Privacidade: tudo isso não passa de marketing?

Buscar

Opinião

Publicidade

Privacidade: tudo isso não passa de marketing?

O uso irresponsável de dados para geração de anúncios resultou na má reputação da indústria


28 de janeiro de 2020 - 18h24

 

Quebra das leis sobre privacidade de dados resulta em penas financeiras e na de imagem de marca (Crédito: Glen Carrie/Unsplash)

(Nota da Redação: Hoje, 28 de janeiro, é comemorado o Dia Internacional da Proteção de Dados)

A revolução provocada pela internet na vida das pessoas veio acompanhada de uma conta cara: a falta de respeito aos limites da privacidade individual. Vazamento de dados de sites de relacionamento já desfez casamentos, fotos íntimas viralizadas nas redes levaram a suicídios e até campanhas políticas foram manipuladas. Para o nosso mercado, o uso irresponsável de dados para geração de anúncios resultou na má reputação da indústria da publicidade que virou a vilã do tema em roda de consumidores. E, infelizmente, não dá para falar que eles estão completamente errados no julgamento.

2020, porém, é o ano de adequação deste cenário com a entrada em vigor da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) que regulamenta o uso de dados pessoais por empresas e governos. A pena para quem tentar se esquivar é alta em duas frentes: na financeira, já que as multas são pesadas, e na de imagem de marca, já que notícias sobre vazamento de dados ou sua má-utilização afetam diretamente a credibilidade diante de seus consumidores.

Além da saída óbvia de adequação à LGPD, este momento evidencia uma ótima oportunidade para que o mercado se reúna — seja via associações, iniciativas individuais ou conjuntas — para educar o consumidor. Junto às necessárias palestras e eventos para ajudar empresas a entenderem e aplicarem o que dita a lei, é urgente esclarecermos ao consumidor quais as ferramentas que eles têm a sua disposição para se proteger.

E, mais do que isso, quais dados a indústria pode usar e como ela pode trabalhar com estas informações para trazer mais conveniência para as pessoas ao mesmo tempo em que garante sua privacidade. Sem informação, corremos todos o risco de discussão polarizadas e equivocada sobre publicidades personalizadas. Já a transparência do discurso diminui a possibilidade de maus entendidos, de preconceitos contra a tecnologia e de uma repactuação entre marcas e consumidores para que todos os benefícios que ganhamos com a internet contemple, entre elas, a privacidade.

Não dá para corremos o risco de ver nossa indústria atacada por falta de informação. Não podemos dar margem para que o avanço que fizemos nas estratégias de entregar conteúdos publicitários cada vez mais relevantes pois conversam com o contexto do consumidor, seja jogado fora.

É preciso intensificarmos a conversa, esclarecer pontos de atrito e dúvidas e garantir que é sim possível aliar conveniência e privacidade. Mas, não dá para ser discurso vazio. Para o bem de todo o mercado, é preciso que todos os nossos players estejamos de fato dentro da lei, ou novamente reforçaremos outro jargão que precisamos destruir: “tudo isso não passa de marketing”.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • privacidade

  • dados

  • lgdp

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”