O que fazer quando a CPI vira o BBB?

Buscar
Publicidade

Opinião

O que fazer quando a CPI vira o BBB?

Muitos políticos já entenderam que a CPI virou entretenimento e têm reaprendido a cuidar das suas próprias marcas


25 de maio de 2021 - 13h43

(Crédito: Raphael Pavan/Divulgação)

Conversas no Twitter, lives no Twitch, textões no Facebook, memes no Whatsapp e o Brasil indignado. Poderia ser um teste no BuzzFeed: Big Brother ou CPI da Pandemia? Mas não, dessa vez não é prova do líder, são os líderes do país, estrelando o reality mais tenso dos últimos tempos: a #CPIdaCovid.

A presença constante nos trending topics, a GloboNews liderando a audiência do ranking de TV por assinatura e um vídeo de oito horas do depoimento do ex-ministro da saúde Pazuello com quase um milhão de visualizações no YouTube não deixam dúvidas: na ausência do BBB, o brasileiro encontrou entretenimento na política.

Muitos políticos já entenderam que a CPI virou um reality show e têm reaprendido a cuidar das suas próprias marcas. Alguns contam com ADMs criando seus memes, editando vídeos e fazendo um trabalho de branding em tempo real nas redes sociais. Alguém duvida que Juliette seja o benchmark de algum deles?

O auge dessa mudança de mentalidade foi quando Renan Calheiros, relator da CPI, leu uma pergunta “enviadas pelos internautas”. Isso mesmo, o senador na noite anterior abriu a caixinha de perguntas no Instagram e, como diria Lumena, ressignificou o conceito de democracia participativa. Ou pelo menos, assim gostaria que parecesse.

Se você duvida que a política tem gerado cada vez mais engajamento, espia só. Apenas na última semana, presenciamos o BuzzFeed fazendo live tweeting, o Marcelo Adnet narrando as sessões da CPI como Galvão Bueno, influenciadores fazendo lives com recorde de audiência, sem falar na infinidade de artistas acompanhando e comentando tudo.

Isso quer dizer que um dia a casa mais vigiada do Brasil será o Palácio do Planalto? Provavelmente não. Mas se hoje o Brasil “tá lascado”, tornar a política cada vez mais pop e acessível pode ser o começo para a gente chegar lá.

*Crédito da foto no topo: Reprodução

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Opinião: A fadiga de notícias

    Opinião: A fadiga de notícias

    De cada 100 brasileiros, 54 evitam saber das notícias no seu cotidiano

  • Experiência superior no B2B requer estratégia ‘H2H’

    Experiência superior no B2B requer estratégia ‘H2H’

    Talvez tenhamos que mudar a sigla para H2H, porque na verdade tudo acontece entre humanos