Como o Porta dos Fundos transforma entretenimento em negócios

Buscar

Como o Porta dos Fundos transforma entretenimento em negócios

Buscar
Publicidade

Mídia

Como o Porta dos Fundos transforma entretenimento em negócios

Na VidCon 2023, Antonio Tabet, um dos sócios da produtora, contou como foi a jornada de fazer com que as marcas embarcassem na ideia de rir de si mesmas


8 de julho de 2023 - 12h31

Porta dos Fundos VidCon

Antonio Tabet, um dos sócios do Porta dos Fundos, falou sobre os negócios da produtora na VidCon São Paulo (Crédito: Reprodução/Twitter)

O Porta dos Fundos completará 11 anos de existência neste ano. Durante todo esse período, o canal foi evoluindo e produzindo outros conteúdos além de esquetes, como minisséries, séries e filmes, tornando-se uma produtora.

Para o futuro, a ideia do Porta é continuar apostando nas esquetes, mas ir além do humor, com conteúdos jornalísticos e até documentários.

Foi isso o que afirmou Antonio Tabet, fundador do Porta dos Fundos, do canal Desimpedidos e criador do Kibe Loco, em painel realizado nessa sexta-feira, 7 primeiro dia da VidCon São Paulo.

Outra estratégia da produtora é trabalhar cada vez mais próximo a agências e marcas. “Temos mil possibilidade hoje, por exemplo, de fazer um reality show produzido pelo Porta vinculado a uma marca”, explicou Tabet.

Brand Entertainment

Desde a criação do canal, em 2012, o Porta dos Fundos sempre falou sobre marcas abertamente, e segundo Tabet, justamente por isso, o público se acostumou. “Não existe uma rejeição do público, pelo contrário, às vezes, fazemos um vídeo que não foi patrocinado por uma marca e o público acha que foi e vice-versa”, ressaltou.

Essa relação com as marcas, na verdade, começou quando o Porta estreou um vídeo falando mal do Spoleto (veja abaixo), mas que chamou a atenção da marca, que resolveu patrocinar outras produções do canal. “Foi uma sorte”, frisou Tabet.

O ator Fábio de Luca, que integra o elenco fixo do Porta dos Fundos e Amigos da Luz, que mediou o painel na VidCon, questionou o VP, Business Development do Porta, André Vinicius se é difícil de fazer as marcas entenderam qual é a proposta do canal.

. “Realmente não tem tantas marcas assim no mercado que conseguem se jogar”. Mas as que conseguem, segundo Vinicius, ganham por serem autênticas. “Autenticidade constrói reputação, gera conversa, faz com que o conteúdo seja cada mais menos interruptivo e cada vez mais entretenimento”.

Veja a cobertura do Meio & Mensagem na VidCon São Paulo 2023:

– Entrando no game: como marcas incluem os streamers na criação?

– Do mainstream ao digital: Globo usa conteúdo para tentar ampliar conexões

– O segredo de sucesso dos podcasts – e das boas histórias

– A música na era conectada: redes sociais transformam artistas em hits

– CEOs do futuro: a relação dos creators com os negócios

– O futuro da televisão na era dos creators digitais

– Entretenimento e diversidade a favor dos negócios das marcas

– Influenciadores demandam liberdade na co-criação com marcas

– Boca Rosa cria portal de notícias e programas de impacto social

– Das comunidades aos negócios: a potência que vem das ruas

– Pensamentos e propósitos dos novos consumidores

– VidCon estreia debatendo o papel dos influenciadores para as marcas

Publicidade

Compartilhe

Veja também