Estudo LGTBTQ+ revela que ainda estamos distantes do ideal

Buscar
Publicidade

Blog do Pyr

Estudo LGTBTQ+ revela que ainda estamos distantes do ideal

Relatório “Beyond the Rainbow” do WPP conclui que empresas e marcas ainda estão em um nível superficial de enfrentamento e tratamento das questões ligadas ao mundo LGBTQ+

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


5 de dezembro de 2022 - 9h31

Crédito: Shutterstock

Relatório “Beyond the Rainbow” do WPP, a maior holding de agências do mundo, conclui que empresas e marcas ainda estão em um nível superficial de enfrentamento e tratamento das questões ligadas ao mundo LGBTQ+, que by the way, é exatamente o nosso mundo, este em que viemos.

O relatório registra, por exemplo, que mais de 1 em cada 3 pessoas que se identificam como LGBTQ+ sofreram algum tipo de discriminação em 2020 nos Estados Unidos. experimentado por 3 em cada 5 pessoas trans no mesmo período.

O relatório mostra que 52% das pessoas LGBTQ+ pesquisadas dizem que gostam quando as marcas mudam seus logotipos no Mês do Orgulho, mas que isso é, na real, muito pouco: 3 em cada 4 pessoas LGBTQ+ e 50% das pessoas não-LGBTQ+ acham que as marcas precisam fazer mais.

De acordo com o relatório, 67% das pessoas LGBTQ+ e 67% das pessoas não queer acreditam que deveria haver mais publicidade apresentando pessoas queer. E 59% das pessoas queer pesquisadas sentem que a representação atual parece “tokenística” (ou seja, que não é efetiva e de fato, mas apenas planejada para parecer algo que não é). Essa porcentagem salta para 67% para pessoas queer de cor e para 70% para entrevistados trans e não-binários.

O estudo foi criado em parceria com o grupo LGBTQ+ da empresa Unite e seu grupo de dados Choreograph, entrevistou 3.500 pessoas queer no Reino Unido, EUA e Canadá, juntamente com 4.000 pessoas não LGBTQ+ nesses países. Para ajudar a distribuir a pesquisa para grupos mais diversos, as empresas também fizeram parceria com organizações como o Reino Unido Black Pride, e as revistas Diva, HRC e myGwork.

“Os sinais de inclusão na comunicação são tão eficazes quanto a experiência do cliente que essas comunicação promete”, disse David Adamson, vice-chefe de estratégia da The partnership e fundador da WPP Unite, citado no estudo. “Se o anúncio de sua nova marca inclui personagens trans, mas um cliente trans chega ao seu site e não consegue se registrar para seus produtos e serviços de uma forma que reflita sua identidade de gênero, você os perdeu e os frustrou.”

A maioria das pessoas queer e não queer pensa que o gênero se tornará mais fluido – 74% e 61%, respectivamente. Pessoas de 18 a 24 anos têm 27% mais chances de pensar dessa maneira do que aquelas com 35 anos ou mais, de acordo com a pesquisa.

A mídia queer não é apenas para pessoas queer. Pessoas heterossexuais também querem conteúdo queer, de acordo com o relatório – 60%, para ser mais preciso.

Embora o desejo das pessoas queer pela mídia gay seja bastante igual entre as gerações, o mesmo não pode ser dito para as pessoas heterossexuais. Enquanto 85% dos não-LGBTQ+ de 18 a 24 anos querem mídia queer, essa porcentagem cai consistentemente com dados demográficos mais velhos. Por exemplo, apenas 39% das pessoas com mais de 65 anos querem ver a mídia queer, de acordo com o relatório.
Quando se trata de representação, apenas 38% das pessoas queer se sentem bem com a forma como são representadas na mídia.

Há muito mais no estudo.

O fato principal são alguns: que bom que o WPP fez; que ruim que ainda estamos longe do ideal; que bom que estamos caminhando; que ruim que ainda tenhamos que falar sobre esse tema hoje.

Mas enquanto for necessário, seguiremos falando.

Veja a divulgação do WPP aqui.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Quando os “carros voadores” decolarão no Brasil?

    Quando os “carros voadores” decolarão no Brasil?

    Os eVTOLs prometem revolucionar a mobilidade urbana nos próximos anos, mas a falta de regulamentação e o alto investimento ainda são entraves ao setor

  • EY aponta a mudança da realidade no trabalho

    EY aponta a mudança da realidade no trabalho

    Flexibilidade, IA e wellbeing são os temas prioritários, detalhados pelo sócio de consultoria em gestão de pessoas da EY Brasil, Oliver Kamakura