Instituto C&A lança minissérie para a inclusão de corpos com deficiência na moda

Buscar
Publicidade

Women to Watch

Instituto C&A lança minissérie para a inclusão de corpos com deficiência na moda

O projeto é uma parceria com plataforma Meu Corpo É Real e foca em empreendedores e pessoas que buscam transformar e acessibilizar a área


3 de outubro de 2023 - 8h00

(Crédito: divulgação)

O Instituto C&A, pilar social da C&A no Brasil, e a plataforma Meu Corpo É Real, lançam a minissérie “Curadoria Inclusiva – Costurando vivências para desenhar novos futuros”, em homenagem ao Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência. O projeto tem como propósito guiar o público em uma experiência educativa que procura esclarecer conceitos sobre inclusão na indústria da moda e oferece orientações com o intuito de conscientizar a sociedade e influenciar as marcas a criar produtos que não apenas atendam às necessidades práticas e adaptativas, mas também incorporem elementos de estilo e moda para pessoas com deficiências. Os vídeos estão disponíveis de forma online e gratuita no YouTube do Instituto C&A. 

Composta por quatro episódios, a minissérie destaca as oportunidades e aborda os desafios com o propósito de facilitar a criação de peças de vestuário que não apenas atendam ao critério de serem “fáceis de vestir”, mas que também sejam coleções atraentes, repletas de elementos de moda e estilo, para que todas as pessoas possam usar a moda como meio de expressão. Do ponto de vista empresarial, investir na inclusão é não apenas um compromisso social, mas também uma perspectiva de negócios inspiradora e rentável. Conforme indicado por um estudo recente da Coherent Market Insights, o mercado global de roupas adaptáveis foi avaliado em uma cifra impressionante de US$ 1.259,1 milhões.

No projeto, uma das principais impulsionadoras é a designer Michele Simões, que liderou a curadoria e a criação dos roteiros dos episódios. Ela não apenas contribuiu com sua experiência e paixão pelo tema, mas também escolheu um grupo de influenciadoras para enriquecer a abordagem. Os episódios contam com a participação de nomes como Maria Paula Vieira, Geisa Farini, Rebeca Costa e Laís Ramires, que compartilham suas perspectivas, experiências e visões exclusivas sobre a inclusão. 

 “Quando o assunto é moda inclusiva vemos uma grande e sensata preocupação com a modelagem dos produtos, porém o ecossistema que envolve esse tema é muito mais vasto do que apenas a funcionalidade das peças. O fio condutor para o desenvolvimento da minissérie foi abrir um diálogo onde moda para PcDs comece a avançar também em frentes quase nunca abordadas, tais como: repertório de estilo, experiência de compra, cadeia produtiva e não menos importante, funcionalidade de produtos. Moda inclusiva não deve ser restrita como um item feito para facilitar a vida de consumidores com deficiência, mas como um espaço a ser acessado de forma segura e democrática, dentro de narrativas estéticas que também se preocupem em criar e gerar desejo para corpos que acessam o mundo fora da via considerada padrão”, diz Michele. 

Segundo Gustavo Narciso, diretor-executivo do Instituto C&A, um dos propósitos da entidade é construir a possibilidade de novos futuros através da moda. “Infelizmente, vivemos em uma sociedade onde a deficiência foi colocada em um campo invisível e pouco discutido e já passou da hora de darmos luz e a devida importância a essas questões. Enxergamos a moda como uma plataforma de auto-expressão e entendemos que é urgente reivindicar e trabalhar para que todas as pessoas possam celebrar seu estilo pessoal e encontrar peças que tenham a ver com sua personalidade e identificação no mundo”, afirma. 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Cannes Lions 2024: os cases mais impactantes da categoria Glass

    Cannes Lions 2024: os cases mais impactantes da categoria Glass

    Os trabalhos vencedores representam um farol de criatividade e o compromisso concreto com a transformação social e a igualdade de gênero

  • Lideranças femininas de tech estão à frente na adoção de IA generativa

    Lideranças femininas de tech estão à frente na adoção de IA generativa

    Estudo aponta que mulheres seniores em funções técnicas estão, em média, 14 p.p. à frente dos homens no uso da tecnologia