essa nova tecnologia pela primeira vez para se conectar com familiares e amigos durante esse período de isolamento. Além disso, pacientes de todas as idades estão recorrendo a consultas médicas virtuais para evitar hospitais e clínicas durante esse período, e muitas optaram por telefonar como a opção mais conveniente para seus cuidados de saúde. Muitas pessoas que nunca usaram esse meio antes foram forçadas a experimentar novas tecnologias, impulsionando a adoção que continuará além da pandemia.

Passatempos da crise

Durante esse período, os consumidores estão aproveitando a oportunidade para explorar novos hobbies ou resgatar os antigos, como montar quebra-cabeças ou fazer pães caseiros. Embora algumas dessas atividades possam ser um hobby de curto prazo, algo como jardinagem pode ter um impacto duradouro. Hortas em casa, em particular, tornaram-se um hobby positivo que vimos aumentar durante esta pandemia, à medida que os consumidores recorrem a esse hábito, em um esforço para se tornar menos dependentes de uma cadeia de suprimento de alimentos que temem que possa ser comprometida. Os consumidores continuarão a cultivar suas próprias ervas e vegetais muito além da crise, procurando depender menos da cadeia de suprimentos e dar maior importância aos alimentos locais.

O comportamento do consumidor sempre esteve em evolução, à medida que as pessoas se ajustam às tendências do ecossistema ao seu redor. O surgimento da Covid-19 apresentou ao mundo uma maneira completamente nova de viver, com as pessoas passando mais tempo em casa do que nunca e adaptando seus comportamentos conforme necessário para viver uma vida socialmente distante. Algumas tendências adotadas durante esse período podem ir e vir à medida que o mundo volta lentamente para uma aparência do que costumava ser, mas muitas tendências que já estavam em ascensão continuarão sendo o modo de vida dos consumidores de todo o mundo por muito tempo depois da pandemia retroceder.

*Crédito da foto no topo: iStock

Publicidade

Compartilhe