CEOs do futuro: a relação dos creators com os negócios

Buscar

CEOs do futuro: a relação dos creators com os negócios

Buscar
Publicidade

Mídia

CEOs do futuro: a relação dos creators com os negócios

Por mais que carreira seja impulsionada pela paixão, influenciadores precisam de planejamento e estratégia para conduzir suas parcerias, projetos e relações com marcas


9 de julho de 2023 - 12h00

CEOs creators

Ana Paula Passarelli, da Brunch, conduz debate com Enaldinho, Pedro Gazolla e Bia Granja (Crédito: Arthur Nobre)

A crescente profissionalização dos criadores de conteúdo tem impulsionado transformações na relação desses profissionais com a área de negócios. Mais do que a criatividade necessária para a diferenciação e ascensão de novos creators, as atuais complexidades desse mercado requerem também visão empreendedora e de gestão.

Bia Granja, fundadora e COO da Youpix, analisou, durante a VidCon São Paulo, que, de fato, a jornada de um creator normalmente começa pela “paixão”. No entanto, para a especialista, muitos criadores ainda não conseguem perceber a importância de incluir o planejamento necessário para ir além.

“É uma inversão. Uma coisa é viver de paixão, fazer uns conteúdos e esperar que, em algum momento, as coisas aconteçam. Outra coisa é entender como o que você está publicando pode te ajudar na construção de um negócio muito maior”, ressaltou.

O youtuber Enaldinho é um exemplo disso. A partir do conteúdo em vídeo, o creator conseguiu se lançar no mercado, conquistando outros territórios. Livros, turnês e o ramo de licenciamentos de itens que vão de fones de ouvido a roupas de cama, são alguns dos segmentos em que ele já está inserido.

Enaldinho lembra que, quando começou na internet, aos 17 anos, a ideia era se divertir. Porém, os primeiros retornos financeiros o fizeram expandir a visão sobre o próprio canal. “Foi preciso entender o próximo passo e pensar como ampliar os ramos de monetização do meu negócio em várias áreas”, conta.

Pedro Gazzola, CEO da Roda Digital, empresa que gerencia a carreira do youtuber, explicou que o processo natural de creator em crescimento é ter demandas de marca. E, por ser um ponto de atenção, também é comum que o profissional se associe a outras empresas de gerenciamento. “É uma parte que envolve tempo e, muitas vezes, o criador não tem tempo suficiente para essa parte mais ‘chata’”, falou.

Nesse sentido, Bia complementou que é importante que o criador, ainda que conte com parceiros, esteja envolvido também na área mais burocrática, mesmo que seja considera mais “chata”. Para ela, se debruçar sobre essas informações é entender realmente o negócio.

“A empresa é a planilha. Por mais que delegue para alguém, se você não estiver apropriado dessa parte, não será possível navegar por esse universo. Essa mudança de pensamento dos criadores para se entenderem como empresa tem um pouco disso”, salientou.

Veja a cobertura do Meio & Mensagem na VidCon São Paulo 2023:

– Entrando no game: como marcas incluem os streamers na criação?

– Do mainstream ao digital: Globo usa conteúdo para tentar ampliar conexões

– O segredo de sucesso dos podcasts – e das boas histórias

– A música na era conectada: redes sociais transformam artistas em hits

– O futuro da televisão na era dos creators digitais

– Entretenimento e diversidade a favor dos negócios das marcas

– Influenciadores demandam liberdade na co-criação com marcas

– Como o Porta dos Fundos transforma entretenimento em negócios

– Boca Rosa cria portal de notícias e programas de impacto social

– Das comunidades aos negócios: a potência que vem das ruas

– Pensamentos e propósitos dos novos consumidores

– VidCon estreia debatendo o papel dos influenciadores para as marcas

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Como os brasileiros utilizam as redes sociais?

    Levantamento da Brain investigou hábitos de consumo de redes sociais entre diversas faixas etárias; WhatsApp é o app líder entre todas as gerações

  • Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Paramount+ segue os demais streamings e reajusta preço no Brasil

    Após ter aumentado assinatura no mercado norte-americano, plataforma também terá novos valores no País a partir de setembro