BookTok: tendência no TikTok incentiva leitura e fortalece editoras

Buscar

BookTok: tendência no TikTok incentiva leitura e fortalece editoras

Buscar
Publicidade

Mídia

BookTok: tendência no TikTok incentiva leitura e fortalece editoras

Tendência de incentivo a leitura no TikTok impacta mercado editorial, e editoras criam novas estratégias com redes sociais


13 de junho de 2024 - 6h05

O livro “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de 1881, do autor brasileiro Machado de Assis, foi o livro mais vendido da Amazon, nos Estados Unidos, na categoria “Literatura Latino-Americana e Caribenha”, no dia 21 de maio. Isso aconteceu após a escritora e podcaster norte-americana, Courtney Henning Novak, postar um vídeo no TikTok falando que aquele era o melhor livro já escrito.

O vídeo viralizou na plataforma de vídeos curtos (veja abaixo), seguindo uma tendência que apareceu nos últimos anos, a BookTok. Nesta quarta-feira, 12, Courtney postou outro vídeo comentando, desta vez, sobre “Dom Casmurro”, outra obra de Machado de Assis, de 1899.

@courtneyhenningnovak I absolutely LOVED the Posthumous Memoirs of Bras Cubas by Machado de Assis, my pick for Brazil. Seriously, this might be my new favorite book. I will definitely be reading more books by this author and more Brazilian literature. #readaroundtheworld #booktok ♬ original sound – Courtney Henning Novak

BookTok é um fenômeno no TikTok em que creators e autores publicam vídeos contando curiosidades sobre livros que estão lendo. A hashtag “BookTok” já conta com 33,6 milhões de publicações na plataforma. E esses creators estão sendo chamados de BookTokers.

BookTok

Hashtag “BookTok” já conta com 33,6 milhões de publicações na plataforma (Crédito: Reprodução)

“Todo movimento viral ou de ‘trend’ é motivado por porta-vozes que movimentam comunidades”, pontua Flávio Santos, CEO e cofundador da MField. O CEO enfatiza que esses BookTokers geram não só inspiração ao público, como também uma influência que desperta interesse.

Apesar de o fenômeno ter incentivado a leitura entre os jovens, Nohoa Arcanjo, cofundadora & CBO da Creators.llc, no entanto, salienta que dados recentes mostram uma queda geral na taxa de leitura em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil.

“Segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Instituto Pró-Livro, o país perdeu 4,5 milhões de leitores entre 2015 e 2019”, comenta Nohoa. A executiva reforça ainda que essa queda foi observada principalmente entre as pessoas com ensino superior e nas classes sociais mais altas, o que se revela um dado preocupante, e nada óbvio devido ao acesso e poder de compra destas pessoas.

Como as editoras e livrarias podem aproveitar

Neste contexto, para Nohoa, editoras e autores que antes dependiam de canais tradicionais de marketing, agora, encontram no TikTok uma plataforma eficaz para alcançar leitores ávidos por novidades.

A executiva indica alguns exemplos do exterior que poderiam ser replicados no Brasil, como a Barnes & Nobles, maior rede de livrarias dos Estados Unidos, que criou uma seção “BookTok Favorites”, em seu site e lojas físicas, onde reúne os livros mais populares da plataforma. “Eles também promovem esses títulos em suas redes sociais e newsletters”, complementa.

Outro exemplo é a Bookshop.org, plataforma online que apoia livrarias independentes, que também tem uma seção dedicada aos “BookTok Bestsellers”. “Esses exemplos mostram como o BookTok está transformando o mercado editorial e influenciando as estratégias de marketing das livrarias. Ao reconhecer e abraçar essa comunidade engajada, as livrarias estão encontrando novas formas de conectar os leitores aos livros e promover a paixão pela leitura”, afirma Nohoa.

A Editora Planeta, inclusive, já tem notado essa tendência e entrado nela. “Trabalhar com influenciadores digitais nessa plataforma, seja de forma orgânica, seja por meio de publicidade paga, tem sido fundamental para o sucesso de alguns livros voltados para os jovens”, frisa a Ana Carolina Fontoura, diretora de marketing e comunicação da editora.

Um ótimo exemplo desse fenômeno, segundo Ana, foram os vídeos do livro “Circe” de Madeline Miller, que começaram a ser divulgados por booktokers fora e dentro do Brasil, chegando, às listas de mais vendidos. “O mesmo aconteceu com ‘Mil beijos de garoto’, outro livro voltado para o público Young Adult, que foi lançado em 2017, mas somente virou best-seller após viralizar no TikTok em 2021, com a trend “livros para chorar””, fortalece a diretora.

Desde esse ano, a cenário mudou e muito booktokers se profissionalizaram, de acordo com Ana, o que tem aumentado a credibilidade de algumas divulgações e diminuído o impacto de outras, uma vez que o público tem começado a desconfiar um pouco mais dos anúncios pagos.

Com isso, atualmente, o TikTok é uma das principais redes sociais da Editora Planeta junto com o Instagram. “Nossa estratégia para essa rede envolve estar atento às tendências, aos estilos de vídeos e áudios virais para replicá-los na divulgação dos livros, sempre usando um tom de voz jovem, mais informal e divertido”, revela a diretora.

Neste sentido, estratégias que costumam funcionar é: falar sobre os bastidores da editora e das produções dos livros, para criar proximidade com o público, segundo Ana. “Obviamente, como em todas as redes sociais, é necessário investimento financeiro para garantir que o conteúdo chegue à nossa audiência”, reforça.

Futuro dessa tendência

Na visão de Nohoa, é provável que essa tendência de BookTok continue crescendo e se diversificando, com o surgimento de nichos cada vez mais específicos, com comunidades dedicadas a gêneros literários como fantasia, romance, suspense e não-ficção.

A cofundadora & CBO da Creators.llc, também entende que no futuro, essa tendência possa intensificar a colaboração entre booktokers, autores e editoras, resultando em projetos inovadores e experiências de leitura imersivas. O CEO da MField concorda com Nohoa e complementa: “Se evoluirmos para um ativo que une o Booktoker com o autor e com a possibilidade de aquisição da obra, fecha-se o ciclo de ponta a ponta”.

Com isso, o impacto no mercado editorial será profundo, segundo Nohoa. Tanto ela quanto Santos entendem que, neste contexto, editoras e autores terão que se adaptar a essa nova realidade, investindo em conteúdo digital e estratégias de marketing que dialoguem com a linguagem do TikTok. “O mercado editorial precisa se organizar para essa nova fase, criando além de livros físicos e ‘ebooks’, resenhas em vídeos e áudios. Será mais um formato a ser incluído na distribuição de livros, visto que o celular e tablets passam a ser a primeira tela de interesse”, pontua Santos.

Como, na visão de Ana, publicações espontâneas de grandes booktokers serão cada vez mais relevantes para o sucesso de um livro daqui em diante,” conhecer bem o perfil de cada influenciador e suas preferências será cada vez mais importante no momento de indicar bons livros a eles”.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Netflix conquista 8 milhões de novos assinantes no segundo trimestre

    Netflix conquista 8 milhões de novos assinantes no segundo trimestre

    Plataforma de streaming superou as projeções, impulsionada pela opção de assinatura com anúncios publicitários

  • Record aposta em Marcia Fu para abordar Olimpíada no digital

    Record aposta em Marcia Fu para abordar Olimpíada no digital

    Canal da Fu! abordará assuntos diversos, tendo como início os Olímpicos de Paris, para aproveitar a experiência da ex-atleta