Procon-SP multa T4F por vendas da turnê de Taylor Swift

Buscar

Procon-SP multa T4F por vendas da turnê de Taylor Swift

Buscar
Publicidade

Marketing

Procon-SP multa T4F por vendas da turnê de Taylor Swift

Decisão da entidade de proteção ao consumidor também se refere às vendas dos ingressos das edições 2020 e 2023 do Lollapalooza Brasil


13 de dezembro de 2023 - 8h16

Nessa terça-feira, 12, o Procon-SP multou a T4F, responsável pela organização e realização da turnê da cantora Taylor Swift no Brasil, por conta de falhas na venda dos ingressos das apresentações. E penalidade também foi aplicada para a comercialização dos ingressos das edições de 2020 e 2023 do Lollapalooza, festival também organizado pela T4F.

pronunciamento t4f

Taylor Swift realizou seis shows no Brasil em novembro (Crédito; buda-mendes-tas23-gettyimagens)

Taylor Swift trouxe a esperada The Eras Tour ao País em novembro, com três shows Rio de Janeiro e três em São Paulo. A turnê acabou marcada por problemas de infraestrutura e de organização e pela morte de uma jovem, dentro do estádio do Engenhão, na primeira apresentação da cantora na capital fluminense.

A multa aplicada pelo Procon-SP, no entanto, é referente à comercialização dos ingressos para as apresentações da cantora no Brasil, realizada em junho deste ano, bem como para as vendas das entradas para as edições 2020 e 2023 do Lollapalooza.

Segundo a entidade de proteção ao consumidor, “as irregularidades constatadas foram por ‘serviços inadequados’, como falta de respeito às próprias regras da fila virtual, incluindo acesso de consumidores na espera, mesmo quando os ingressos já estavam esgotados; ‘vantagem manifestamente excessiva’ pelo descumprimento de diversas situações relacionadas à meia-entrada e não devolução da taxa de conveniência quando do cancelamento de show.”

O Procon-SP também diz que a empresa não respeitou as instruções para a retirada do Pacote VIP, a descrição do que poderia ou não ser levado aos shows, a cobrança de taxa de conveniência nas vendas realizadas presencialmente e que não teria facilitado os procedimentos de devolução dos ingressos de quem desistiu das apresentações.

Ainda de acordo com o comunicado do Procon-SP, o valor da multa será calculado conforme o Código de Defesa do Consumidor e aplicada por meio de processo administrativo. A T4F ainda tem direito à defesa no processo.

T4F, Taylor Swift e a confusão das vendas dos ingressos

Em junho, logo após o início das vendas dos ingressos de The Eras Tour no Brasil, o Procon-SP notificou a T4F para pedir esclarecimentos a respeito das reclamações feitas pelo público. Segundo alguns consumidores, as entradas esgotaram-se rapidamente das plataformas oficiais de vendas, mas estariam sendo vendidas, por preços superiores, em sites não-oficiais.

Além disso, o Procon-SP também quis averiguar, junto à T4F, as notícias sobre a falta de organização e tumulto nos pontos de venda dos ingressos.

Após a análise dos documentos e justificativas apresentadas pela companhia, a entidade determinou a aplicação da multa nessa terça-feira, 12.

T4F e os problemas do Lollapalooza

No fim de março, a T4F comunicou que deixaria de realizar o Lollapalooza no Brasil após dez edições do Festival. A partir de 2024, a organização do Festival de música será feita pela Live Nation.

Em comunicado divulgado na época, a T4F disse que o fim do relacionamento com o festival se deu devido ao término da vigência do contrato de uma década que mantinha com a Lollapalooza, LLC. “Mesmo com resultados excepcionais ao longo de todos esses anos, em uma decisão de estratégia de negócios global, a Live Nation, optou por centralizar a operação de todos os seus festivais no Brasil com a Rock World”.

O anúncio da mudança aconteceu após problemas na edição deste ano do Lollapalooza Brasil. Poucos dias antes do início do evento, o Ministério do Trabalho encontrou cinco pessoas que trabalhavam para a Yellow Stripe, empresa contratada pela T4F, que estariam em condições análogas à escravidão. Após ser notificada pelo Ministério do Trabalho e do Emprego, a empresa rescindiu o contrato com Yellow Stripe e comprometeu em garantir os todos os direitos dos trabalhadores.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Trabalho: 4 em cada 10 profissionais LGBT+ já sofreram discriminação

    Trabalho: 4 em cada 10 profissionais LGBT+ já sofreram discriminação

    Dado faz parte de levantamento feito para a iO Diversidade pelo Instituto Locomotiva e QuestionPro

  • Os planos da Sadia para cativar os consumidores do futuro

    Os planos da Sadia para cativar os consumidores do futuro

    Marca da BRF investe em música, com Lollapalooza, esporte, com a NBA, e novidades no portfólio para se conectar com o público jovem e a geração Z