Problema privado ou (também) do setor privado?

Buscar

Problema privado ou (também) do setor privado?

Buscar
Publicidade

Opinião

Problema privado ou (também) do setor privado?

Por que as empresas devem contribuir para o enfrentamento às violências contra mulheres


14 de dezembro de 2022 - 6h00

As companhias que não implementarem os critérios impostos pela norma poderão sofrer multas e/ou outros tipos de sanções efetuadas pelo Ministério do Trabalho (Crédito: Shutterstock)

Embora bem-intencionada, a pergunta pode parecer idealista e pouco prática para o cotidiano das empresas. Esta é uma questão social importante, mas por que uma organização privada deve prover respostas a um problema cuja origem lhe é alheia, e que acontece, muitas vezes, no espaço do lar e das famílias? Proponho quatro respostas que mostram a importância da iniciativa privada se unir à causa em esforços e buscas por respostas qualificadas e eficazes.

O primeiro argumento, e talvez o mais ético deles, é de um imperativo civilizatório que toda a sociedade se engaje em respostas a esta realidade brutal e pervasiva que tem o potencial de atingir, diretamente, mais de metade da população.

No ano passado, números divulgados pela Organização Mundial de Saúde – OMS, estimaram que uma em cada três mulheres é submetida, ao longo de suas vidas, a violências domésticas ou sexuais. os abusos contra as mulheres também se traduzem dentro do mundo do trabalho. O assédio sexual é um dos grandes entraves para o ingresso e o desenvolvimento delas na esfera produtiva.

O segundo argumento envolve orientações globais que sinalizam que o mundo está responsabilizando cada vez mais o setor privado pela promoção de direitos. Em 2011, a ONU implementou os Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos, segundo o qual, para a promoção de uma vida minimamente digna, não basta que o Estado seja o principal garantidor dos direitos fundamentais.

Meu terceiro argumento diz respeito a custos, lucro e produtividade. Abordar as violências contra mulheres não é apenas um imperativo social e moral, mas uma oportunidade econômica, uma vez que elas deixam de contribuir com o crescimento econômico e a redução da pobreza, se tiverem medo de sair de casa e serem submetidas a assédios ou sofrerem a violência doméstica.

Dados da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) projetam que o fim da violência contra as mulheres garantiria, em 10 anos, um incremento de R$ 214,4 bilhões ao PIB brasileiro – valor que equivale, por exemplo, a uma década do programa Bolsa-Família. Segundo pesquisa realizada pela Universidade Federal do Ceará, de 2018, as vítimas de violência doméstica faltam em média dezoito dias de trabalho por ano, o que gera uma perda anual de aproximadamente R$ 1 bilhão ao país.

Não agir em relação às brutalidades contra mulheres que acontecem no ambiente de trabalho, como o assédio sexual, pode representar uma série de riscos, incluindo litígios, perda de produtividade e danos à reputação.

É o que mostra a pesquisa “Me Too: Does Workplace Sexual Harassment Hurt Firm Value?”, realizada nos Estados Unidos, em 2022, e que mostrou que as instituições com taxas mais altas de assédio tiveram desempenho inferior ao do mercado de ações, queda nos retornos sobre os ativos e sobre os patrimônios, bem como tiveram um aumento médio de 7% em custos com mão de obra.

O quarto argumento, por sua vez, é irrefutável: porque é lei. Em setembro deste ano foi promulgada a Lei nº 14.457/2022 (Programa Emprega Mais Mulheres), que modificou a CLT visando à inserção e à manutenção feminina no mercado de trabalho formal.

As normas previstas nela transformam em regras a prevenção e as respostas ao assédio sexual e outras formas de violências contra as brasileiras no âmbito do trabalho. A nova lei pressupõe a inclusão de regras de conduta a respeito do assédio sexual com ampla divulgação do seu conteúdo; a fixação de procedimentos para recebimento e acompanhamento de denúncias; e realização, no mínimo a cada doze meses, de ações de capacitação, de orientação e de sensibilização.

As companhias que não implementarem os critérios impostos pela norma poderão sofrer multas e/ou outros tipos de sanções efetuadas pelo Ministério do Trabalho. Além disso, aquelas que vierem a responder por casos de assédio na justiça e não tiverem em dia com as medidas podem vir a responder por danos morais individuais e coletivos.

Enfrentar, prevenir e mitigar os efeitos da violência contra as mulheres é um objetivo social comum cuja solução também perpassa a iniciativa privada. Empresas podem e devem apoiar suas colaboradoras dentro e fora de seus espaços, fazendo da segurança e do bem-estar delas uma prioridade comercial que permeia todas as áreas e práticas da organização.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Apple versus Samsung

    Em acirrada disputa de mercado, e enfrentando a aproximação das marcas chinesas, as duas gigantes norte-americana e sul-coreana levam o embate para o ringue criativo da publicidade

  • É hora de “viração”

    Que o Brasil acredite no Rio Grande, de todas as formas; que o veja com compaixão, mas também como o estado de um povo que não se entrega e cuja economia precisa continuar a girar