O que eles agora ensinam na Harvard Business School

Buscar

Opinião

Publicidade

O que eles agora ensinam na Harvard Business School

A lição que mais me impactou foi a de fazer grandes apostas sem apostar a empresa como um todo.  Os líderes devem ser ousados ​​e ambiciosos, mas não imprudentes


4 de setembro de 2018 - 14h22

Crédito: Tanawatpontchour/iStock

Apesar de ter crescido na Guatemala, um país onde apenas cerca de 2% da população é formada da faculdade, eu estava obcecado em ir para a melhor universidade do mundo, Harvard. Eu li muito sobre o bem, o mal e o feio de Harvard. Um desses livros que ficou gravado na minha cabeça foi o bestseller dos anos 80s, “O que eles não ensinam na Harvard Business School”.  Em resumo, o que a HBS não ensinava, de acordo com este livro, eram táticas de senso comum para ter sucesso nos negócios.

“O que eles agora ensinam na Harvard Business School ” está em uma categoria completamente diferente. A HBS educa líderes que fazem uma diferença no mundo de maneira positiva e sustentável. Nos meus anos associados a HBS, nunca fui encorajado a acumular riqueza material a qualquer custo.  Em vez disso, sempre fui incentivado a procurar agregar valor, especialmente àqueles que mais precisam. Esta semana eu assisti ao Encontro Global de Liderança de Ex-Alunos, onde tudo isso foi reforçado.  Como dar é o que dá significado à minha vida, e como é sobre isso que escrevo, é imperativo compartilhar essa riqueza de sabedoria do encontro e da HBS em geral. Sem mais delongas, aqui estão as minhas principais lições:

Felicidade e Significado

Dan Gilbert, mundialmente famoso professor de psicologia e autor de best-sellers, apresentado em algumas das palestras TED mais assistidas de todos os tempos, conversou conosco sobre felicidade. Nós cometemos erros sobre o futuro porque o prevemos dentro do contexto de hoje. Com poucas exceções, como a perda de uma pessoa querida, uma adversidade terá só um impacto insignificante em nossas vidas alguns meses depois de ocorrer. Isso é porque nossa felicidade reverte à média, embora que quando acontecem possamos pensar que tudo está perdido para sempre.  É melhor adotar um estilo explicativo otimista que consista em não explicar a adversidade como permanente, generalizada, ou pessoal.  O outro lado da moeda também tem seus usos.  A “felicidade” que possessões materiais, como um carro caro, joias, ou os mais modernos eletrodomésticos trazem não dura por muito tempo.  É melhor concentrar o nosso tempo e energia em experiências e nas pessoas que amamos e com as quais vamos relembrar e reviver momentos especiais.

O Professor Clay Christensen é um dos principais líderes empresariais das últimas duas décadas, de fama mundial com sua teoria da disrupção.  No entanto, o que ele prega na maioria do tempo são suas lições profundas de viver uma vida significativa. Ele nos contou a história sobre como ele influenciou seu primeiro empregador para mudar a política de trabalhar os sábados e domingos. Ele nos contou da frequência cada vez menor às reuniões de seus colegas de MBA “bem-sucedidos”.  As pessoas que os conheciam diziam que eles estavam passando por difíceis divórcios, enquanto outra pessoa criavam seus filhos. Ele aconselha a usar os parâmetros certos para medir sua vida.  Quando você está em seu leito de morte, o que você vai gostar de ter feito mais, trabalhar mais horas e acumular mais riqueza, ou ter passado mais tempo com suas pessoas amadas?

Professor Sunil Gupta, diretor do Programa de Gestão Geral, disse-nos do desafiador e, ao mesmo tempo gratificante, que é se tornar um professor titular em HBS.  Você deve ser considerado entre os 3 melhores acadêmicos em sua área de especialização, caso contrário, você será solicitado a sair.  É dito a os novos aspirantes que, se eles veem o ensino como um trabalho ou uma carreira, eles não ficarão.  Somente aqueles que veem ensinar como uma paixão vencerão. Ele nos disse que a maioria dos professores da HBS poderia ganhar de 10 a 20 vezes mais dinheiro trabalhando em uma empresa do que ensinando. Quando ele foi perguntado se o corpo docente da HBS tem uma vida significativa, ele respondeu que, apesar de toda essa adversidade, os professores da HBS prosperam vivendo sua paixão de educar e influenciar os líderes.  Ele disse-nos de um professor que voltou da aposentadoria duas vezes para ensinar sem nunca pedir um salário. A julgar por cada um dos meus professores, ele está correto porque todos eles me inspiram a seguir minha paixão.

Pessoas

Robert Kapito, fundador e presidente da Blackrock, com US$6,5 trilhões em ativos, conversou conosco sobre liderança em tempos turbulentos.  Apesar de usar algoritmos e milhares de analistas para gerenciar esses vastos ativos, a maneira como Rob finalmente toma decisões bilionárias tem tudo a ver com pessoas.  Ele faz decisões de se investir bilhões de dólares em certos países, em grande parte através da avaliação do caráter e competência dos seus líderes.  Esqueça dos dados financeiros e económicos.  Tudo se resume a confiar nas pessoas!

