Marcas precisam virar produtos da cultura. Ou vão ficar para trás

Buscar

Marcas precisam virar produtos da cultura. Ou vão ficar para trás

Buscar
Publicidade

Opinião

Marcas precisam virar produtos da cultura. Ou vão ficar para trás

As formas tradicionais de construção de marca não vão mais entregar a relevância que as empresas tanto almejam

Fill out the form below to send a message:


8 de novembro de 2022 - 15h00

Crédito: Ilustrações: Ardea Studio/Doctor Black Shutterstock/ Arte Mayara Jade

Campanhas sobre propósito de marca estão defasadas. Foi com essa provocação que Bruno Bertelli, CEO global da Le Pub e CCO da Publicis Worldwide, começou sua palestra no Festival do Clube de Criação, que aconteceu recentemente. E, antes que eu entre no assunto, registro aqui os meus parabéns para a Joana Mendes e todo o time do Clube de Criação, não somente pela organização, mas pela altíssima qualidade das conversas e reflexões sobre nós como sociedade e nossas responsabilidades como comunicadores. O próximo, não percam e patrocinem.

A conversa do Bruno provocou e deu caminhos para refletirmos sobre como as formas tradicionais de construção de marca não vão mais entregar a tal da relevância que tanto buscamos. Explico.

De forma geral, a metodologia de construção de uma marca se ancora em desenhar uma arquitetura estratégica que mapeia coisas como papel da marca, o papel do produto/serviço e seus principais diferenciais, insight e afins, que culminam na definição do propósito, da essência da marca. Com essa arquitetura definida, partimos, então, para o desenho da estratégia de comunicação, cujo pensamento está a serviço do negócio, guiado pelo propósito. Essa metodologia faz com que as decisões tenham o propósito da marca como ponto de partida da comunicação, da definição de um conceito, uma ideia e suas execuções. É esse ponto de partida que ele nos convida a subverter.

É estranho pensar em definir uma ideia que não parta da essência, do propósito da marca, porém, fica menos estranho se entendermos que o papel da marca está em transformação, porque a nossa cultura e como as pessoas a consomem está em transformação. A era de comunicação de propósito e manifestos acabou. Agora, as marcas precisam virar produtos da sua cultura. Para uma marca crescer, ela precisa aprender a hackear a cultura na qual está inserida.

Nunca foi tão barato consumir cultura. Hoje, é mais barato assinar o Spotify do que era comprar vários CDs, a mesma lógica vale para Netflix e os DVDs, informação e redes sociais, e por aí vai. Isso fez com que a gente tivesse mais facilidade de acesso a diferentes coisas, e consumisse cultura em diferentes camadas. Estamos cada vez mais num modo multitask de consumir e aproveitar a cultura.

Esse comportamento gerou um grande crescimento de diferentes nichos dentro da cultura, impactando diretamente o conceito de mainstream que, da forma como entendíamos, não existe mais. Agora, a cultura se forma na intersecção desses diferentes nichos. Um bom exemplo é o fenômeno de Stranger Things, que não é somente uma série que conta a história de alguns personagens, como é também sobre Dungeons & Dragons, Stephen King, Kate Bush e a década de 1980. Conteúdo, entretenimento, música, moda, jogos, são muitas referências juntas que compõem essa experiência. Se uma marca quiser não só fazer parte da conversa, como criar a conversa, ela precisa entender como se conectar a esse lugar.

Dentro desse mesmo contexto, nunca foi tão caro alcançar muitas pessoas. E complexo. As marcas não podem mais contar somente com a possibilidade de pagar por atenção. Ainda mais considerando um cenário no qual a maioria dos formatos de propaganda é intrusivo, interrompendo a experiência das pessoas.

Até então, entendíamos que construir uma marca se fazia através da sua conexão com momentos e tendências, mas esse cenário descrito anteriormente nos aponta a oportunidade de vermos que, assim como música e filmes, marcas são produtos culturais também. E o combustível desse capital cultural está na conexão com arte, design, arquitetura, moda, comida, bem-estar e tudo mais. Construção de marca acontece por meio de valor cultural.

Apesar de não ser uma jornada simples, Bertelli trouxe um framework de quatro passos que ajudam muito o processo: 1º – Mapear o que a categoria entende como cultura mainstream; 2º – Identificar qual disrupção social está emergindo; 3º – Identificar a oportunidade ideológica; e 4º – Definir o papel da marca dentro da cultura.

Se existe uma categoria que já entendeu isso, é a da moda. Gucci e Balenciaga, por exemplo, entendem suas marcas como produtos culturais. Eu pude viver isso bem de perto, quando fui a head global de comunicação da Diesel, trabalhando junto com o Bruno Bertelli num período importante de transformação da marca. O grande segredo, se posso chamar assim, foi ter consistência e disciplina em construir o ponto de vista sobre o contexto em que as pessoas com as quais a marca queria se conectar estavam inseridas. Diesel é uma marca que quer redefinir o que significa sucesso pessoal através do constante desafio às conformidades, às normas.

Todas as ideias que conversamos tinham o mesmo ponto de partida — contexto cultural. Falamos sobre imperfeições, cultura do cancelamento, influenciadores, falsificação e tantos outros temas, e o que mantinha a consistência da marca era o seu ponto de vista.

Se o mundo quer perfeição, a Diesel te desafia a seguir com suas imperfeições (Go with the flaw). Se todo mundo quer ser um influencer, a Diesel vai te mostrar que a melhor coisa é ser um seguidor (Be a follower). Se o mercado da moda tem um enorme problema com falsificação, a Diesel vai criar uma loja em Chinatown (New York) com produtos originais, como se fossem falsos (Deisel. Go with the fake.).

Esse foco fez com que a marca ocupasse um novo espaço na cabeça das pessoas, nas conversas, e sabe o que mais isso fez? Vender. Pois é, em nenhum momento nesse texto falamos sobre como vender produtos, mas foi isso que aconteceu. Porque marcas que entendem a cultura e se tornam parte dela, vendem. E muito.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Primeiros passos

    Conselho Empresarial para Inteligência Artificial é uma iniciativa pioneira da Unesco para alinhar desenvolvimento da tecnologia a princípios éticos globais

  • Brasil pode ser futura potência global em inovação

    Para acelerar essa evolução, é preciso enxergar a inovação como elemento fundamental para posicionar o País e suas empresas no mercado internacional de forma consistente e competitiva