Bill Gates deixa conselho da Microsoft

Buscar

Marketing

Publicidade

Bill Gates deixa conselho da Microsoft

Segundo nota da companhia, Gates quer dedicar mais tempo ao trabalho com saúde global, educação e combate às mudanças climáticas


16 de março de 2020 - 17h33

(*) Do AdAge

(Crédito: Michael Chohen/Getty Images)

A Microsoft anunciou na última sexta-feira, 13, que seu co-fundador e ex-CEO, Bill Gates, está deixando o conselho da companhia para dedicar mais tempo à filantropia.  Com 64 anos, Gates reduz seu envolvimento na empresa de Redmond, com sede em Washington há mais de uma década. Mais recentemente, estava atuando como consultor do atual CEO, Satya Nadella, em áreas de tecnologia, incluindo produtividade, software de saúde e inteligência artificial, e continuará a fazê-lo.

“A Microsoft sempre será uma parte importante do trabalho da minha vida e continuarei envolvido com Satya e a liderança técnica para ajudar a moldar a visão e alcançar os objetivos ambiciosos da empresa”, escreveu Gates em um post na sexta-feira. “Sinto-me mais otimista do que nunca sobre o progresso que a empresa está fazendo e como ela pode continuar a beneficiar o mundo”.

Em comunicado, a Microsoft informou que Gates não está ativo no dia a dia da companhia desde 2008, quando ele passou a dedicar a maior parte de seu tempo à Fundação Bill & Melinda Gates. Ainda segundo a nota, Gates quer dedicar mais tempo ao trabalho com saúde global, educação e combate às mudanças climáticas. Ele atuou como CEO da Microsoft até 2000, no mesmo ano em que sua fundação foi fundada, e foi presidente da empresa até fevereiro de 2014.

Sob a liderança de Gates, a Microsoft passou de um fornecedor do código básico de software usado para administrar máquinas domésticas e comerciais nos primeiros anos dos computadores pessoais para um fornecedor dominante de software em computação, da produtividade do local de trabalho à internet e jogos. No seu auge, a empresa atraiu desafios dos reguladores antitruste, com os EUA chamando-o de monopólio e processando para quebrá-lo. A Microsoft acabou resolvendo o caso e evitando penas mais severas. Sob o sucessor de Gates, Steve Ballmer, a posição da Microsoft no setor de tecnologia foi desafiada por concorrentes como Google e Apple.

Nadella substituiu a Ballmer em 2014. Desde então, a empresa se concentrou na computação em nuvem, à medida que o crescimento evaporava no mercado de PCs, que a Microsoft ajudou a ser pioneira na década de 1980. A Microsoft registrou um crescimento de receita de 14% nos últimos dois anos fiscais, ajudada pelo aumento das vendas de software e computação pela internet. Mesmo após o forte declínio das ações nas últimas semanas, juntamente com o restante do mercado em meio à pandemia do Covid-19, a empresa ainda tem uma capitalização de mercado de mais de US$ 1,2 trilhão.

“A Microsoft continuará se beneficiando da paixão e conselhos técnicos contínuos de Bill para impulsionar nossos produtos e serviços”, afirmou Nadella em comunicado. “Sou grato pela amizade de Bill e espero continuar trabalhando ao lado dele para cumprir nossa missão de capacitar todas as pessoas e todas as organizações do planeta a alcançar mais”, acrescentou.

A transição bem-sucedida da empresa para novos negócios e o retorno ao crescimento sob o comando de Nadella significa que é improvável que os acionistas se preocupem com o fato de seu fundador estar ainda menos envolvido, comentou Michael Levine, analista do Pivotal Research Group, na Bloomberg Television. “Acho que as pessoas se sentiriam diferentes se não tivessem feito um trabalho tão grande de transformação dos negócios”, disse ele.

Gates também deixará o conselho da Berkshire Hathaway, empresa administrada por seu amigo de longa data Warren Buffett. Como parte da mudança, Kenneth Chenault, ex-CEO da American Express, ingressará no conselho da Berkshire, informou a empresa na sexta-feira em um documento regulatório. A American Express foi classificada como o quarto maior investimento em ações ordinárias da Berkshire no final de 2019. Chenault também deixou o conselho do Facebook.

Gates e Buffett são amigos há anos. Gates ingressou no conselho da Berkshire no final de 2004 e os dois aprofundaram seus laços em 2006, quando Buffett disse que planejaria doar a maior parte de sua fortuna para grupos de caridade, incluindo a Fundação Gates. Buffett e Gates, ambos bilionários, continuaram pressionando por mais esforços filantrópicos entre os mais ricos, com iniciativas como “The Giving Pledge”. “Ele deixa um legado duradouro de curiosidade e insight que serve de inspiração para todos nós”, comentou o presidente da Microsoft, John Thompson, no comunicado da empresa.

**Tradução: Amanda Schnaider

***Crédito da imagem no topo: Koto Feja/iStock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Steve Ballmer

  • pivotal research group

  • Michael Levine

  • Kenneth Chenault

  • John Thompson

  • warren buffett

  • Bill Gates

  • facebook

  • Apple

  • Microsoft

  • Google

  • Berkshire Hathaway

  • American Express

  • fundação bill & melinda gates

  • bloomberg television

  • software

  • fundador

  • covid-19

  • conselho

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”