Douglas Rushkoff: como pensar em um capitalismo e tecnologia sustentáveis

Buscar

Douglas Rushkoff: como pensar em um capitalismo e tecnologia sustentáveis

Buscar
Publicidade

Mídia

Douglas Rushkoff: como pensar em um capitalismo e tecnologia sustentáveis

Autor de livros como Equipe Humana e A Mente Bilionária, Douglas Rushkoff debate obstáculos do capitalismo e alternativas para a tecnologia


20 de setembro de 2023 - 7h25

De entusiasta das propostas para a internet entre os anos 1980 e 1990 a crítico do modelo das plataformas digitais da atualidade, Douglas Rushkoff é professor teoria da mídia e economia digital, além de fundador do Laboratório de Humanismo Digital da Queens College, de Nova York.

Rushkoff: "quanto mais compramos, mais a economia encolhe e mais assustador fica para o capitalismo como praticamos" (Crédito: Arthur Nobre)

Rushkoff: “quanto mais compramos, mais a economia encolhe e mais assustador fica para o capitalismo como praticamos” (Crédito: Arthur Nobre)

Documentarista e autor, Rushkoff escreveu 20 livros sobre economia, bilionários do setor de tecnologia, big techs e assuntos correlacionados. Um deles, o Team Human, é um manifesto sobre a recuperação da autonomia humana na era digital.

Presente no Brasil para o evento Fronteiras do Pensamento, o teórico falou ao Meio & Mensagem sobre saídas para um capitalismo mais sustentável, união de bilionários e possibilidades para uma tecnologia mais saudável.

Capitalismo em colapso

Meio & Mensagem – Quais discussões práticas existem para reimaginar o capitalismo e torná-lo mais equitativo e sustentável?
Douglas Rushkoff – Uma forma de ajudar, do lado político, seria mudar o código tributário. Na maioria dos países, a taxação sobre a venda de uma empresa é muito baixa, mas a receita de administrar uma empresa é muito alta. Assim, todos são incentivados a vender sua empresa. Era bom para os muito ricos, mas era ruim para todo mundo. Em 2000, o Google estava ganhando bilhões de dólares, mas os investidores disseram que “isso é um problema”, porque parou em alguns bilhões de dólares por ano. Como fazer mais? Então, eles transformaram o Google de um mecanismo de busca em uma empresa de vigilância e todas essas coisas horríveis. Então, às vezes, quando falo com CEOs, eles acham que o maior problema de sua empresa é o crescimento. Eles não precisam crescer dessa maneira e podem ser um negócio sustentável baseado em receita. Do nosso lado — e vamos ter que fazer isso de qualquer maneira, porque a economia está entrando em colapso e não pode continuar assim –, temos que aprender a depender mais uns dos outros, comprar menos do Walmart e da Amazon e pedir mais emprestado de outras pessoas. Pegar coisas emprestadas é divertido. Na verdade, é uma coisa boa, não é uma coisa ruim. As pessoas têm medo de ter que se tornar amigas de seus vizinhos. Mas o problema é que quanto mais compramos, mais a economia encolhe e mais assustador fica para o capitalismo como praticamos.

M&M – Existem outras alternativas além da economia circular?
Rushkoff – Outra solução estudada é o capitalismo benevolente, no qual algumas pessoas ficam muito ricas, como Elon Musk, e essas empresas então devolvem algum dinheiro para que as pessoas possam ter renda básica universal ou o governo simplesmente imprime dinheiro que as pessoas recebem e depois compram coisas dessas mesmas pessoas. Não acho que funcione tão bem a longo prazo, é frágil. Acho que vamos acabar com uma economia equilibrada. Algumas [empresas] serão circulares e outras extrativistas. O iPhone é um produto do capitalismo global, mas sua banana talvez não precise ser.

