Publicidade

Opinião

Boa menina

Desafiando estereótipos femininos na liderança


19 de março de 2024 - 7h05

(Crédito: Adobe Stock)

Se você é mulher e nasceu antes dos anos 2000, existe uma grande chance de ter sido criada para ser uma “boa menina”. Mesmo que a sua família tenha sido muito diferente, é bem provável que a escola tenha desempenhado esse papel. Afinal, o modus operandis competitivo do modelo educacional tradicional sempre valorizou aquela que não grita, não incomoda, a que obedece sem questionar e anda sempre “arrumadinha”, seja lá o que isso signifique.

Eu não fui essa garota. Na verdade, acho que bem poucas de nós fomos. E aí vinham os conselhos: “Seja mais feminina”, “Cruze a perninha”, “Não ande desse jeito”. Em meio a tantas críticas “construtivas”, lutávamos umas contra as outras em busca de alguns elogios e quase todos vinham no estilo “princesinha do papai”. Enfim essas dicas de comportamento acabavam criando uma sensação de inadequação, um desconforto constante que foi entrando, ficando e se estabelecendo nas nossas cabeças como algo difícil de nomear e até de descrever.

Existe um dado divulgado no ano passado que me impressionou: 45% das meninas entre 11 e 17 anos abandonam o esporte, a maioria delas devido ao desconforto com o próprio corpo. Detalhando um pouco mais, é possível perceber que questões como o receio de parecer fora do padrão e de acabar com o corpo “masculinizado” estão no centro desse desconforto.

A verdade é que essa nuvem de inadequação vai muito além do esporte e nos pega especialmente desprevenidas quando vamos fazer alguma coisa pela primeira vez. Se esse sentimento nos assombrou na adolescência, no início da vida profissional (quem nunca trocou de roupa 5 minutos antes de sair para uma entrevista?), imagine quando a gente alcança a tão merecida posição de liderança.

A liderança que está no imaginário da maioria das pessoas está alinhada com conceitos bélicos, aliás, livros com estratégias de guerra são adaptados para ensinar executivos no mundo todo. E por isso mesmo ela pressupõe atitudes reconhecidas como masculinas: decisões assertivas, postura determinada, segurança e uma boa tolerância à impopularidade quando necessário. A verdade é que essas são posturas que a gente não foi incentivada a ter. Quando precisamos adotá-las, sabemos que seremos julgadas com a mais pura crueldade, muitas vezes por outras mulheres tão desacostumadas a esse lugar quanto nós mesmas.

Eu não sou nenhuma especialista, mas a “síndrome da impostora” deve ser só um entre tantos possíveis reflexos disso tudo. E como vivemos no capitalismo, e a roda precisa girar, a internet está cheia de cursos, palestras, livros, enfim, materiais mil que prometem que você vai ganhar a autoestima profissional que os homens construíram durante a vida toda em apenas 30 minutos. A gente até quer se iludir, mas no fundo sabemos que é bem mais complexo que isso.

E qual a saída? O que fazer? Não faço a menor ideia. Mas investigo, e nas minhas elucubrações só encontro duas possibilidades: ou a gente muda a maneira como nos enxergamos, e aí cada uma de nós vai ter que descobrir o próprio caminho, ou mudamos o imaginário coletivo do papel da liderança. E aí vamos ter que fazer para nós mesmas uma porção de perguntas complexas que nenhum manual é capaz de responder com honestidade. Qual é o seu objetivo como líder? Será que a gente precisa mesmo “bater na mesa” e masculinizar para liderar? Será que bater na mesa é masculinizar? Será que compreender é ser boazinha demais?

De uma coisa eu tenho certeza: a gente precisa mudar. E se no presente uma união de lideranças femininas com acolhimento e sem rivalidade é exceção, um bom começo pode ser apostar no futuro. E por isso eu acredito que o primeiro passo é sermos muito mais maleáveis com todas as crianças e deixar as nossas meninas simplesmente serem o que são. Sim, é um investimento a longo prazo, mas mudanças estruturais precisam ser longas para serem robustas. Portanto, se você tiver uma dica para aquela menina da sua família parecer mais mocinha, apenas se cale, e tente enxergar se a personalidade dela fora do “padrão” que tanto incomoda, na verdade não pode ser uma boa dica pra você no mercado de trabalho.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    Confira na íntegra o painel com Luanda Vieira, Rafa Brites e a moderadora Camila Fremder

  • Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Seja por meio do ativismo, da influência digital, da política, da comunicação ou pela arte, elas são símbolos de resistência e transformação