A década do smartphone

Buscar

Opinião

Publicidade

A década do smartphone

Foram 1,5 bilhão de unidades vendidas em 2016, nível em que permanece até agora; vendas em todo o mundo triplicaram no período de seis anos


11 de fevereiro de 2020 - 10h33

(Crédito: Robin Worrall/Unsplash)

Em 2020, começamos não só um novo ano, mas também uma nova década. Olhei para 2010—2020 tentando me concentrar no que havia me causado uma impressão duradoura quando se trata de tecnologia e do impacto que tem sobre nós. Recordei rapidamente de uma sexta-feira específica de 2012 quando estava trabalhando para o Facebook, em Paris. Pouco antes, Mark Zuckerberg havia enviado um e-mail a todos nós, funcionários, tornando obrigatória a participação na próxima reunião semanal em vídeo da empresa, também conhecida como “tudo em mãos”. Durante essas sessões, Mark e outros executivos compartilhariam algumas considerações com os funcionários e responderiam as perguntas de qualquer pessoa. Nesse dia específico, porém, Mark Zuckerberg explicou por que o Facebook teve que mudar como: “seremos uma empresa mobile first”.

No início, era difícil entender o que isso significava para a empresa e o que seria necessário para que essa mudança acontecesse. Apesar dos números sólidos de crescimento, o uso de dispositivos móveis ainda era muito menor que o de computadores e poderia ter sido fácil entender os dispositivos móveis como uma mera evolução do que estava ocorrendo nos computadores. Olhando para trás, foi um momento crucial para a empresa e uma decisão vital que mudou tudo no Facebook, desde como a codificação foi feita até como os produtos foram desenvolvidos e apresentados. A equipe de liderança do Facebook havia entendido que o celular, e mais especificamente os smartphones, era uma nova plataforma de computação, exatamente como na época em computadores e que ser uma empresa pioneira em dispositivos móveis implicava adaptar quase tudo o que era feito no Facebook.

Essa anedota pessoal me parece hoje como a ilustração perfeita de quanto nos tornamos conhecedores de telefones celulares (viciados?). E por que 2010—2020 pode ser visto como a década dos celulares ou, mais precisamente, do boom dos smartphones. Os dispositivos móveis conectados à Internet tomaram conta de nossas vidas e remodelaram profundamente nossas rotinas diárias. Em 2019, baixamos coletivamente mais de 194 bilhões de aplicativos! Parece que existe um aplicativo para praticamente tudo. Desde a maneira como nos movemos com o Uber ou o Grow, como conseguimos comida ou até como encontramos alguém para cuidar de nossos animais de estimação com o DogHero.

Inúmeras startups e algumas empresas aproveitaram o fato de que os dispositivos móveis são assistentes de vida dos quais mal podemos ficar algumas horas sem eles, não vamos dizer um dia inteiro. Em média, verificamos nossos telefones muitas vezes por dia e os brasileiros, como a segunda população mais conectada do mundo, passam 9 horas e 29 minutos conectados, metade do tempo em dispositivos móveis (ranking nº 3 para uso móvel na Internet), conforme declarado pelo WeareSocialStudy.

Ser uma sociedade “mobile first” trouxe o que Rodrigo Souto, gerente sênior de marketing da Hubspot, chamou de “era da conveniência”. Essa expressão destaca o quanto nossos hábitos móveis mudaram, pois nós, como usuários ou clientes, não podemos mais ficar incomodados em procurar algo, mas precisamos encontrá-lo com a maior facilidade e rapidez possível. Nossa paciência é cada dia mais curta. Sendo da geração de transição do analógico para o digital, lembro-me do tempo e da dor necessários para conectar-me à internet através de modems de 33,6 Kbps.

Hoje, não aguento mais do que alguns segundos para carregar uma página e, provavelmente, você também. Se formos honestos e olharmos para as “taxas de rejeição” de sites ou aplicativos, nossa paciência diminuiu para menos de um segundo. À medida que nossas “exigências” aumentam para aplicativos, o mesmo acontece para outros serviços e empresas. O comércio eletrônico no Brasil ainda é atormentado pelas exigências relacionadas a bancos e pagamentos online.

