Momento de agir com ética e união

Buscar

Opinião

Publicidade

Momento de agir com ética e união

A hora pede calma sim, mas urgência nos quesitos humanitários


23 de junho de 2020 - 10h50

(Crédito: Ajijchan/ iStock)

Estamos em um momento em que não é recomendável o contato social com as pessoas. Não podemos abraçar, beijar, dar as mãos. No entanto, mais do nunca é preciso ser solidário e entender a importância da união para passarmos da melhor maneira possível por este período de confinamento social para controlar a pandemia do coronavírus que aflige todo o mundo.

As pessoas e as empresas precisam ter esta atitude. Não é o momento de cobrar multas para aqueles que não podem viajar, de aumentar preços sem justificativa, para se aproveitarem da alta demanda ou de ter qualquer outra atitude que fuja da ética, da solidariedade e de gestos de humanidade.

Mesmo assim, infelizmente, identificamos alguns maus exemplos de aumentos abusivos de preços – seja na área da saúde (ainda mais grave nesse momento) ou em outros setores. Este processo prejudica toda a sociedade e a própria economia, pois essa elevação de preços de produtos essenciais, como alimentos, dificulta o acesso de famílias de baixa renda à produtos essenciais nessa hora de grande dificuldade. As empresas precisam criar mecanismos de autorregularão para coibir essas práticas.

De outro lado, o estoque destes produtos sem necessidade por consumidores como produtos de higiene, limpeza e alimentos, dificulta o acesso de outras pessoas, desequilibra o mercado e pode encarecer o preço. Em verdade, individualmente e corporativamente, precisamos assumir nossas responsabilidades em prol do coletivo e, especialmente, dos mais vulneráveis.

Vamos ampliar as iniciativas positivas da indústria, comércio e serviços que estão mantendo o emprego de seus funcionários, apoiando o esforço de governos, auxiliando em projetos sociais, como as doações de empresas privadas na ampliação de 100 leitos de hospital em São Paulo ou companhias que produziram e doaram álcool em gel e insumos aos hospitais e instituições de saúde. Sem esquecer das inúmeras iniciativas de grupos de voluntários arrecadando e distribuindo alimentos para a população mais carente. Ações solidárias nos fazem “mais” humanos e devem contagiar a todos. Esses exemplos, no momento desse esforço de guerra, devem nos nortear no futuro fortalecendo a convivência.

Mas, tudo isso vai passar e a pergunta que fica é: como reagiremos depois? O que restará? Como conseguiremos retomar a economia? São muitas incertezas que nos afligem nesse momento.

Decisões difíceis estão sendo tomadas, muitas impopulares. Oxalá essa postura corajosa nos estimule e, ultrapassada essa tragédia, desperte em nossos governantes o efetivo compromisso de realizar as reformas estruturais, para que o Brasil enfrente e supere seus históricos desafios.

Temos que deixar de pensar na próxima eleição, e sim pensar no destino da nossa sociedade. Este é o caminho que devemos seguir. O momento pede calma sim, mas urgência nos quesitos humanitários, na convergência de propósitos e muito discernimento para fazer com que o país reaja o mais rápido possível e possa seguir com as necessárias mudanças.

*Crédito da foto no topo: iStock

Publicidade

Compartilhe