Publicidade

Opinião

O que você quer de 2024?

Finais de ano são momentos de pensar no que fizemos ao longo do ano e, acima de tudo, refletir sobre o que queremos para o ciclo seguinte


19 de dezembro de 2023 - 6h38

Trecho do filme “Nyad”, disponível no Netflix (Crédito: Reprodução/Netflix)

2023 está chegando ao fim.

O primeiro sinal foi ver os panetones no supermercado ainda em novembro. O segundo, a chegada da temporada que chamamos de “dezembro festivo”, semanas em que temos quase um evento por dia — almoço, happy hour, jantar. Não há cintura (e fígado!) que resistam a tantas comemorações, desabafos e reencontros 😉

Mas pra mim, para além de todas as delícias, finais de ano são momentos de reflexão. De pensar no que fizemos ao longo do ano, reconhecer nossas evoluções e conquistas, deixar o luto das perdas. E, acima de tudo, de pensar o que queremos para o ano seguinte.

E se você que está me lendo agora está procurando inspiração pra sua reflexão de fim de ano, compartilho aqui uma excelente fonte de inspiração que recebi de uma amiga: o filme “Nyad”, que está disponível no Netflix. Spoilers a seguir!

Annette Bening e Jodie Foster estrelam essa história maravilhosa, baseada na vida de Diana Nyad, uma nadadora que depois de muitas tentativas consegue fazer a travessia a nado entre Cuba e Key West. Um trajeto de 177 quilômetros de distância, que para ser coberto leva mais de dois dias e duas noites na água, sem paradas para dormir.

Mas essa é a parte “fácil” da façanha — porque Diana nadou no mar aberto, sem gaiola de segurança para tubarões, e porque não podia usar aquela roupa de corpo inteiro de Neoprene –, pois ela esteve exposta às criaturas mais mortíferas e venenosas que existem: as vespas-do-mar. Um tipo de água-viva mortal, que tem até um metro de tentáculos venenosos pra atacar suas presas.

E também porque, ao contrário do que pode pensar uma pessoa que não viu o filme e não conhece a história dela (eu não conhecia), ela não fez isso aos 30 anos de idade, mas sim aos 64 anos. Sim, SESSENTA E QUATRO.

Vocês acham que ela conseguiu grandes patrocínios para ter uma baita estrutura de apoio? Ou será que as grandes marcas que a patrocinaram quando ela tentou a primeira vez, aos 28, e falhou simplesmente não a apoiaram porque se ela não conseguiu atravessar quando jovem, #imaginaaos64?

E é esta, justamente, a beleza da história. Diana junta um time de parceiros que acreditam no sonho dela (navegador, médico, treinadora, espantadores de tubarão…), supera uma picada de vespa-do-mar e, depois de 4 tentativas, samba na cara da sociedade. Termina o filme saindo da água em Key West com o rosto inchado por passar dois dias no sol e na água salgada. E diz 3 coisas:

– Nunca desistam (de algo que vocês querem e sonhem fazer);

– Nunca somos velhas demais para correr atrás dos nossos sonhos;

– (Nadar) Parece um esporte solitário, mas não teria conseguido sem um time.

Qualquer semelhança com o discurso de Michelle Yeoh no Oscar deste ano não é mera coincidência.

É com este conjunto de provocações que eu termino meu ano.

Escolham as de vocês. E que 2024 traga mais conquistas, mais sucesso, e mais felicidade às mulheres deste mundão.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • O que o BBB 24 trouxe de reflexão sobre gênero?

    O que o BBB 24 trouxe de reflexão sobre gênero?

    Com o fim do reality show, algumas questões sobre as mulheres ficaram evidentes

  • Conselheira 101 lança programa de lideranças femininas negras e indígenas

    Conselheira 101 lança programa de lideranças femininas negras e indígenas

    Projeto busca ampliar o número de mulheres negras e indígenas em posições de conselhos e comitês nas organizações