Westwing investe em hub logístico

Buscar

Marketing

Publicidade

Westwing investe em hub logístico

Estrutura batizada Hub Urbano, quer melhorar eficiência logística na Grande São Paulo e será testada nesta edição da Black Friday

Roseani Rocha
27 de novembro de 2020 - 6h00

Ideia é que haja hubs em outras cidades do Brasil para melhorar a eficiência logística em mercados-chave para a marca (Crédito: Divulgação)

Em 2016, a Westwing, loja de produtos para casa e decoração, começou a estruturar um projeto de frota própria para apoiar sua operação logística. No mês passado, inaugurou um espaço de 1.200 metros quadrados na Vila Leopoldina, na capital paulista, dedicado a atender os pedidos de consumidores da Grande São Paulo, o que até então era feito somente a partir do centro de distribuição em Jundiaí, no interior.

Eduardo Oliveira, vice-presidente de operações da Westwing, afirma que o objetivo é melhorar a experiência dos clientes da marca, ao encurtar seus prazos de entrega em até 50%, ou seja, o que fatura em um dia, já entregar no dia seguinte. “O hub também nos dá mais controle e visibilidade operacional, redução de custos de valor de frete para nós e aos clientes”, argumenta.

O cuidado com o momento da entrega dos pedidos não deixa de fazer sentido, já que a marca que preza pela qualidade na curadoria de produtos e pelo bom gosto de sua comunicação – predominantemente digital – não quer colocar em risco tudo isso na última fase de uma venda. Além disso, a região da Grande São Paulo responde por um terço dos pedidos entregues pela Westwing, que recentemente inaugurou quiosques em shoppings, mas tem atuação forte no e-commerce Westwing Now e espera pico de vendas nesta edição da Black Friday. Inclusive para ter tudo funcionando “redondo” para essa prova de fogo, o Hub Urbano começou a funcionar há um mês. Eduardo também diz que outras cidades do Brasil devem receber espaços semelhantes, mas não abre quais.

Durante a pandemia, quando muita gente passou a dar mais atenção à própria casa, onde foi obrigada a passar mais tempo por conta da quarentena e do home office, houve aumento de vendas e isso também aumentou a concorrência pela estrutura logística, o que foi outro motivo para o investimento em uma malha própria alinhada com os planos de crescimento da empresa. “Nos permite capacidade de planejar e executar melhor, sem ficar tanto na mão de terceiros”, diz Eduardo.

Ainda assim, existem parcerias. A startup chilena Driv.In tem cuidado da roteirização e controle das entregas, indicando o melhor veículo para o tipo de mercadoria e trajeto; já com a startup chinesa Lalamove e a brasileira PAX Express a Westwing tem contratos para reserva de frotas adicionais, de acordo com a demanda. Como durante a Black Friday, o volume esperado é grande e para evitar riscos, já foi calculado e reservado um número específico de veículos.

A expectativa da Westwing é de que a partir deste mês passem pelo Hub Urbano dois mil pedidos por dia e em seis meses o Hub responda por 90% das entregas da região metropolitana de São Paulo. O projeto também é visto com uma porta para inovação operacional, como expansão de entregas “next day” ou de serviços de dark store no futuro.

Publicidade

Compartilhe