CEO da Mastercard: cenário de crédito se reacomodará em 2024

Buscar

CEO da Mastercard: cenário de crédito se reacomodará em 2024

Buscar
Publicidade

Marketing

CEO da Mastercard: cenário de crédito se reacomodará em 2024

Marcelo Tangioni, CEO no Brasil, afirma que inadimplência caindo há meses e juros mais baixos ajudarão a reequilibrar indústria este ano, superando a gangorra da hiperexposição à restrição forte de crédito


29 de janeiro de 2024 - 6h00

Mastercard

Marcelo Tangioni, CEO da Mastercard Brasil (Crédito: Arthur Nobre)

No final de 2023, bancos e varejistas acirraram os debates sobre a extensão do parcelamento sem juros no cartão de crédito, com algumas instituições financeiras chegando a condicionar a questão a uma possível redução do rotativo do cartão.

No início deste ano, o governo estipulou que as dívidas dos consumidores, contraídas a partir de 1º de janeiro, não podem exceder seu valor original, limitando, assim, os juros do rotativo do cartão de crédito. Este é apenas um dos assuntos acompanhados diariamente por Marcelo Tangioni, CEO da Mastercard Brasil.

Na companhia há 21 anos e no cargo de executivo-chefe desde setembro de 2022, ele ajudou a Mastercard a migrar de um perfil de empresa de cartão de crédito para uma de tecnologia financeira que conta, atualmente, com cerca de 200 produtos – 35% da receita já vêm de serviços que não têm qualquer relação com transações em si.

Para o CEO, o parcelado sem juros é uma “inovação brasileira”, no sentido da escala em que acontece, e virou uma opção forte para consumidores e varejo, em substituição ao cheque. O cenário, quando a modalidade começou a ganhar força, era de hiperinflação, juros “altíssimos” e baixa oferta de crédito às pessoas e ao comércio em geral.  Os cartões passaram a substituir o cheque, dada a facilidade, segurança e conveniência.

Considerando dados atuais do Banco Central de que 40% das vendas do comércio no Brasil são feitas no parcelado sem juros, ele garante que não é interesse nem dos bancos acabar com essa modalidade, mas reconhece um porém: “Existe, sim, uma conversa sobre um melhor equilíbrio entre as partes, para que o sistema funcione de forma saudável para todos”.

Fase de ajustes

O problema, comentou o CEO em entrevista ao M&M, foi que um movimento amplo de inclusão financeira nos últimos anos, envolvendo bandeiras, fintechs e credenciadoras, levou a uma “superexposição de crédito”. Além disso, a aceleração da digitalização na pandemia e a chegada do Pix também contribuíram para isso.

Tivemos um crescimento muito grande e, depois, passamos por uma ‘ressaca’ de crédito, porque as pessoas tiveram uma oferta exacerbada – aí vai um mea culpa da indústria – sem o acompanhamento da educação financeira e exageraram na utilização do crédito. Isso, combinado com uma taxa de juros alta, causou um nível de inadimplência também muito alto”, explica Tangioni.

O resultado – com efeito do segundo semestre de 2022 ao primeiro de 2023 – foi um pico de inadimplência de cartões de crédito, desequilibrando a indústria como um todo. Hoje, a discussão diz respeito a que o serviço tenha “o tamanho certo, seja remunerado da forma certa para todos os participantes do sistema e continue tendo papel fundamental e saudável para economia brasileira, para os consumidores e para os varejistas”, acrescenta o executivo.

Depois da gangorra de uma hiperexposição a uma restrição grande de crédito, ele  afirma que o ponto de inflexão nesse cenário já foi atingido, portanto, a inadimplência vem caindo há alguns meses, a taxa de juros começou a baixar e o cenário geral é mais favorável. Segundo Tangioni, 2023 foi um ano fechado com a indústria crescendo dois dígitos. “Então, espero um 2024 ainda melhor”, pontua.

Benchmark no mercado

Já questionado sobre as dificuldades de manter diferenciação quando se é a referência do mercado na comunicação ao transformar um business transacional em algo com valor além do dinheiro – ou Priceless – o CEO da Mastercard afirma que embora o cenário pareça hoje mais complexo, dada a multiplicidade de canais de mídia, em essência as dificuldades são as mesmas.

Ele reconhece um trabalho de construção de marca “excepcional” feito no Brasil e no mundo para a Mastercard. “O desafio, quando você já está lá em cima, é ‘quanto mais tem de espaço pra crescer?’. Fica mais difícil, então, é se sustentar e continuar crescendo e se reinventando”, argumenta.

E ele deixa claro que esse se reinventar não implica por enquanto em abandonar a campanha Priceless, que completou 26 anos e, segundo pesquisas da companhia, segue tendo apelo forte junto aos consumidores. Logo, o trabalho é a marca se reinventar em cima desse conceito.

Outro campo de inovação são os serviços prestados. A Mastercard é quem opera, por exemplo, o recentemente lançado programa de fidelidade do McDonald’s. Trata-se de uma ferramenta, segundo o CEO, que ajuda a rede de fastfood a customizar campanhas de lealdade. Uma segunda frente, é ajudar clientes b2b a autenticar pessoas, garantindo segurança e evitando fraudes em transações. “Temos ferramentas que ajudam a identificar potenciais riscos numa transação, a evitar transações que tenham probabilidade maior de ser lavagem de dinheiro. Vai desde o ajudar na experiência do consumidor, na conversão de vendas, até contenção e gestão de risco, cybersegurança”.  E a inteligência artificial, cada vez mais tem um papel a desempenhar nesses e em todos os serviços da companhia, afirma Tangioni.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Com 36 ilustrações diferentes de personagens nas latas de refrigerante, os consumidores poderão ter a experiência de realidade aumentada

  • Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Estudo da MindMiners revelou que a tendência de mudança de comportamento está relacionada a fatores como falta de interesse e sabor das bebidas