Como tornar a comunicação mais inclusiva e menos capacitista?

Buscar

Como tornar a comunicação mais inclusiva e menos capacitista?

Buscar
Publicidade

Comunicação

Como tornar a comunicação mais inclusiva e menos capacitista?

Carolina Ignarra, fundadora do Talento Incluir, fala sobre o guia que visa ajudar comunicadores a representarem as pessoas com deficiência de forma real


8 de novembro de 2022 - 12h24

Para Carolina Ignarra, levar questões de inclusão para a pauta de comunicação é importante para todas as áreas da sociedade (Crédito: Divulgação)

Para Carolina Ignarra, levar questões de inclusão para a pauta de comunicação é importante para todas as áreas da sociedade (Crédito: Divulgação)

Em outubro desse ano o Grupo Talento Incluir lançou o “Guia de Comunicação Inclusiva sobre Pessoas com Deficiência”, direcionado para profissionais de comunicação. O material, que está disponível de forma gratuita no site da consultoria, tem a intenção é auxiliar os profissionais de comunicação a produzir conteúdo de forma inclusiva em relação às pessoas com deficiência, além de alertar sobre o uso de expressões capacitistas (termo usado para definir atitudes ou expressões discriminatórias em relação a pessoas com deficiência).

A primeira edição do guia, na verdade, foi lançada em 2019 a partir da análise de matérias jornalísticas sobre pessoas com deficiência que, de fato, não retratavam a mensagem da forma como ela deveria ser difundida. Carolina Ignarra, CEO e fundadora do Grupo Talento Incluir, fala que, apesar dos esforços do trabalho, o grupo achou que o resultado não havia rendido conforme o esperado. “

Para a profissional, existia uma demanda urgente de fazer essas informações ultrapassarem as linhas da imprensa e do jornalismo, estendendo-as a outros comunicadores. Daí surgiu a necessidade de escrever uma nova versão, com mais tópicos.

Por isso, a nova versão do guia é editável. Através de sugestões de leitores, especialistas e de pessoas com deficiência, o Grupo Talento vai aprimorando a forma de realizar a comunicação. “Temos a representatividade na nossa experiência, mas entendemos que as pessoas que são especializadas podem contribuir”, diz Carolina.

A identificação do problema

Como parte do problema de alguns comunicadores, o Grupo Talento Incluir identificou o uso de termos que não representavam mais as pessoas com deficiência. “A terminologia é uma das coisas que mais entendemos como necessidade de explicar, porque termos mais antigos não nos representam”, afirma a fundadora da consultoria.

A CEO explica que, muitas vezes, a comunicação, de forma geral, ainda faz uso de termos capacitistas que, por serem culturalmente tão difundidos, acabam passando desapercebidos. Exemplos disso são as expressões “mancada” e “mão de obra”, que fazem parte do dialeto cultural, mas que são considerados capacistas por fazerem menção às pessoas com deficiência.

Carolina reforça que o capacitismo é uma forma de opressão dirigida a pessoas com deficiência e que interfere diretamente na forma como são tratadas. Além disso, a iniciativa percebeu questões de invisibilização das pessoas com deficiência, já que, segundo a consultoria, há uma leitura muito falha sobre os dados de representação.

Uinstock: um banco de imagem com representatividade

Outro passo importante para o desenvolvimento de uma comunicação mais inclusiva foi a criação de um banco de imagens que retratasse a diversidade brasileira. Um dos principais pontos, nesse caso, era trazer uma imagem mais intersseccionalizada das pessoas com deficiência, mas sem reduzi-las a deficiência, mostrando que também são mães, pais, esposas, etc.

Por isso, a consultoria também criou o Unistock, banco de imagens que abre precedente para novos recortes e imagens e que conta com a produção e venda de fotos, além de servir como uma forma de inspiração para marcas. “A ideia veio da falta de representatividade nos bancos de imagem”, explica Carolina Ignarra.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Beel Films expande atuação com filial nos Estados Unidos

    Produtora especializada em entregas de digital acaba de abrir escritório em Miami, onde deve centralizar atendimento de multinacionais

  • Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Após 12 anos, Grupo Amil retoma agência in-house

    Grupo de saúde reativa as atividades da Promarket, que foi responsável pela publicidade e comunicação do grupo de 1980 até 2012