O professor David Reich é o principal pesquisador mundial de DNA antigo, e ele nos falou sobre de onde viemos.  Os seres humanos migraram e misturaram tanto que as pessoas de todo o mundo têm muito mais em comum do que sabíamos até 10 anos atrás. Não é simplesmente que o Homo Sapiens tenha se originado na África e, portanto, todos nós temos um ancestral comum. Talvez saber que todos nós viemos de um único indivíduo africano há 200 mil anos faz pouco para alguém aceitar que todos estamos intimamente relacionados.  No entanto, após as indiscutíveis descobertas de DNA do professor Reich sobre o quanto as pessoas de todos os continentes se misturaram nos últimos séculos, os conceitos de cor e fronteiras nacionais tornaram-se sem sentido.  As questões atuais de pessoas discriminando, assediando, ou denegrindo os outros por causa da cor da sua pele, ou simplesmente porque são imigrantes não são baseadas em fatos sólidos.

Professor Claudio Fernandez Araoz falou conosco sobre como selecionar e desenvolver lideres mudou dramaticamente nos últimos anos.  Baseado nas últimas pesquisas, hoje, o potencial é muito mais importante do que as competências. Isso me fez pensar nos millennials que não tiveram a chance de provar seu potencial no mercado.  Existem implicações profundas e preocupantes de considerar toda uma geração preguiçosa, não cometida, e pensando que nascem com direito a todo sem fazer nada.  Além disso, existe um universo de potencial inexplorado em mulheres que continuam atingindo o teto de vidro corporativo, ou minorias que não são representadas de forma justa na liderança.  Independentemente do seu papel, você deve ajudar a capacitar todos esses grandes segmentos sub-representados da sociedade, a fim de lidar com muitos dos nossos enigmas mais profundos.  Finalmente, se você se encaixa em um ou todos esses grupos, tenha certeza de que tem potencial para fazer o que você quiser.

Prosperando no mundo VUCA (Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo) de hoje

Beth Comstock, autora e ex-vice-presidente de inovação de negócios da General Electric, conversou conosco sobre o poder da mudança.  Beth resume o ritmo frenético de hoje com o truísmo “o ritmo da mudança nunca foi tão rápido, mas nunca será tão lento”.  Somos acostumados a gostar de familiaridade, mas temos de adotar um novo paradigma ou mentalidade que corresponde a esta nova paradoxa do ritmo da mudança.  Devemos adotar uma mentalidade de ser curiosos, de não ter medo do fracasso, e de não ter medo de mudar.  Não tema a mudança – mude o medo!

O professor David Yoffie, que integrou os conselhos de administração da Microsoft, Intel e Apple, compartilhou gentilmente as lições que aprendeu com Bill Gates, Anthony Grove e Steve Jobs.  A lição que mais me impactou foi a de fazer grandes apostas sem apostar a empresa como um todo.  Os líderes devem ser ousados ​​e ambiciosos, mas não imprudentes.  Isso também se aplica à sua vida profissional.  Você deve ter um emprego seguro (se isso ainda existe!) que paga as suas contas, mas você também deve experimentar e apostar em profissões emergentes. Segundo o Fórum Econômico Mundial, 65% dos empregos que existirão em 10 anos não existem hoje.  Se você não está investindo em suas futuras oportunidades disruptivas, você mesmo será disruptado.

A professora Diane Paulus, diretora do American Repertory Theatre de Harvard e ganhadora do prêmio Toni, conversou conosco sobre o processo criativo. Ela disruptou o teatro fazendo o público participar depois que o show oficial acaba. Essa participação é onde o público deriva mais prazer e aprendizados.  Ela criou um fórum comunitário seguro onde as pessoas podem ser elas mesmas e podem ser vulneráveis para discutir assuntos delicados como dependência de drogas, crise de identidade sexual, e discriminação, entre outros.  Isso é mais importante do que nunca, já que as pessoas vêm perdendo a confiança em antigas âncoras da comunidade, como a igreja, o governo e a família. Ela chama este fórum, “Ato 2”.  Refleti sobre isso e percebi que a escola formal é apenas o “Ato 1” de nossas vidas educacionais.  O verdadeiro aprendizado e recompensas ocorrem quando você se torna um aprendiz vitalício. Ter tempo para ir a eventos como este encontro da HBS, ler profundamente e amplamente, e participar de uma educação continua é crítico hoje em dia. Esse é o “Ato 2” de nossas vidas educacionais, e é vital prosperar no mundo VUCA de hoje.

Fazendo uma diferença

A parte mais inspiradora do encontro foram os reconhecimentos “Fazendo uma Diferença” a 5 ex-alunos proativos que fornecem financiamento para Latinas iniciar seus próprios negócios, que criaram treinamento de liderança e empoderamento para mulheres, e que dedicam suas vidas ao voluntariado e servir os menos afortunados.  Eles representam tudo o que “Eles ensinam na Harvard Business School”.

HBS continua me inspirando a ser um líder que faz uma diferença no mundo!

 

*Crédito da imagem no topo: Rawpixel/iStock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Liderança

  • comportamento

  • Harvard Business School

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”