Como dominar as conversas sobre BBB para além das ações no programa

Buscar

Como dominar as conversas sobre BBB para além das ações no programa

Buscar
Publicidade

Opinião

Como dominar as conversas sobre BBB para além das ações no programa

Ao fim de cada edição, os CMOs são questionados se ainda vale a pena patrocinar a atração, considerando KPIs pragmáticos, como ROI, e costumo responder que, no marketing, é fundamental entender que tudo precisa ser visto de forma conjunta


23 de abril de 2024 - 8h00

Que o BBB é um dos principais geradores de conversas em redes sociais não é uma novidade. São 145 milhões de pessoas impactadas por assuntos relacionados ao reality show nesses canais, segundo a plataforma Stilingue by Blip. Não por acaso, as marcas reservam parte importante do seu investimento de marketing para se associarem ao reality show. Só no primeiro mês, foram quase 20 milhões de publicações e interações com conteúdos sobre o programa.

Embora a exposição no BBB já traga impactos importantes, o histórico no programa mostra que ela sozinha não é suficiente para potencializar a presença das marcas nas plataformas digitais. Ainda mais considerando o número de anunciantes no reality, que vem crescendo ano a ano. Este ano, foram mais de 20 patrocinadores, sem contar as ações pontuais de marcas. Cada vez mais é preciso avançar no desenvolvimento de estratégias mistas para se destacar no meio dessa avalanche de conversas e marcas, sempre com o objetivo final de contribuir, no fim do dia, para os resultados de negócio da empresa.

Em 2024, participamos pela quinta vez do BBB. Ao longo desses anos, fomos evoluindo na abordagem para reverter a exposição e associação com o reality e temas relacionados a cultura e sociedade, em resultados concretos para a empresa, como aumento de volume de vendas e share de mercado.

Nesse processo de amadurecimento contínuo, para além de surfar nas conversas geradas pelo programa, criamos uma estratégia focada em colocar a nossa marca como propulsora de conversas sobre BBB, com squads próprios de ex-BBBs e personalidades que comentam nativamente sobre o programa e que consomem genuinamente nossos produtos, além de uma cobertura real time intensa do primeiro ao último dia do reality. O convite à vencedora do BBB 2023, Amanda Meirelles, para entrar no time de influência, gerou alta repercussão, com mais de 100 mil conversas que a associam à Seara.

Sempre ao fim de uma edição, os CMOs são questionados se ainda vale a pena patrocinar o BBB, considerando KPIs mais pragmáticos, como retorno sobre o investimento, por exemplo. Costumo responder que, na disciplina de marketing, é fundamental entender que tudo precisa ser visto de forma conjunta. Não há uma relação de causalidade direta entre um projeto e os resultados de uma estratégia 360, que envolve diversos fatores. Essa é a magia do nosso negócio: saber planejar e construir estratégias que levem em consideração a complexidade dessa equação. De qualquer forma, que o BBB alavanca a saúde das marcas e congestiona nosso tráfego no e-commerce, não há dúvida alguma. Cabe ao marketing aproveitar essa dinâmica de crescimento e interesse pelas marcas para gerar ainda mais negócios além de apresentar seus grandes lançamentos para a audiência que ainda é gigante e fiel nos quatro primeiros meses do ano.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Cinco dicas para o sucesso da influência no contexto da lives

    Na profusão de informações, existe um quinteto que não pode ser ignorado pelas marcas nesse tipo de marketing

  • São João: a hora do Nordeste

    O Nordeste se prepara para promover o maior São João de todos os tempos: é muito maior do que você pode imaginar