Profissionais trans: a situação no ambiente de trabalho

Buscar

Profissionais trans: a situação no ambiente de trabalho

Buscar
Publicidade

Marketing

Profissionais trans: a situação no ambiente de trabalho

Estudo do Boston Consulting Group com a Harvard Business Review aponta que 59% dos brasileiros entrevistados vivenciam preconceitos no local de trabalho rotineiramente


23 de maio de 2023 - 7h10

A diversidade e inclusão esbarra não só na contratação de grupos minorizados pela sociedade, mas também sua manutenção dentro das organizações.

Ao lado da Harvard Business Review, o Boston Consulting Group ouviu mais de 2 mil profissionais trans e de gênero não-conformista (GNC), e constatou que 40% já foram alvo de assédio sexual ou má conduta no ambiente de trabalho.

profissionais trans

55% dos brasileiros entrevistados sentem-se desencorajados a exporem sua identidade de gênero dentro das empresas (Crédito: Ink Drop/Shutterstock)

O levantamento foi realizado a nível global, com respondentes e profissionais da Alemanha, Austrália, Estados Unidos, França, Índia, México, Reino Unido e Brasil. Em relação aos entrevistados brasileiros, 59% deles vivenciam comportamentos do tipo com frequência. O maior índice (76%) foi observado na Índia.

Um fato considerado no estudo foi o de que menos de um terço dos respondentes são assumidos no trabalho. No Brasil, a média é 14 pontos maior que a média global chegando a 43%. Apesar da diferença, 55% afirmam se sentir desencorajados a exporem sua identidade de gênero dentro das empresas. Além disso, as companhias envolvidas na pesquisa indicam que os colaboradores relutam em se assumir, pois temem que isso afete avaliações e até mesmo oportunidades de promoção.

Como aumentar a inclusão de profissionais trans

Entre os fatores que contribuem para um ambiente de trabalho saudável para profissionais trans e de gênero não-conformista estão o comprometimento com a diversidade e inclusão. 84% dos colaboradores sentem-se valorizados e respeitados em locais em que altas lideranças comprometem-se com a pauta. Na contramão, a porcentagem cai para 44%.

Ações práticas que podem ser aplicadas no cotidiano envolvem a criação de políticas internas e treinamentos, por exemplo. A inclusão de tais medidas exemplifica, ainda, como as áreas de recursos humanos estão e podem se envolver com a pauta, garantindo que colaboradores trans e GNC sintam segurança física e psicológica nos ambientes corporativos. Segundo o estudo, as políticas de RH devem abordar orientação sexual, identidade de gênero e expressão de gênero, e recursos devem ser alocados para essa iniciativa.

Quase metade dos respondentes do Brasil (47%) disseram ter deixado empresas por falta de cultura organizacional voltada a profissionais do grupo. Ademais, 62% apontaram que sequer aplicaram para vagas em tais empresas e 54% deixaram processos seletivos pelo mesmo motivo.

No geral, em um ranking de 1 a 6, do mais confortável ao menos confortável, os respondentes enquadram a área de recursos humanos e time de benefícios na pontuação máxima quando o assunto é o quanto se sentem à vontade para se assumir. Entre a amostra brasileira, a maior pontuação ficou a cargo da comunidade LGBTQ+. A pior pontuação fica com os gerentes diretos.

Estes, inclusive, são atores importantes para fazer com que a comunidade se sinta bem-recebida no ambiente de trabalho. Segundo o BCG, estes são os responsáveis pela experiência diária dos colaboradores e devem ser os principais defensores da inclusão.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Cade aprova a compra do Playcenter pela Cacau Show

    Cade aprova a compra do Playcenter pela Cacau Show

    Rede de chocolates adquiriu a empresa de entretenimento com o foco de ingressar no setor de experiências

  • Vult entra no segmento de produtos para cabelos

    Vult entra no segmento de produtos para cabelos

    Marca de beleza amplia atuação, colocando no mercado mais de 50 diferentes produtos para contemplar a diversidade brasileira