Brasileiros esperam que marcas ajudem a solucionar a crise

Buscar

Brasileiros esperam que marcas ajudem a solucionar a crise

Buscar
Publicidade

Marketing

Brasileiros esperam que marcas ajudem a solucionar a crise

Estudo da Edelman mapeia confiança diante do cenário, indicando que consumidores esperam que empresas supram necessidades individuais e da sociedade


23 de julho de 2020 - 8h20

(Crédito: Pexels)

O fluxo de confiança dos consumidores nas instituições vem sofrendo mudanças nos últimos anos, por conta de novas dinâmicas de influência e consumo. A última década foi especialmente marcada pelo propósito corporativo, conceito que norteou a estratégia de empresas e fez com que compartilhassem responsabilidades sociais e de comunicação junto a instituições como governos e imprensa. O cenário de pandemia, no entanto, acelera essa dinâmica e coloca marcas como protagonistas na resolução de problemas sociais e angústias dos consumidores. 

É o que mostra o relatório “Confiança na Marca 2020”, um novo recorte da pesquisa anual Trust Barometer, da agência global de Relações Públicas Edelman. O estudo mapeia os atributos determinantes para a confiança dos consumidores nas marcas no contexto atual. A sondagem online foi feita de 27 de maio a 5 de junho com 22 mil entrevistados em 11 países, sendo dois mil no Brasil. O relatório inclui ainda um recorte sobre a pandemia, que incluiu uma consulta paralela com mil entrevistados brasileiros de 23 e 26 de março.

De acordo com o estudo, 96% esperam que marcas se juntem a governos e associações para solucionar a crise desencadeada pela pandemia. Ainda, 93% disseram que esperam que marcas protejam o bem-estar e a segurança financeira de seus colaboradores e fornecedores, mesmo que isso signifique sofrer grandes perdas financeiras até que a pandemia termine.

Em relação ao impacto na sociedade, 43% acreditam que marcas terão um grande impacto na velocidade da recuperação econômica, e 48% acreditam que marcas estão mais envolvidas nas principais questões sociais. 

Do ponto de vista de consumo, o levantamento mostra que pessoas estão comprando ou boicotando marcas de acordo com suas ações diante da pandemia. Entre os brasileiros consultados, 52% disseram que começaram a usar produtos de uma marca por conta da inovação ou de ações solidárias da empresa diante da pandemia — índice maior do que a média global, de 44%. Outros 41% disseram ter convencido outras pessoas a parar de usar uma determinada marca por conta de sua resposta ao momento.

Consumidor vulnerável
Na hora de decidir quais produtos comprar, consumidores brasileiros estão valorizando principalmente o preço e acessibilidade como principais atributos. Ao todo, 69% consideram o preço na hora de comprar uma nova marca.

Depois do preço, consumidores brasileiros disseram considerar a reputação da marca, de acordo com 58%, e, em terceiro, a forma como como marcas tratam seus clientes. Ainda, 37% disseram analisar como a marca reagiu frente à pandemia na hora de tomar decisões sobre produtos. 

Quando questionados sobre por quê sentem a necessidade de confiar nas marcas no momento atual, consumidores destacaram necessidades sociais e pessoais. Ao todo, 35% dos brasileiros afirmaram que a pandemia os tornou mais dependentes de marcas para manter sua segurança e da sua comunidade. Ainda, 33% disseram estar com dificuldades financeiras, não podem desperdiçar dinheiro e, para que isso não aconteça, precisam confiar nos produtos que compram. 

Comunicação
Do ponto de vista de comunicação, o recorte global da pesquisa mostrou que 61% dos consumidores respeitam e valorizam quando marcas investem em comunicar sobre ações solidárias que estão tomando durante a pandemia. Contudo, outros 39% acham constrangedor quando marcas comunicam todas as suas ações feitas durante a pandemia. 

A pesquisa também mapeia o papel da publicidade e de diferentes stakeholders na formação da confiança do consumidor em marcas. Segundo o estudo, 73% dos entrevistados brasileiros usam uma ou mais estratégias para evitar publicidade digital — índice que cresceu sete pontos percentuais em relação ao ano passado.

Além da publicidade, são três os fatores apontados pelos consumidores para o aumento ou a queda na confiança nas marcas. Segundo os participantes da pesquisa, os principais elementos que afetam a confiança nas marcas são a experiência pessoal dos consumidores, a conversa com pares e o acesso à mídia espontânea. 

Quando o assunto são os porta-vozes mais confiáveis, a opinião de pares, como amigos e família, é a que mais conta, segundo 77% dos brasileiros consultados. Em seguida, consumidores tendem a confiar mais em especialistas setoriais, especialistas técnicos e fundadores de empresas, nesta ordem.

A íntegra desta reportagem está publicada na edição semanal de Meio & Mensagem, que até o fim de julho pode ser acessada gratuitamente pela plataforma Acervo, onde é possível consultar ainda todas as edições anteriores que circularam nos 42 anos de história da publicação. Também está aberto a todo o público, gratuitamente, o acesso à versão digital das edições semanais de Meio & Mensagem, no aplicativo para tablets, disponível nos aparelhos com sistema iOS e Android.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Dove aposta em especialista em IA para incentivar beleza sem padrões

    Como embaixadora de Dove pela Real Beleza, Heloisy Pereira Rodrigues, formada em IA, trabalhará junto a marca em iniciativas da IA a favor da beleza sem padrões

  • Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Nivea usa gamificação para falar de cuidados com a pele

    Iniciativa acontecerá presencialmente em São Paulo, Campinas e Curitiba para democratizar conhecimento sobre a pele