Tesla supera Ford e GM e isso é mais que um dado financeiro

Buscar

Marketing

Publicidade

Tesla supera Ford e GM e isso é mais que um dado financeiro

Empresa de Elon Musk passa a ser a maior montadora dos EUA avaliada em US$ 51,5 bi, apesar de ser um dado oscilante, ele tem muito a dizer sobre mudanças de hábitos de consumo

Luiz Gustavo Pacete
11 de abril de 2017 - 8h55

Uma semana após ter passado a valer mais que a Ford, a Tesla, marca de carros elétricos, também ultrapassou a GM em valor de mercado na bolsa de NY nesta segunda-feira, 10, chegando a valer US$ 51,5 bilhões, enquanto a GM é avaliada em US$ 50,26 bilhões. Ainda que os números expressem a oscilação de investidores em reação às ações de uma empresa, o que pode ser considerado algo inconstante, o dado sinaliza algo em relação a como o mercado enxerga o futuro da Tesla.

elonmusk

Além da Tesla, Elon Musk também tem as empresas SpaceX e Solar City (Crédito:Divulgação)

Pontualmente, o que levou à alta das ações da Tesla foi uma entrega de 25 mil carros no primeiro trimestre deste ano, o que levou analistas a projetarem de forma otimista o futuro da empresa. Seria um sinal de que os motores elétricos substituirão, no longo prazo, os motores de combustão, na visão deles. Em 2016, a Tesla produziu mais de 84 mil automóveis acumulando um total de US$ 7 bilhões em vendas. No mesmo período, a GM teve receita de US$ 166 bilhões. Proporcionalmente, a GM tem 17,3% de mercado nos Estados Unidos e a Tesla possui apenas 0,2%.

Gabriel Rossi, diretor-fundador da Gabriel Rossi Consultoria, explica que o fato de a Tesla superar as duas maiores empresas de automóveis dos Estados Unidos sinaliza uma forte mudança de valores. “Desde a década de 1990, quando surgiu a geração dos nativos digitais, essa inclinação para mudança na forma de mobilidade é recorrente. Se antigamente, GM e Ford expressavam a possibilidade de ter um bem de consumo, a Tesla representa a mobilidade com vários outros valores. “Não basta ter um carro para se deslocar, ele deve ter custo benefício, não agredir o ambiente e vários outros atributos”, diz Rossi.

 

Publicidade

Compartilhe