O empoderamento feminino começa no atendimento, com Rejane Bicca 

Buscar
Publicidade

Women to Watch

O empoderamento feminino começa no atendimento, com Rejane Bicca 

A diretora geral da O2 Filmes conta como promove as mulheres no audiovisual 


3 de janeiro de 2024 - 8h11

Rejane Bicca é diretora geral da O2 Filmes (Crédito: Divulgação)

Natural de Porto Alegre, Rejane Bicca iniciou sua carreira na área de publicidade aos 19 anos e desde então tem desempenhado papéis fundamentais em diferentes segmentos da produção audiovisual. Hoje, é diretora geral na O2 Filmes, com foco em publicidade, mas também atua como consultora no setor de entretenimento. Na produtora desde 2000, são mais de vinte anos orientando diretores e lidando com clientes e agências para promover narrativas distintas. 

Após sua formação em comunicação social na PUC-RS, Rejane ingressou na agência DCS, já extinta, onde desbravou diversos setores, desde produção até atendimento ao cliente. A busca por aprimoramento a levou à Inglaterra, onde fez uma especialização em marketing. Ao retornar, foi indicada para integrar o departamento O2-2 na O2 Filmes, focado em novos diretores. 

“Essa variedade de atividades proporciona uma interface diária com agências, clientes e colegas de produção, além de me permitir orientar a carreira dos diretores dentro da produtora”, afirma a diretora. 

A O2 Filmes é uma das principais produtoras de audiovisual no Brasil. Fundada por Fernando Meirelles, Paulo Morelli e Andrea Barata Ribeiro em 1992, a empresa foi responsável por algumas das obras mais importantes do nosso cinema, como Cidade de Deus (2002), Xingu (2012), Ensaio sobre a Cegueira (2008) e até de produções mais recentes como as séries Manhãs de Setembro (2021) e Cangaço Novo (2023), ambas disponíveis na Amazon Prime Video.  

Promovendo as mulheres no audiovisual 

Questionada sobre a evolução da representação feminina na indústria ao longo dos anos, Rejane destacou que, desde o início de sua carreira, sempre buscou trazer mulheres para a produção audiovisual. “Lembro-me de uma época em que agências me questionavam sobre indicar uma mulher para dirigir um filme de cerveja, por exemplo. Minha resposta era sempre afirmativa, desde que fosse uma excelente diretora. Hoje, essa conversa está mais em evidência, mas há alguns anos atrás, para mim, era algo natural e óbvio”, ressalta. 

Sua abordagem tem sido a de oferecer confiança às mulheres na equipe, permitindo que liderem projetos diversos e não se limitem a temas considerados femininos. Rejane enfatiza que a persistência é fundamental, e que, ao superar resistências, as mulheres podem impactar positivamente o cenário audiovisual. “O que importa para a realização de um projeto de sucesso é o talento, a criatividade e a habilidade, independentemente do gênero”, reforça. 

Atualmente, ela lidera a área de atendimento à publicidade na O2, e ressalta que a presença de mulheres e a liderança feminina na empresa são fortes, exemplificadas por projetos notáveis como “Cangaço Novo”, produzido por Bel Berlinck e Andrea Barata Ribeiro, produtoras da O2. Dainara Toffoli é outro nome de destaque, que como diretora liderou a série “Manhãs de Setembro”, protagonizada por Liniker. 

Além de seu comprometimento com a diversidade de gênero, Rejane compartilha as iniciativas da O2 em relação à diversidade e à responsabilidade ambiental. O fundador da produtora, Fernando Meirelles, é ativamente engajado na preservação ambiental, refletido na arquitetura sustentável da produtora. A empresa também mantém programas de estágio inclusivos, recebendo estagiários da Brasilândia, bairro periférico da zona norte de São Paulo, como parte do programa Criar, demonstrando seu compromisso com a inclusão social. 

O futuro da indústria: inclusão como norma 

Quando questionada sobre suas esperanças para o futuro da indústria audiovisual em termos de diversidade e inclusão, Rejane expressa otimismo e vislumbra um mercado mais inclusivo. Ela acredita que o reconhecimento do talento das diretoras deve se tornar uma norma natural, e destaca a importância da liderança feminina insistir e continuar promovendo mudanças. 

“Precisamos persistir e acreditar que somos capazes de fazer a diferença. Podemos estender a mão e guiar outras mulheres, servindo como fonte de inspiração. Temos uma força e talento excepcionais. É isso que sempre enfatizo para todas as mulheres que trabalham conosco: a persistência é nossa aliada. É essa persistência que nos torna verdadeiramente excepcionais e nos permite fazer a diferença”, diz. 

A trajetória de Rejane Bicca é um testemunho inspirador de perseverança, liderança e compromisso com a diversidade na indústria audiovisual brasileira. Sua história reflete não apenas o progresso alcançado, mas também a determinação necessária para enfrentar os desafios e promover mudanças significativas. 

As “explosões” de carreiras femininas no mercado audiovisual são menos frequentes do que a dos homens, e muitas vezes elas demoram a acontecer. As diretoras vivem em um constante limiar entre o desejo de trabalhar em projetos com orçamentos significativos e a necessidade de construir um portfólio com grandes orçamentos. As oportunidades são mais limitadas para as profissionais nesse contexto, reflexo de uma indústria quase clubista, que oferece trabalhos sempre para os indivíduos da mesma cor e do mesmo gênero. 

As poucas que conseguem alavancar suas carreiras pelas frestas que surgem tiveram que batalhar muito para conquistar o espaço que têm. Seja atrás das câmeras ou na gestão, elas sabem que estão em cadeiras de privilégio, e, justamente por isso, usam esse privilégio para escancarar a porta do mercado audiovisual. 

Esta matéria faz parte da série “A lente criativa das mulheres”, que irá trazer histórias de profissionais que, apesar de ocuparem diferentes posições, compartilham o mesmo propósito: promover o talento feminino no audiovisual brasileiro.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Women to Watch: conheça as homenageadas de 2024

    Women to Watch: conheça as homenageadas de 2024

    Iniciativa destaca a trajetória e o potencial de impacto das carreiras de seis profissionais da indústria da comunicação

  • Isabel Nascimento: o poder das narrativas femininas no audiovisual

    Isabel Nascimento: o poder das narrativas femininas no audiovisual

    A diretora e co-criadora da Hysteria, núcleo da Conspiração Filmes, fala sobre o cuidado de contar histórias de mulheres e a força da colaboração por trás das câmeras