Briga pela “Língua de gato”: Kopenhagen vai recorrer da decisão judicial

Buscar

Briga pela “Língua de gato”: Kopenhagen vai recorrer da decisão judicial

Buscar
Publicidade

Marketing

Briga pela “Língua de gato”: Kopenhagen vai recorrer da decisão judicial

Grupo CRM, que detém o registro da expressão no Inpi, promete recorrer da medida que tira sua exclusividade na utilização do nome do chocolate


4 de julho de 2024 - 18h18

O Grupo CRM, proprietário das marcas Kopenhagen e Brasil Cacau, promete recorrer da decisão que tirou da companhia a exclusividade do uso da expressão “Língua de Gato” em seus produtos.

Na segunda-feira, 1, a juíza Laura Bastos Carvalho, da 12ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro, protocolou decisão que tira da companhia o direito de usar com exclusividade a expressão em seus chocolates e produtos. A decisão judicial é uma reposta à ação movida pela Allshow Empreendimentos e Participações Ltda, uma das controladoras da Cacau Show – e, portanto, concorrente das marcas do Grupo CRM.

Em comunicado enviado à imprensa nesta quinta-feira, 4, o Grupo CRM, inicialmente, esclarece que o registro da expressão “Língua de Gato” no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi) segue válido e permanece sob a propriedade da empresa.

“A decisão noticiada foi proferida em primeira instância e não tem qualquer efeito imediato que invalide ou suspenda os direitos marcários dos produtos comercializados pela Kopenhagen”, esclarece a companhia sobre a continuidade do uso da marca em seus produtos e comercialização.

Kopenhagen irá recorrer para manter exclusividade da “Língua de Gato”

Na sequência do comunicado, o grupo anuncia que irá recorrer da decisão judicial e, para isso, usará seu histórico e o posicionamento do Inpi.

“O Grupo vai recorrer da decisão destacando o histórico da marca, as medidas protetivas adotadas ao longo dos anos e, ainda, o próprio posicionamento do INPI reconhecendo os direitos de propriedade intelectual da empresa. Vale enfatizar que tais direitos referem-se ao uso do nome Língua de Gato para fins comerciais e identificação do produto pela Kopenhagen”, diz a companhia.

Por fim, o Grupo CRM destaca que o chocolate “Língua de Gato” é uma criação da Kopenhagen. “Língua de Gato é um clássico, criado na cozinha do casal fundador David e Ana Kopenhagen na década de 40. Há mais de 80 anos é fabricado com a mesma receita, artesania e riqueza de sabor”, finaliza o grupo.

A briga pelo uso do termo “Língua de Gato”

Para levar a questão à justiça e tentar tirar da Kopenhagen o uso exclusivo da expressão, a empresa controladora da Cacau Show alegou que, embora os registros no Inpi sejam legais, não poderiam ser concedidos a uma só empresa, visto que a expressão é usada no mundo todo para denominar o chocolate alongado, cujo formato lembra o de uma língua de gato.

Desta forma, portanto, qualquer empresa produtora de chocolates – e nao somente a Kopenhagen ou a Brasil Cacau – poderia utilizar o termo “Língua de Gato” em seus produtos.

Em sua decisão, a juíza considerou que a Kopenhagen não demonstrou o caráter único da marca ao registrá-la no Inpi. “Ficou comprovado que a expressão língua de gato’ é de uso comum para designar chocolates em formato oblongo e achatado”, escreveu.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele