Produção audiovisual e IA

Buscar
Publicidade

Opinião

Produção audiovisual e IA

A inteligência artificial não mata a criatividade humana, ela amplia as nossas possibilidades


4 de outubro de 2023 - 14h00

Se engana quem pensa que a IA é assunto recente. Existe, sim, um grande salto tecnológico em curso desde o fim do ano passado, puxado principalmente pelas ferramentas de inteligência artificial generativas que estão evoluindo em velocidade assustadora. Mas a verdade é que os conceitos centrais da IA começaram a ser desenvolvidos desde a Segunda Guerra Mundial e, nas últimas décadas, a inteligência artificial já é parte do nosso cotidiano, presente de forma consistente nas redes sociais e plataformas de streaming que consumimos todos os dias.

Mas também é fato que esse hype da inteligência artificial, motivado principalmente pelo lançamento do Chat-GPT 3.5, ajudou a aquecer esse mercado, atraindo atenção e novos investimentos que têm acelerado o desenvolvimento das mais variadas ferramentas.

No caso da produção audiovisual, por exemplo, a IA é uma realidade cada vez mais presente em basicamente todas as etapas, incluindo estudo do mercado, concepção de roteiro, pré-produção, casting, planejamento das diárias de gravação, edição e pós-produção.

Mas vamos com calma! Isso não significa que a IA é capaz de realizar sozinha qualquer um desses processos (pelo menos por enquanto). Quando falamos de criatividade, o olhar humano e o nosso senso estético são essenciais em cada etapa. As ferramentas de inteligência artificial nos ajudam a acelerar e aprimorar o processo, permitindo que a gente se concentre nas tarefas que são de fato criativas.

Antes dos computadores, cada um dos milhares de frames que compõem um episódio clássico do Mickey Mouse precisava ser desenhado a mão, as ferramentas digitais já tinham agilizado bastante esse processo. Agora, com programas e plugins que utilizam tecnologias de inteligência artificial cada vez mais avançadas e precisas, é muito provável que o tempo e os custos de produção de um longa-metragem de animação sejam diminuídos drasticamente nos próximos anos.

Se você pedir para o Chat-GPT criar um roteiro audiovisual ou um artigo de blog com foco em SEO, ele o fará perfeitamente do ponto de vista da gramática e da formatação, mas deixará a desejar do ponto de vista criativo. Provavelmente seu roteiro será carregado de clichês e o seu artigo, ainda que siga as melhores práticas de SEO, será genérico e não estará adequado ao tom de voz da marca, além de apresentar, novamente, muitos clichês e frases feitas. Ainda assim, esse exercício pode ser interessante quando bate um bloqueio criativo, daqueles que nos faz encarar a página em branco por longos minutos.

Já as ferramentas de geração de imagens, como Midjourney e Dall·E, podem acelerar bastante a pesquisa de referências visuais, ou mesmo a montagem de storyboards. Além de permitirem a criação de imagens realmente criativas e inéditas, para as quais você dificilmente encontraria referências em bancos de imagens e mecanismos de busca comuns.

Já é quase um chavão, mas o que temos ouvido cada vez mais nos principais eventos de tecnologia ou em conteúdos sobre carreiras é que você não será substituído pela IA, mas, sim, pelos profissionais que dominarem a IA melhor do que você. E, neste caso, o chavão se justifica.

Fato é que, até pouco tempo atrás, os criativos de uma agência de publicidade passavam mais adaptando o conceito de uma campanha aos inúmeros formatos de mídias do online e do off-line, do que sendo, de fato, criativos.
Hoje, designers, redatores e videomakers dispõem de uma infinidade de ferramentas que fazem o trabalho repetitivo por eles, permitindo que eles se foquem no trabalho criativo, que envolve pesquisa, estudo, esboços e, principalmente, sensibilidade e pensamento crítico.

Portanto, negar a IA, hoje, significa abrir mão da própria evolução profissional. É melhor se concentrar em dominar as ferramentas que permitirão levar a sua criatividade a um novo patamar.
As possibilidades da criatividade humana sempre foram ilimitadas. Mas agora está cada vez mais fácil concretizar as ideias geniais que antes esbarravam na limitação técnica.

Publicidade

Compartilhe

Veja também