Dia Internacional da Proteção de Dados ressalta importância das leis de privacidade

Buscar

Dia Internacional da Proteção de Dados ressalta importância das leis de privacidade

Buscar
Publicidade

Opinião

Dia Internacional da Proteção de Dados ressalta importância das leis de privacidade

A celebração deste momento tem por objetivo trazer à tona a relevância do assunto e demonstrar à sociedade a importância da proteção dos dados dos cidadãos


28 de janeiro de 2023 - 8h00

Ciência de Dados

O continente europeu é considerado o mais avançado do mundo quando o assunto são leis de proteção de dados, pois há uma cultura disseminada há bastante tempo (Crédito: Shutterstock)

No dia 28 de janeiro comemora-se o Dia Internacional da Proteção de Dados. Esta data foi selecionada pelo Conselho da Europa, comemorando a Convenção 108 de 28 de janeiro de 1981, que discorria sobre o tratamento automatizado de dados de caráter pessoal. A Convenção foi firmada por todos os estados-membros do Conselho à época, e foi um dos primeiros dispositivos escritos que visava a garantir o direito fundamental à privacidade, incluindo boas práticas para o tratamento.

A celebração deste momento tem por objetivo trazer à tona a relevância do assunto e demonstrar à sociedade a importância da proteção dos dados dos cidadãos. Muitos países têm um cuidado profundo com os dados pessoais, com regramentos que visam à proteção das informações e da obrigatoriedade às empresas e organizações para preservarem a privacidade daqueles que as cercam.

No Brasil, a forma de manter a proteção dos dados está regulamentada pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), legislação que trouxe mudanças de paradigmas nas relações atuais, especialmente na lógica da economia digital, empoderando o titular de dados pessoais, e concedendo a autonomia de decisão e conhecimento sobre o tratamento de seus dados, para finalidades comerciais. A legislação, portanto, segue uma tendência mundial de criação de regras para o tratamento de dados, observando a privacidade dos usuários, inclusive para manutenção das relações com países desenvolvidos e como requisito para concretização do acordo entre o Mercosul e a União Europeia, e para ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), situação que vem sendo reafirmada recentemente.

O continente europeu é considerado o mais avançado do mundo quando o assunto são leis de proteção de dados, pois há uma cultura disseminada há bastante tempo. Nos Estados Unidos não há uma regulamentação para a proteção de dados que valha para todo país, ou seja, cada estado possuí a sua legislação. Porém, o Estado da Califórnia é uma referência no que se refere a regulamentação. Já o Canadá possui desde 2000 uma legislação nacional, enquanto o México possui algumas iniciativas no que se refere à regulamentação da temática.

O Japão está totalmente adequado quanto à proteção de dados, com uma legislação bem rígida sobre o assunto. Já a China aprovou no ano de 2021 a regulamentação sobre o tema. Vários países asiáticos, como Índia, Coréia do Sul, Vietnã, Malásia, Tailândia e Indonésia, introduziram ou aprimoraram suas leis existentes de segurança cibernética ou proteção de dados. Índia, Indonésia e Vietnã também estão em vias de aprovação de medidas neste mesmo sentido.

Vários países da África vêm desenvolvendo leis de privacidade e segurança de dados em seus países nos últimos anos. Os países do Mercosul, como Uruguai e a Argentina, são países com legislações bem estabelecidas quando o assunto é privacidade de dados. A Colômbia tem uma das mais desenvolvidas legislações no que se refere a proteção de dados pessoais. O Peru tem criado iniciativas de regulamentação e o Chile também possui regulamento sobre o tema desde 1999. Na Oceania, a Austrália e outros países possuem regulamentos específicos que visam tratar do tema da privacidade e proteção de dados, ao passo que a Nova Zelândia teve seu regulamento recentemente alterado.

Assim, zelar pela privacidade e proteção de dados pessoais dos indivíduos ganhou relevância global, sendo uma tendência, um caminho sem volta, de modo que, a LGPD veio para ficar e já “pegou”.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Marcas fofoqueiras

    O consumidor deixa rastros de seus gostos (ou não) o tempo todo, resta às empresas saberem como lidar com isso

  • Liderar (e ser liderado) em tempos ambíguos

    Planilha de empresas tóxicas, inspirada na congênere de agências, reflete o desafio atual dos ambientes corporativos em meio à pressão por resultados e busca de significado