Compartilhamento vetado: o que muda com a nova regra da Netflix?

Buscar

Compartilhamento vetado: o que muda com a nova regra da Netflix?

Buscar
Publicidade

Mídia

Compartilhamento vetado: o que muda com a nova regra da Netflix?

Plataforma de streaming cobrará pela adição de contas de usuários que residam em casas diferentes; testes começam no Chile, Costa Rica e Peru


17 de março de 2022 - 15h11

(Crédito: Shutterstock)

Nessa quarta-feira, 16, os assinantes da Netflix se preocuparam com uma nova diretriz anunciada pela plataforma. Em comunicado, a empresa disse que não permitirá mais o compartilhamento de conta entre usuários que residam em endereços diferentes.

A prática de dividir assinatura tornou-se comum no universo dos serviços de streaming. O hábito, no entanto, parece estar desagradando a companhia. “Sempre tornamos fácil para as pessoas que vivem juntas compartilharem suas contas na Netflix, com ferramentas como a separação de perfis e streams múltiplos nos nossos planos standard e premium. Embora tenham se tornado bem populares, eles também criaram uma confusão a respeito de quem e como a Netflix pode ser compartilhada”, escreveu a empresa.

A companhia argumentou que essa divisão do uso da assinatura por várias pessoas estaria causando problemas. “Como resultado, [as contas] vêm sendo compartilhadas entre diferentes casas – impactando nossa habilidade de investir em grandes produções de TV e filmes para nossos membros”, pontuou.

Cobrança extra
A plataforma de streaming explicou que os usuários que residem em diferentes endereços e que queiram utilizar a mesma conta terão de pagar uma taxa adicional por isso. “No último ano, trabalhamos para encontrar maneiras de que os membros que compartilham a assinatura em casas diferentes encontrem um jeito fácil e seguro de fazer isso, mas pagando um pouco a mais”, declarou a Netflix.

Essa nova regra começará a ser aplicada nas próximas semanas, como teste, para os assinantes da plataforma no Chile, Costa Rica e Peru. Nesses países, os detentores de planos standard ou premium poderão adicionar contas “extras” em sua assinatura para liberar o conteúdo a até duas outras pessoas, que residam em outros endereços. Cada uma dessas contas terá um login e senha personalizados e pagará uma taxa específica para esse acesso ‘extra’. No Chile, por exemplo, o custo será de 2,380 pesos chilenos e, na Costa Rica, o valor será equivalente a US$ 2,99.

A Netflix explica que os atuais membros poderão fazer a transferência de contas das pessoas com quem já compartilham a assinatura para essa modalidade de ‘acesso extra’, preservando as informações de acessos e preferências de consumo de conteúdo.

A empresa não avisou quando pretende estender a nova regra para outros mercados, incluindo o brasileiro. Por enquanto, nada muda para quem utiliza os serviços da plataforma de conteúdo. Trabalharemos para entender a utilidade desses dois recursos para os membros desses três países antes de fazer alterações em qualquer outro lugar do mundo”, declarou a Netflix.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Apple poderá fechar acordo com OpenAI em breve

    Apple poderá fechar acordo com OpenAI em breve

    Parceria permitirá integração de soluções de IA da OpenAI nos aparelhos da gigante da tecnologia; Apple está prestes a lançar o sistema operacional iOS 18 no iPhone

  • Gemini, IA do Google, terá pesquisa por vídeos

    Gemini, IA do Google, terá pesquisa por vídeos

    Novidade foi apresentada pela plataforma no último dia 14 e visa juntar informações em tempo real