A História se repete?

Buscar
Publicidade

Opinião

A História se repete?

O difícil período que institutos de pesquisa enfrentaram nos anos 1990 pode servir como retrovisor às agências em sua atual concorrência com consultorias


19 de outubro de 2016 - 9h00

Em um mundo no qual mobilidade, redes sociais e capacidade de analisar grandes volumes de dados em tempo quase-real atraem parcelas crescentes do investimento em comunicação, as consultorias de gestão são uma ameaça para as agências de publicidade?

Volta e meia a questão aparece aqui mesmo, como na edição 1717 e nesta entrevista de Márcio Santoro. Obviamente, ninguém tem uma bola de cristal para prever o que vai acontecer (exceto os consultores), mas a história de como os institutos de pesquisa perderam espaço para as consultorias ao longo da última década é um bom ponto de partida.

Em meados dos anos 1990, a internacionalização das empresas criou problemas mais complexos para as organizações e aprofundou a necessidade de estratégias globais. Ao mesmo tempo, os avanços tecnológicos possibilitaram um maior grau de controle e uniformidade sobre uma série de processos, entre os quais os de amostragem, aplicação de questionários e análises comparativas.

Ao invés de focarem em novos tipos de problemas decorrentes da globalização e do avanço tecnológico, as empresas de pesquisa passaram a fazer uma “corrida armamentista”, centrada na questão da qualidade das amostras e redução de custos via pessoal/automação. Esta combinação permitiu as consultorias “desintermediarem” os institutos de pesquisa, que passaram a ser vistos como meros “fornecedores de respondentes”, perdendo sua função de interlocução entre os desejos e opiniões dos consumidores e a direção das empresas.

O resultado foi a perda de importância relativa, traduzida no menor crescimento do faturamento (segundo o Censo Econômico dos EUA, entre 1999 e 2008 a receita dos institutos cresceu 25%, enquanto a das consultorias avançou 92,4%). As empresas de pesquisa que continuaram focando apenas no controle de qualidade dos seus processos, sem capacidade de contextualizar o comportamento do consumidor diante de um cenário de negócios mais complexo, fecharam as portas ou foram compradas. Somente em 2005, foram 585 aquisições no setor.

O negócio passou a ser dominado por holdings, diante da dificuldade de entregar um crescimento orgânico na casa de 10% – 12% como o exigido pelos analistas de bancos e corretoras. E a lógica da holding é entregar resultados para o acionista, ainda que as custas dos clientes (não vou nem falar sobre salários e condições de trabalho).

A primeira similaridade entre a situação das agências hoje e a dos institutos na década passada é que os problemas dos clientes estão se tornando mais complexos, mas boa parte das organizações continua focando naquilo que já faziam, e não em soluções que façam sentido diante do novo contexto dos negócios (menor taxa estrutural de crescimento econômico, transformações demográficas, digitalização de processos produtivos e novas fronteiras da competição, que não precisa mais vir necessariamente dos concorrentes tradicionais).

Outro ponto importante é que o setor também possui apenas uma atividade que gera economia de escala: a compra de mídia (assim como a coleta de dados é a única área de economia de escala para os institutos de pesquisa).

A resposta das agências tem sido a mesma dos institutos de pesquisa: redução de custos com ênfase na tecnologia. O resultado também tem sido o mesmo: uma pesquisa na base de dados DealWatch, da Euromoney, indica 409 fusões, aquisições e compra de participação no setor de publicidade entre setembro de 2015 e 2016 (26 delas no Brasil). Foram 267 em 2014 e 215 em 2013, ou seja, o processo está acelerando.

Se a História é boa conselheira, a aposta das agências é focar naquilo que sabem fazer melhor: contar boas histórias sobre os produtos e as marcas dos clientes dentro do contexto do consumidor. Vai ser muito difícil conseguir vantagem competitiva em termos de custos operacionais (e de compra de mídia) diante das grandes consultorias globais.

 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Sete dicas para sua marca se destacar com Reels

    Todos os dias, bilhões de pessoas são impactadas por esse formato, mas captar a atenção efetivamente já depende muito da criatividade

  • É das vira-latas que eles gostam mais

    Agências independentes, ao contrário dos “cães de pedigree” (grupos internacionais), se movimentam com inteligência de rua, enquanto estes são mais preocupados em sustentar complexidades