“Estamos no início, ainda há potencial de descoberta”, diz CCO da Droga5

Buscar

Comunicação

Publicidade

“Estamos no início, ainda há potencial de descoberta”, diz CCO da Droga5

Para Neil Heymann, CCO global da Droga5, apesar das diferenças culturais com a Accenture, aquisição pode alçar agência a voos maiores

Isabella Lessa
22 de julho de 2020 - 6h00

Neil Heymann, CCO global da Droga5 (Crédito: Paul McGeiver)

Primeiro profissional a ocupar a função de CCO global da Droga5 – a criatividade da agência até então sempre havia sido chefiada pelo fundador e chairman criativo, David Droga – Neyl Heymann não nega que haja diferenças culturais com a Accenture, que adquiriu a operação em abril de 2019. No entanto, ele afirma que, com o acordo, a agência ganhou potencial para ser mais influente.

Na visão de Neil, que cresceu em Johannesburgo, Sydney e há 12 anos mora em Nova York, a criatividade deve ir além do marketing: precisa resolver problemas de maneiras únicas ao mesmo tempo que desafia o status quo. Nos últimos meses, a Droga5 redesenhou toda a experiência de compra do Ihop, rede de restaurantes de panquecas, e, para Hennessy, marca de conhaque, criou o programa Unfinished Business, que promove assistência aos pequenos negócios de negros, asiáticos e latinos.

Meio & Mensagem – Já faz pouco mais de um ano desde a aquisição da Droga5 pela Accenture. De lá para cá, o debate sobre consultorias versus agências se esgotou?
Neil Heymann –
Quando aconteceu, a sensação é de que a indústria foi tomada por ondas de choque e houve uma visão polarizada a respeito de onde estávamos indo. Ouvimos tudo desde “a morte da criatividade” ao “nascimento de uma nova indústria”. Essa evolução vai levar tempo e nenhuma dessas duas coisas aconteceu ainda. Estamos procurando todas as oportunidades para criar novas formas de trabalhar, de nos comunicar com as pessoas e de fazer as marcas aparecerem no mundo. Culturalmente, obviamente há diferenças, mas ambas as culturas são muito fortes e sentimos que há muito respeito da Accenture Interactive pela cultura interna da Droga5 e temos um senso de proteção muito grande em relação a isso. Estamos tentando descobrir como ser mais do apenas uma de nossas partes.

M&M – A Accenture tem números de receita mais expressivos do que os das holdings. Além do aspecto financeiro, quais são as outras vantagens de fazer parte da companhia?
Neil –
Não finjo ter todas as repostas sobre o aspecto econômico do negócio, mas não há dúvida que temos uma vantagem em termos infraestrutura, conexão com outras indústrias, outras formas de trabalhar, capacidades técnicas que não teríamos a credibilidade para acessar sem essa parceria. Abriu um espectro do que podemos fazer como agência, mas a sensação é a de que ainda estamos no início, ainda há muito potencial de descoberta.

M&M – Como está sentindo a relação dos clientes com os investimentos em comunicação e marketing no momento?
Neil –
Cada cliente e indústria está lidando com seu próprio combo de novas condições. Estão ajudando seus próprios clientes a navegar por meio disso. Com o tempo, veremos como os negócios evoluirão. Definitivamente, alguns de nossos clientes se tornaram mais conservadores, cortaram budgets, mas outros começaram a fazer mais comunicação porque é mais relevante para seus negócios, que não foram tão afetados. Em termos de previsões, acho que haverá uma evolução mais acelerada para muitos negócios. Espero que consigamos acompanhar nossos clientes à medida que eles descobrem o que será esse “novo normal” para eles.

A íntegra desta entrevista está publicada na edição semanal de Meio & Mensagem, que até o fim do mês pode ser acessada gratuitamente pela plataforma Acervo, onde é possível consultar ainda todas as edições anteriores que circularam nos 42 anos de história da publicação. Também está aberto a todo o público, gratuitamente, o acesso à versão digital das edições semanais de Meio & Mensagem, no aplicativo para tablets, disponível nos aparelhos com sistema iOS e Android.

*Crédito da imagem no topo: iStock

Publicidade

Compartilhe