M&M – Você argumenta a favor de dissuadir bilionários de irem para Marte e de se concentrarem nos problemas globais atuais, pois não confia nas pessoas e nos governos para reagirem aos abusos das grandes empresas de tecnologia. Que potencial você enxerga na mentalidade dos bilionários para ter esse tipo de esperança neles?
Rushkoff – É difícil para a maioria dos bilionários, porque ganhar bilhões muda seu coração. Diretamente da Bíblia há essa passagem onde Deus diz que vai endurecer o coração do Faraó. É como o que acontece com o bilionário. Você coloca um bilionário em uma máquina de ressonância magnética e mostra a ele uma foto de um bebê faminto. Uma parte de seu cérebro deveria acender, ela nem faz isso. Eles não experimentam o mesmo tipo de empatia. Ao mesmo tempo, conheci bilionários que querem ajudar o mundo e tudo mais. O problema é que a maioria deles quer fazer isso sozinhos. “Ah, vou fazer meu próprio teste de renda básica universal ou vou enviar mosquiteiros para as crianças pobres da África”. Não acreditam no governo, não acreditam em consenso. Bill Gates, que eu tenho certeza que tem boas intenções, está comprando as terras agrícolas na América, pensando que ele pode administrá-la, mas há acordos, há povos indígenas, há maneiras de gerenciar a terra. Havia um exercício em sala de aula que costumávamos fazer onde você aprende que um grupo de 10 pessoas comuns tomará uma decisão melhor do que um gênio. É mais inteligente. Os bilionários da tecnologia não pensam nisso. Eles acham que eles são a super pessoa e todo mundo fica: “O Elon Musk vai nos tirar dessa situação. Ele vai inventar alguma coisa”. E não é assim que funciona. Os bilionários têm que se juntar ao time humano, em vez de pensar em si mesmos como líderes à parte do humano da equipe.

Tecnologia essencial

M&M – Como podemos promover uma abordagem tecnológica que valorize a experiência humana e promova uma conexão genuína em um mundo cada vez mais digital?
Rushkoff – Vou parecer radical, mas, de forma mais simples, é construindo tecnologias que ajudem as pessoas a fazer o que desejam fazer, em vez de construir tecnologias apenas para extrair valor das pessoas. A maioria das pessoas envolvidas no ecossistema de startups está tão focada em lucros de curto prazo ou na venda da própria empresa que não se concentra no que as pessoas realmente precisam. Existe esse modelo de negócio muito antigo de encontrar algo que as pessoas precisam, fornecê-lo e depois cobrar um pouco mais do que custou para produzi-lo. Isso é o seu lucro, e você reinveste isso no negócio e em sua receita. E então você cresce até o tamanho necessário e permanece lá, vivendo dos lucros. Isso realmente funcionaria, especialmente com a tecnologia digital. Isso fazia parte do que muitos de nós acreditávamos que permitiria à tecnologia digital transcender os modelos da era industrial. A era industrial era mais sobre extrair recursos de algum lugar, fabricá-los em algo, vender o máximo possível ou colonizar o novo mundo e crescer. O digital oferecia uma maneira diferente de entender os recursos como algo compartilhado, porque os ciclos de computação eram compartilhados e todos tinham um terminal e compartilhavam os ciclos. Começamos a pensar nos negócios de uma maneira diferente, como formas de fornecer serviços dentro de um bem comum maior. Mas então, assim como os bens comuns agrícolas da Europa foram cercados por corporações, os bens comuns digitais da rede foram cercados por AOL, Amazon, Facebook e todos os outros. As pessoas nem sequer consideram esse modelo hoje em dia. Para mim, fazer qualquer coisa que ajude as pessoas a se conectar umas com as outras é ótimo, e qualquer coisa que separe as pessoas umas das outras é um uso indevido da tecnologia. O desafio para fazer tecnologia de forma apropriada é que, quando você usa a tecnologia para conectar as pessoas, torná-las mais eficientes e realmente atender às suas necessidades, de certa forma, a economia maior encolhe. Você não precisa de tanto. Então, se eu puder enviar um e-mail em vez de pegar um carro para ir até o seu escritório para lhe dizer algo, o que acontece com o táxi? O que acontece com a gasolina? Quando todas essas coisas não são necessárias, como construir uma tecnologia que encolhe a economia e cria menos trabalho em vez de mais?

