Claudia Arruga: “Descobri que tem algo novo acontecendo com as mulheres mais velhas”

Buscar
Publicidade

Perfil

Claudia Arruga: “Descobri que tem algo novo acontecendo com as mulheres mais velhas”

A juíza federal e influenciadora 50+ conta como transformou a depressão em esperança

Carol Scorce e Carol Scorce
29 de setembro de 2023 - 8h15

A influenciadora digital Claudia Arruga, do perfil Cool50s (Crédito: Patricia Canola)

Dentro da zona de conforto dos padrões e estereótipos, Claudia Arruga poderia ser lida como uma mulher muito bem sucedida. Mãe de um casal de filhos, hoje adultos, carreira estável como juíza federal, o que lhe rendia também estabilidade financeira, e uma boa rede de amigos. Nada disso, no entanto, livrou-a de uma intensa depressão em 2018, quando completou exatos 50 anos de vida. Sua menina mais velha estava de malas prontas para sair de casa. A aposentadoria de Claudia viria em cinco anos, e despontava como fim inevitável da realização profissional. E, é claro, a menopausa irrompeu no corpo sem bater à porta e nem pedir licença. 

“Eu não fazia ideia de que a crise do ninho vazio e da menopausa eram tão intensas. Fala-se pouco sobre esses temas, e naquela época falava-se menos ainda. A tristeza e, principalmente, a falta de perspectiva pesaram. Fui tentar entender o que estava acontecendo, e descobri outros prazeres”, conta. 

Na verdade redescobriu. Foi participando de mentorias que Claudia decidiu abrir um perfil no Instagram para dar dicas culturais e falar da vida. Isso porque o talento para a comunicação pipocava aqui e ali. “Na juventude o meu desejo era estudar jornalismo, mas fui levada pelo meu pai a achar que o Direito seria melhor para mim.”

A princípio, o perfil Cool50s se concentrava mais em pequenas resenhas de filmes e livros, vez ou outra alguma experiência mais pessoal da Claudia. E nessa, o inacessível debate sobre a menopausa veio para a espuma. A juíza entendeu que como ela, havia centenas, milhares de mulheres. Foi então que ela resolveu fazer um curso sobre feminismo. “Aquilo foi um choque. Ali eu entendi que o mundo tinha mudado e eu ficado para trás, protegida na bolha da minha carreira. E eu não queria mais essa bolha. Eu queria fazer coisas diferentes. Eu queria escrever, falar sobre essas coisas novas que eu estava aprendendo com outras mulheres como eu. Deu no que deu.”

E o que deu é que Claudia é hoje uma importante influenciadora digital sobre o tema 50+, além, é claro, de escritora, como ela sonhou. Ela foi convidada ainda na pandemia para assinar uma coluna sobre o tema na revista Vogue, onde pode lapidar e concretizar o sonho. Assim como há dez, quinze anos, falar sobre menstruação era um tabu, no Cool50s falar sobre menopausa tem protagonismo porque o fim da vida reprodutiva – usada como símbolo para que a mulher seja valorizada – é jogado de escanteio no debate público. 

“As mulheres da minha geração são verdadeiras lutadoras. Só somaram. Somaram ter uma família, cuidar dos mais velhos, ter uma carreira e independência financeira. São mulheres muito preocupadas em dar conta do dia a dia. Não tivemos espaço para pensar na medicina da longevidade, ou para escutar e compreender nosso corpo. No Cool50s, trocamos experiências, informações, e nos ouvimos. E com isso, inventamos a segunda parte da vida que parece mais interessante para nós mesmas. Nós, mulheres maduras, desejamos muitas coisas, e somos capazes de ter, porque já fizemos muito. Nossa capacidade já foi provada.”

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Empreendorismo materno: conheça negócios de mães para mães

    Empreendorismo materno: conheça negócios de mães para mães

    InterPrêta, Maternidade nas Empresas, Poppins, B2Mamy e Filhos no Currículo são alguns exemplos de iniciativas por e para mães 

  • Mulheres, criação e desequilíbrios históricos

    Mulheres, criação e desequilíbrios históricos

    Apesar do crescimento da liderança feminina nas agências de publicidade, a área de criação é a última fronteira dominada pelos homens