Empresas atualizadas entendem RH como parceiro de RP

Buscar

Opinião

Publicidade

Empresas atualizadas entendem RH como parceiro de RP

Alinhamento de estratégias entre as duas áreas deve ir além dos comunicados oficiais aos colaboradores e incluir conversas transparentes e humanas para que ideias e objetivos sejam comuns e coerentes


9 de julho de 2021 - 6h00

Quando as tomadas de decisão de Recursos Humanos não condizem com a estratégia de Relações Públicas, qualquer programa comunicacional é banalizado e arremessado para o campo das falácias. Se considerarmos que o colaborador é o primeiro cliente de qualquer empresa, já dá para entender o tamanho do equívoco caso alguma orientação interna entre em contradição com a cultura dessa marca. Simplesmente a falta de coerência leva à perda daquela credibilidade tão difícil de ser conquistada.

Por isso, as empresas que conseguem, além de distinguirem Relações Públicas de Marketing, colocam essas duas áreas ao lado do RH nas decisões de imagem de marca e ficam à frente de qualquer outra. Como a Google, por exemplo, que emplacou o conceito de “sinta-se em casa e leve seu cachorro. Depois trabalhe deitado em uma rede”. Nada mais do que a imagem de marca atrelada às decisões de RH. Estratégia tão “redonda” que hoje existe um léxico específico para seus colaboradores, os “Googlers”.

O RH se tornou um aliado de RP (Créditos: Anthony Shkraba/Pexels)

Atente-se que esta foi uma assertiva ação de Relações Públicas alinhada à cultura organizacional e que deu força às ações de RH praticadas. Somente após essa etapa – em que a mídia e os influenciadores divulgaram os benefícios de se trabalhar na inovadora Google – é que o Marketing resolveu se apoderar dessa vantagem comunicacional para bombardear as mentes consumidoras. Basta colocar no site de busca Google e pesquisar o significado da palavra “Googler”: a full-time Google corporation employee.

Assim, a atividade de RP foca nos relacionamentos e, por isso, encarrega-se de compor a imagem dessa empresa e de divulgá-la por seus atos e objetivos, além de conhecer profundamente o seu público. Também abrange a orientação e assessoria de todas as áreas da corporação. Por outro lado, o RH tem foco nas pessoas, da seleção e treinamento de colaboradores à harmonia desse ambiente.

Por esse motivo, o alinhamento de estratégias entre as áreas de Recursos Humanos e Relações Públicas vai muito além dos comunicados oficiais aos colaboradores. É preciso uma verdadeira parceria e conversas transparentes e humanas para que as ideias e os objetivos sejam comuns e, consequentemente, qualquer canal de comunicação – interno ou externo – seja coerente. A comunicação integrada envolve todos os departamentos de uma empresa literalmente.

A harmonia e coerência de “pessoas” e “relacionamentos” agregam valor à imagem da empresa perante todos os públicos envolvidos. A gestão comunicacional com transparência e empatia traz como bons frutos o aumento da produtividade, a fidelização de clientes, o bem-estar dos colaboradores e o impulsionamento das vendas.

Novos tempos

Muitas empresas já anunciaram o modelo híbrido ou baseado no home work mesmo após a pandemia. Do ponto de vista da interação entre colaboradores e áreas, essa mudança significará a ruptura de um modelo antigo de motivação e liderança dos times, além, claro, da comunicação da novas rotas – não só as que afetam funcionários, mas principalmente a experiência do cliente – e por isso deve passar por alguns desafios.

Nesse sentido, a comunicação entre RH e RP tem papel ainda mais fundamental, tanto para construir as pontes necessárias entre os objetivos da empresa com seus funcionários, que muitas vezes nunca se viram presencialmente, quanto para as orientar e motivar uma nova equipe e inspirá-la com a cultura organizacional e estruturas dos departamentos, sem a existência dos cafezinhos, rabiscos em lousas, conversas de corredor ou a famosa “rádio peão”. O colaborador é um elo chave que replica a sua percepção da marca empregadora para diversos públicos, que, por sua vez, são clientes em potencial. Assim, ele se torna um porta-voz e pode formar uma opinião promotora ou detratora para um considerável volume de pessoas.

Publicidade

Compartilhe