Brasileiros dispostos ao autoatendimento no varejo

Buscar

Brasileiros dispostos ao autoatendimento no varejo

Buscar
Publicidade

Marketing

Brasileiros dispostos ao autoatendimento no varejo

Trade, no entanto, ainda está defasado em soluções para o shopper local


3 de outubro de 2016 - 10h38

Autoatendimento_Fotolia_575

Crédito: Fotolia

Segundo o estudo High-tech Retail – A tecnologia e o comportamento de compra do brasileiro, realizado pela Croma Marketing Solutions, 60,4% dos brasileiros se dizem dispostos a utilizar tecnologias de autoatendimento nas compras, nos próximos três anos. Mais da metade da mostra vê as tecnologias como úteis à ação de compra, citando aplicativos (58%), autoatendimento (56%), novos meios de pagamento (57%) e visualização 3D (44%).  Quanto à disposição efetivamente de experimentar as tecnologias, a visualização 3D é citada por 46% dos participantes, seguida de realidade virtual (39%), novos meios de pagamento (30%) e telas interativas (28%).

Quanto às tecnologias que as pessoas já experimentaram, 54% disseram já ter usado aplicativos; 45%, o autoatendimento; 43%, tutoriais; 34%, telas interativas; e 31%, meios de pagamento tecnológicos. Ainda assim, Edmar Bulla, CEO da Croma, vê oportunidades de melhorias: “É imprescindível que as empresas se atentem mais às ocasiões de compra do que apenas inovar pensando em ocasiões de consumo. O trade está defasado em soluções para o shopper”.

O estudo detectou dez macrotendências: Eu, mobile (mobilidade como integradora de dois mundos), Aqui e agora (obrigação de ser útil e entreter), Varejo self-service (foco no autoatendimento), Comparando e comprando (poder inexplorado dos buscadores), Quem experimenta, compra (experiência virtual sedutora), Além do plástico (revolução dos meios de pagamento), Servimos bem para servir sempre (sai vendedor e entra consultor), Líderes de varejo e de tecnologia (varejista do futuro é high-tech), Não é só o front-end (reinvenção das operações) e Shopper, shopper, shopper (está na hora de conhecê-lo).

A pesquisa foi realizada em julho, ouvindo três mil pessoas de São Paulo, Belo Horizonte, Distrito Federal, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Manaus. Além da etapa quantitativa, foram analisados 60 casos de neurociência cognitiva, em meios físicos e digitais, e 20 entrevistas em profundidade, com profissionais de mercado.

 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Haribo ancora planos de crescimento em pesquisas de mercado

    Haribo ancora planos de crescimento em pesquisas de mercado

    Estudo sobre sabores preferidos dos brasileiros ajudam a fabricante de balas traçar estratégias de lançamentos para ampliar público consumidor

  • Rebeca Andrade vira Barbie em homenagem promovida pela Mattel

    Rebeca Andrade vira Barbie em homenagem promovida pela Mattel

    Além da ginasta brasileira, marca homenageia atletas que são inspiração para as meninas de todo o mundo