Com quantos dados se faz um piseiro ser hit do verão?

Buscar

Com quantos dados se faz um piseiro ser hit do verão?

Buscar
Publicidade

Opinião

Com quantos dados se faz um piseiro ser hit do verão?

Nunca a lógica foi tão importante como disciplina como agora, mas além dela é preciso melodia, imaginação, aposta e sorte


20 de fevereiro de 2024 - 6h00

Os dados são como partituras somadas aleatoriamente, não dão um som. Um som usa dos dados para virar hit de verão, mas não é só a lógica que faz ela chegar no seu Spotify.

O piseiro é um estilo musical que nasce no Piauí e é uma mistura de forró, arrocha e sertanejo. Há controvérsias, já que o ritmo é uma derivação da pisadinha. O ponto é que ele é uma mistura típica brasileira que, além de tudo, tem o humor do meme Homem Guitarra para fazer dar escala no Tiktok antes de chegar na sua playlist.

O sucesso do piseiro é uma sequência complexa influenciada pela cultura, artistas, algoritmo e produtoras. O sucesso está longe de ser uma casualidade, mas o plano para se chegar aí está longe de ser apenas um cálculo matemático.

Agora, imagine se esse gênero musical fosse uma campanha publicitária.

Qual teria sido o dado que deu origem ao estilo? Em que momento seria possível prever o sucesso? Que métrica seria a melhor medida de mensuração?

Muito se fala sobre a importância dos dados nas campanhas publicitárias. De como construir modelos de atribuição prescritivos assertivos, de como codificar o algoritmo das plataformas sociais ou de entretenimento a fim de buscar eficiência dos critérios de parametrização na performance dos criativos.

Nunca a lógica foi tão importante como disciplina como agora.

Tático e estratégico se fundiram em um único refrão.

E é nesse caos entre teclados, dancinhas, memes que se compõe dados aleatórios para mostrar o ombrim. Ombrim (ai que delícia o verão) foi lançada em 2019, pelo Rosa Neon, banda da qual Marina fazia parte. A nova versão é uma parceria com Chicão do Piseiro, Roni Bruno e MTS no Beat.

Além de lógica é preciso melodia, imaginação, aposta e sorte.

Os dados precisam compor uma música para quem saber um dia ser um hit do verão.

No álbum da comunicação os dados não podem ser puramente uma equação.

A mágica acontece na capacidade de juntar lé com cré de um jeito que toca todos.

E isso nem a mais avançada inteligência artificial, pelo menos até agora, é capaz de fazer.

Esse é o maior desafio. Pessoas. Talentos. Profissionais.

– Gente com interesse genuíno de criar coisas novas.

– Gente capaz de ler o dado e transformar em música.

– Gente capaz de identificar valor nesses trabalhos.

– Gente pra planejar e fazer acontecer.

– Gente que aposta sabendo que nada é garantido.

Os dados não são só dados, mas podem ser usados para burocratizar, enviesar, engessar. Ainda que sejam usados na melhor intenção podem dar em água.

Conhece o princípio de Pareto dos “80/20”? A regra afirma que 80% dos resultados vêm apenas de 20% das causas.

Na área de dados na propaganda, 80% dos trabalhos são relatoria, performance, parametrização, mas os 20% que fazem a diferença dependem muito mais da imaginação, da capacidade de gerar boas hipóteses.

Então, prefiro acreditar na frase “Se você pode sonhar, você pode fazer”, atribuída a Walt Disney mas escrita por Tom Fitzgerald, trabalhador da Disney.

Os dados que corram atrás, afinal o que faz diferença é a gente brincar no chão.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • O futuro do meio Rádio

    Breve análise dos insights apresentados no evento ABA 65 Anos, no pós-SXSW

  • Precisamos falar sobre Daniel Kahneman!

    Estudar o pensamento de Kahneman deveria ser matéria obrigatória em todo e qualquer curso universitário, pois nos ensina a apreciar a beleza da incerteza ao nosso redor