Se olharmos para os números de 2010—2020 sobre celulares, eles são absolutamente surpreendentes. A evolução das vendas de smartphones é uma ilustração perfeita do significado e aparência de “exponencial”. Em 2010, devido ao aumento do Android, 296 milhões de smartphones foram vendidos em todo o mundo. Houve um aumento de 72% em relação ao ano anterior, enquanto o crescimento entre 2007 e 2009 foi “apenas” de 40% ao longo de dois anos. Assim, 2010 marcou um verdadeiro boom na adoção de smartphones que acelerou para atingir 1,5 bilhão de unidades vendidas em 2016, nível em que permanece até agora. Isso significa que as vendas de smartphones em todo o mundo triplicaram no período de seis anos, criando o que geralmente é chamado de curva de crescimento do taco de hóquei.

Quando falamos de tecnologia, geralmente ouvimos esse adjetivo exponencial associado a muitos substantivos: organizações, eras etc. A mudança exponencialmente acelerada baseada em Vinge e a Lei dos Aceleradores de Retorno de Kurzweil caracterizam como o impacto da tecnologia pode ser sentido primeiro lentamente e, então, de repente. Anand Sanwal, co-fundador da CB Insights, explica muito bem em uma palestra o fenômeno e como as empresas enfrentam mudanças. Ele chama isso de fenómeno “gradually, then suddenly”. Quando você olha para o exterior, como uma empresa não-tecnológica, por exemplo, pode se enganar com a lentidão no início e é fácil ser pego quando é tarde demais.

Uma consequência direta do crescimento exponencial é a rapidez com que as mudanças podem ocorrer, uma vez configuradas para acelerar. Explica por que é tão importante que os profissionais e as empresas estejam prontos para se adaptarem às mudanças das condições e possam fazê-lo rapidamente. Quem nunca ouviu falar sobre metodologias como Lean ou Ágil, que promovem mudanças organizacionais destinadas a isso? Na primeira conferência .Futuro que organizamos em 2017, me lembro de como Mathieu de Fayet explicou o incrível sucesso da Niantic com o Pokemon Go e seus desafios para lidar com o crescimento extremamente rápido. Como lembrete, eles receberam 50 milhões de downloads em… 19 dias.

Não é surpresa que o novo livro de Peter Diamondis, co-fundador da Singularity, seja chamado de “O futuro é mais rápido”. A ideia central é que as tecnologias estejam sendo desenvolvidas mais rapidamente e, como também convergem, isso alimenta outra camada de aceleração. Não começamos o ano de 2020 no Brasil com um novo unicórnio, a Loft, que foi fundado há apenas 16 meses?

Estar pronto para se adaptar é um fator chave. Se olharmos para trás como o Facebook enfrentou a revolução dos dispositivos móveis, eles não entenderam tudo imediatamente. Por algum tempo, a empresa se concentrou nas soluções HTML5 para o desenvolvimento de aplicativos, que provaram ser um beco sem saída. No entanto, concentrando-se primeiro no celular, eles conseguiram entender melhor o que era vital e necessário para as pessoas, para seus parceiros e, provavelmente, explica por que eles usaram o Instagram e o WhatsApp antes de outros. Eles também entenderam a importância que o vídeo estava ganhando, por exemplo, e o então gerente de produto do vídeo, Fidji Simo, agora é chefe do aplicativo do Facebook, que aparece para mim como uma consequência natural de tudo isso.

Assim, nos próximos dez anos, temos muitas tecnologias mencionadas, da realidade aumentada à nanotecnologia e à computação quântica, mas a mais comentada é, certamente, a inteligência artificial, que deve alimentar a maioria das outras tecnologias. É complicado fazer previsões, mas aposto que ouviremos cada vez mais NBIC (nanotecnologia, biotecnologia, tecnologia da informação e ciência cognitiva) e que a convergência é uma tendência essencial que vai acelerar a mudança e torná-la emocionante e interessante. Década desafiadora, assim como diz Buzz Lightyear, de Toy Story: “Para o infinito…e além!”

*Crédito da foto no topo: Stevanovicigor/iStock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • rodrigo souto

  • anand sanwal

  • peter diamondis

  • fidji simo

  • Mark Zuckerberg

  • facebook

  • Instagram

  • Uber

  • whatsapp

  • Niantic

  • Hubspot

  • Grow

  • singularity

  • cb insights

  • doghero

  • wearesocialstudy

  • Smartphones

  • dispositivos móveis

  • pokémon go

  • mobile first

  • era da conveniência

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”