Prefeitura reabre licitação do carnaval de rua de SP

Buscar

Marketing

Publicidade

Prefeitura reabre licitação do carnaval de rua de SP

Após nenhuma empresa ter manifestado interesse no edital, administração tenta novamente garantir execução e patrocínio da festa

Bárbara Sacchitiello
28 de janeiro de 2019 - 6h00

(Crédito: Reprodução)

Atualizada às 12h32

No dia do aniversário da cidade de São Paulo, 25 de janeiro, o Diário Oficial  trouxe a informação de que a Prefeitura reabriu o edital para tentar selecionar uma empresa responsável pela operacionalização e captação dos patrocínios do carnaval de rua da cidade.

Três dias antes, a Secretaria Municipal das Subprefeituras havia declarado a licitação como deserta, quando, na sessão marcada para a apresentação das propostas interessadas, nenhuma empresa compareceu. Nesses casos, o órgão municipal pode reabrir a licitação, alterando ou não itens presentes nas regras do certame.

O novo edital apresenta uma mudança em relação ao anterior. O investimento solicitado à empresa interessa em patrocinar, que antes era de R$ 19,5 milhões, foi modificado para R$ 15 milhões. O primeiro edital foi lançado em 20 de dezembro de 2018 e tinha a proposta de selecionar empresas interessadas na operacionalização integral e patrocínio do Carnaval de rua da capital paulista.

Entre as atribuições da empresa contratada estão a operacionalização dos desfiles de 624 blocos de rua cadastrados para o Carnaval 2019, o que inclui a prestação de serviços de emergências médicas para os foliões, um plano de trabalho para os cerca de dez mil ambulantes que deverão participar da festa comercializando comidas e bebidas, além da instalação e manutenção de banheiros químicos.

Nessa reabertura, a Prefeitura marcou o pregão presencial para 6 de fevereiro, às 10h, na sede do governo municipal. A seleção das empresas adotará o critério da maior oferta (maior preço), de acordo com o edital.

Nos últimos dois anos, a Dream Factory foi a agência vencedora da licitação promovida pela Prefeitura de São Paulo para a operacionalização do Carnaval de rua. Em 2018, a empresa investiu cerca de R$ 15 milhões para a execução do Carnaval na capital paulista, em parceria com a Ambev.

No ano anterior, em 2017, o Ministério Público Estadual (MPE) moveu uma ação contra a Prefeitura de São Paulo por improbidade administrativa. O motivo do processo seria o favorecimento da agência Dream Factory no processo que selecionou a empresa responsável pela realização do Carnaval de rua da cidade de São Paulo, naquele ano. Como resposta, a Dream Factory disse que cumpriu integralmente os termos do chamamento público e que, desde o início, havia apresentado a proposta de maior valor.

Publicidade

Compartilhe