Voltar a gerar receita: o grande objetivo da Americanas S.A em 2024

Buscar

Voltar a gerar receita: o grande objetivo da Americanas S.A em 2024

Buscar
Publicidade

Marketing

Voltar a gerar receita: o grande objetivo da Americanas S.A em 2024

Leonardo Coelho, atual CEO, comenta por que os mecanismos de governança não evitaram a fraude bilionária e os planos de recuperação, já mirando crescimento, com a chegada de Eduardo Noronha, Paulo Drago e Tiago Abate à operação


1 de julho de 2024 - 6h00

Leonardo Coelho, atual CEO da Americanas S.A. (Créditos: Divulgação)

Desde a descoberta da fraude de R$ 25,2 bilhões que abalou a Americanas S.A, em 2023, a empresa tem tomado medidas para recuperar sua estabilidade e fortalecer suas operações. Leonardo Coelho, atual CEO da empresa (e entrevistado especial da edição desta semana do Meio & Mensagem), detalha as ações estratégicas e os novos rumos que a Americanas está adotando.

Enquanto isso, na semana passada, o CEO acusado de liderar as ações que burlaram o sistema de governança da companhia, Miguel Gutierrez chegou a ser preso em Madri, mas solto no dia seguinte pelas autoridades espanholas – ele tem cidadania daquele país. Além dele, estava foragida e na lista da Interpol a diretora Anna Christina Ramos Saicali, que prometeu se apresentar às autoridades portuguesas no aeroporto de Lisboa, no domingo, 30, uma vez que a Justiça havia concordado, com isso, em revogar seu pedido de prisão preventiva.

Estancando a crise e estruturando a recuperação

Leonardo Coelho explica que as ações para sanar o negócio, desde que assumiu, foram divididas em três grandes blocos. O primeiro foco foi “estancar a crise”, dividido em três frentes principais: a investigação, a comunicação com todas as esferas relevantes (CVM, Ministério Público, Polícia Federal e Comitê Independente de Investigação) e a CPI. Um segundo passo, liderado pela CFO Camille Faria foi cuidar da recuperação judicial em si, buscando distribuir a dor de forma igual entre todos os participantes, o que foi crucial para resolver a estrutura de capital da companhia. Por fim, a empresa se esforçou para blindar suas operações, permitindo que as equipes operacionais continuassem focadas em suas tarefas, longe do desgaste da investigação e do processo judicial.

Com a fraude endereçada e as investigações próximas do fim, o grande objetivo da empresa em 2024 é voltar a gerar receita operacional. Cada unidade de negócio, desde o varejo físico até as plataformas digitais e a Ame, têm um catálogo de ações específicas para impulsionar essa geração de caixa.

O terceiro bloco, “retomada do crescimento”, já começou e ganhará força no segundo semestre. Três novos executivos foram contratados para ajudar tanto na geração de caixa quanto no crescimento. Paulo Drago e Tiago Abate estão focados na reestruturação e criação de novas avenidas de crescimento, enquanto Eduardo Noronha está trabalhando para reforçar a cultura de meritocracia e excelência no atendimento entre todos os mais de 30 mil colaboradores.

Na entrevista ao M&M, ele também comentou o papel resiliente da marca, sob comando do CMO Washington Theotonio, e sobre os planos de fortalecer ainda mais essa construção aproveitando o aniversário de 95 anos da Americanas, em setembro.

Governança e prevenção de fraudes

Coelho reconhece que a Americanas já possuía instrumentos de governança robustos, certificados no Brasil e nos Estados Unidos. No entanto, a fraude aconteceu devido à manipulação dolosa das informações que abasteciam os mecanismos de governança. “Quando você alimenta esses instrumentos com informações fraudadas, não tem jeito”, explica. Ele compara a situação à tragédia da Germanwings, em 2015, quando o copiloto usou seu conhecimento dos sistemas de controle para causar um desastre. O executivo afirma que os sistemas de governança não irão mudar, mas uma questão prática, agora diferente é que tanto a CFO quanto o CEO se reportam de forma independente ao Conselho da empresa, de modo que um “vigie” o trabalho do outro.

Situação atual e perspectivas de futuro

Recentemente, a Americanas divulgou, em Fato Relevante, números não auditados que mostram um retorno à geração de ganhos antes de juros, taxas, depreciação e amortização (Ebitda na sigla inglesa) no primeiro trimestre. Embora isso seja um marco importante, Coelho enfatiza que ainda há muito a ser feito para que a empresa recupere completamente sua capacidade de geração de lucro.

O varejo físico tem sido um motor de crescimento, com esforços contínuos para organizar as lojas e ajustar os produtos às necessidades dos clientes. Paralelamente, há um redimensionamento dos esforços no digital, que agora representa cerca de 25% do GMV. A estratégia é transformar o digital em um canal robusto para a indústria vender, mais como um “partnerplace” do que apenas um marketplace.

Evitando números específicos, que pudessem configurar guidance, Coelho diz que a meta é reverter completamente a situação até dezembro de 2025 e alcançar estabilidade de resultados até dezembro de 2024. O crescimento já começou, de forma tímida, com testes em praças resilientes como o Nordeste e o interior do país. Esses testes ajudarão a empresa a ajustar suas estratégias para uma expansão mais agressiva em 2025.

Competição e desafios no varejo

Para o executivo, o ano de 2024 tem sido difícil em termos de concorrência, especialmente com a competição de vendedores que não pagavam impostos (alusão aos marketplaces asiáticos, principalmente), algo que começa a ser corrigido com a sanção  da chamada “Taxa das blusinhas”, que começa a valer em agosto e faz incidir imposto de 20% sobre compras internacionais de até US$ 50. Coelho acredita que essa mudança é um passo na direção certa, mas enfatiza que o varejo brasileiro precisa competir em termos iguais com os internacionais. “Não queremos condições privilegiadas, apenas competir nos mesmos termos”, afirma.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele