CNPJ tem coração?

Buscar
Publicidade

Opinião

CNPJ tem coração?

Contextos com o atual demandam cada vez mais o equilíbrio, nada fácil, entre objetivos práticos de negócio e responsabilidade socioambiental das empresas


3 de junho de 2024 - 14h00

“Lucro é a linguagem de amor do empresário”. Está aí uma frase difícil de discordar. “Amigos, amigos, negócios à parte.” A sabedoria popular também deixa bem claro que o ambiente corporativo tem dificuldade em ser um lugar para sentimentos fraternais.

Quem tem meta para bater, conta para pagar e compromissos de crescimento para entregar, muitas vezes precisa tomar decisões que fazem parecer que CNPJ não tem coração. Ao mesmo tempo, um dilema: uma pressão crescente para que as empresas sejam mais conscientes – investidores olhando mais para os temas de responsabilidade socioambiental, uma nova geração de funcionários buscando empregadores que tenham propósito e clientes querendo marcas que deixem o mundo melhor. Como conciliar tudo isso?

Dizem que “a propaganda é a alma do negócio”. Tem gente que faz uma aplicação literal dessa frase e usa o marketing para mostrar que a sua corporação tem sentimentos. Estamos vendo muito isso acontecer esses dias, durante a triste tragédia que acontece no Sul do País.

“Minha empresa deve fazer propaganda sobre as doações que está fazendo?”, recebo essa pergunta com frequência e a minha opinião é bem simples. Inicialmente, deixo claro: se você e a sua companhia podem ajudar, por favor FAÇAM o melhor que puderem, porque muita gente depende de uma mão estendida nesse momento. Mas a dúvida aqui é sobre comunicar publicamente o que você está fazendo ou não.

Imagine que você tem duas amigas. Uma delas é extremamente egoísta. Ela nunca te ajudou em nada, nunca mostrou que se importa com os outros e sempre fez questão de dizer que queria tudo para si. O que aconteceria se essa amiga aparecesse, agora, com cara de choro forçado nos stories do Instagram, dizendo que está doando cinco bolsas chiques para as gaúchas que perderam tudo? Ao mesmo tempo, sua outra amiga é o amor em pessoa. Ela sempre foi muito sensível, sempre mostrou que se importa com o próximo, sempre te ajudou e está sempre envolvida em causas sociais. O que aconteceria se ela fizesse um post mostrando que está lá no Sul distribuindo comida para os desabrigados e pedindo doações para poder entregar mais alimentos?

Se a sua marca só “fala” com o cliente para pedir o dinheiro dele, não trata bem os seus consumidores e tem muitas críticas de colaboradores, cuidado. Comunicar uma ação social agora, ainda que seja genuína, pode parecer oportunismo. Por outro lado, se a sua empresa tem demostrado que se importa com as pessoas, é até esperado que ela divulgue as suas ações sociais – não se esqueça que isso também incentiva outras marcas a fazerem o mesmo.

Comunicar é mais do que informar. É contar o que pensamos, mostrar no que acreditamos, revelar nossa personalidade e nossas intenções. É colocar cor, compartilhar o que está no coração, expressar quem você é por dentro. É através da comunicação consistente que a gente constrói relacionamentos e mostra que tem sentimentos.

O que faz sentido FALAR quando seus amigos estão desesperados? O que faz sentido FAZER quando eles perderam tudo? Enquanto os seus clientes estão chorando, não é hora de vender lenços mais caros.

Ajude o quanto puder. Divulgue se fizer sentido. Mas faça sempre com a intenção certa. Se o seu CNPJ tem coração, todos vão perceber. E você vai alcançar o resultado mais importante de todos: aquele que vai além das vendas.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Pilha no Brinquedo #7: Flywheel – A roda de tração

    Tirando a nostalgia, o fato pitoresco me fez refletir sobre um conceito que tem pairado nas nossas discussões de “transformações e engajamento” nos negócios

  • A revolução da IA no shopper marketing

    Recurso é o assunto do momento, mas você sabe usar a inteligência artificial no dia a dia da entrega para os seus clientes?