M&M – Como você sugere?
Rushkoff – É preciso estar disposto a abrir mão de algumas características da velha economia. As pessoas estão muito preocupadas que a inteligência artificial e os robôs prejudicarão os empregos, mas então você tem que olhar – e isso pode parecer radical, mas não é – quem quer um emprego. Eu não quero um emprego. Eu quero comida. Eu quero dinheiro para o aluguel. Eu quero coisas. Se o trabalho já está sendo feito, será que precisamos que todo mundo esteja empregado o tempo todo? E se levar apenas três dias para você escrever os artigos necessários? Então você só trabalha três dias ou deve ser permitido trabalhar cinco ou sete dias por semana? É mais ou menos por aí. Na América, construímos casas demais durante a bolha imobiliária. Agora, há muitas pessoas sem-teto, mas elas não podem morar nessas casas porque não podem pagar por elas. Então, a única razão pela qual precisamos encontrar empregos para elas é para que possam ter dinheiro para viver nas casas que já temos, ou para comer a comida que já está em abundância, e isso é o que chamamos de inversão de valores.

M&M – A solução seria reformular as redes atuais, como Instagram e X, ou criar novas?
Rushkoff – Não dá para ter esperança no X mais, porque é de propriedade de um homem louco, que está fazendo coisas loucas com isso. Este é um homem que diz ser um absolutista da liberdade de expressão até que alguém diga algo ruim sobre ele, então ele quer bloqueá-los ou processá-los. Ele diz “você me custou um bilhão de dólares com o que você disse”. Sim, bem, você nos custou um governo com o que você disse, sabe, cale a boca. Não, essa plataforma está acabando. Eu prefiro espaços não privatizados. A internet era originalmente um espaço público e ainda existem maneiras de usá-la de maneiras descentralizadas: web aberta, mastodon ou coisas federadas. É uma geração de tecnologia que as pessoas sentem de alguma forma inconveniente ou estranha, mas elas não percebem que a internet funciona no Linux. Todos os servidores são Linux. Ainda é essencialmente uma tecnologia de código aberto. Estou otimista. Acho também que as pessoas terão que perceber que não muitas pessoas têm a oportunidade de se tornar Taylor Swift ou uma dessas pessoas que se torna uma superestrela e se você não quer ser uma superestrela, mas consegue ficar satisfeito tendo algumas dezenas de milhares de pessoas que gostam do que você está fazendo, então você vai querer estar em redes diferentes.

M&M – Há uma série de whistleblowers e ativistas contra grandes empresas de tecnologia ou plataformas de mídia social. Existe um movimento de união entre vocês por uma causa comum?
Rushkoff – Acho um erro pensar que podemos criar uma única coisa. Há uma lenda sobre os judeus na Europa quando estavam sendo mortos. Os rabinos criaram um golem, uma espécie de monstro para protegê-los. Devido ao tamanho e escala da Amazon, ou do Facebook ou de Elon Musk, em parte, o que queremos fazer é criar algo próprio do mesmo tamanho para lutar contra eles, mas esse pode ser o caminho errado. Eu me sinto encorajado por muitas soluções pequenas e distribuídas. Eu tenho um podcast e dezenas de milhares de pessoas o ouvem. Me perguntam: “Como você vai torná-lo maior? Como vai alcançar o mundo inteiro?”. E eu digo “não preciso alcançar o mundo inteiro”. Alcanço essas 50.000 pessoas e elas estão fazendo o que podem. E essa pessoa alcança aquelas pessoas, e aquela alcança aquelas, e essas soluções locais distribuídas têm muito mais impacto do que uma coisa grande e única. Você pode fazer uma coisa grande e única, mas basta ela ser cancelada que acaba. Eu continuo dizendo que acredito que os seres humanos têm a vantagem no mundo real e o mundo real é distribuído.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Google passa a mostrar as avaliações do Reclame Aqui na busca

    Google passa a mostrar as avaliações do Reclame Aqui na busca

    Ferramenta integrará a página de reviews do Reclame Aqui nos produtos buscados na aba Google Shopping

  • WhatsApp é alvo de ação e pode ser multado em R$ 1 bilhão

    WhatsApp é alvo de ação e pode ser multado em R$ 1 bilhão

    Ação protocolada pelo Ministério Público Federal de São Paulo e o Instituto de Defesa de Consumidores indica ilegalidade do uso e compartilhamento de dados de brasileiros