Quais ondas as marcas devem surfar na Copa?

Buscar

Quais ondas as marcas devem surfar na Copa?

Buscar
Publicidade

Opinião

Quais ondas as marcas devem surfar na Copa?

Criatividade, jogo de cintura e flexibilidade de execução serão fundamentais para ganhar o campeonato dos anunciantes


21 de outubro de 2022 - 6h00

Copa do Mundo Catar 2022 taça Copa do Mundo

(Créditos: SERGIO V S RANGEL/Shutterstock)

A Copa do Mundo sempre mexeu com o povo brasileiro. Pela primeira vez, ela não vai acontecer em junho e julho, mas no final do ano, quando todos estão com a cabeça no Natal, no Ano Novo e, para colocar mais um tempero, saindo de umas das eleições mais importantes da história do país. As mudanças não tiram o brilho do evento, nem diminuem a paixão do brasileiro, tanto é que vemos muitas postagens nas mídias digitais de pessoas completando o álbum de figurinha da Copa do Catar. Marcas terão grandes oportunidades e orçamento disponível para engajar e vender seus produtos. A competição nos meios de comunicação será acirrada. Haverá um briga de foice por custos de veiculação, off e online, o que torna ainda mais necessária a capacidade de destacar sua mensagem de campanha.

O que acontecerá durante as copas não dá para prever. Mas é certo que teremos momentos marcantes em gols inesquecíveis, dancinhas de jogadores, polêmicas de todos os modelos, fáceis de viralizar em ambientes digitais e tomar conta das pautas. A marca precisa ter capacidade criativa para surfar nessas ondas, produzindo diferentes conteúdos em diversos canais por meio de posts, vídeos, respostas nas redes que relacionem de maneira inteligente e divertida o tema com os seus produtos e serviços. É essencial combinar equipe criativa com uma dose de coragem corporativa e rapidez na tomada de decisão.

Na alocação do orçamento é importante ter flexibilidade de execução de acordo com o movimento da internet. Tik-Tok, Twitter, Instagram, Youtube e Google Search são os favoritos a receber os investimentos online. Conforme subir a onda, o volume de dinheiro deve ser ajustado para cada fato novo relevante. Por exemplo, se o Tik-Tok disparar com as dancinhas dos jogadores, a marca deve acompanhar e subir seu investimento nessa plataforma em detrimento de outra. Diariamente, os anunciantes precisam mergulhar nos dados para entender os números e flexibilizar a alocação de recursos.

Toda a comunicação deve ser pensada dentro de uma linha central de campanha, mas precisa haver flexibilidade suficiente para passar por diversas adaptações, sempre acompanhando a jornada da copa. A competição será repleta de micro momentos, sendo que cada jogo do Brasil pode ser dividido em três fases: pré, durante e pós-jogo. Cada etapa e adversário possibilitará diversos conteúdos únicos. Será necessária uma assinatura de campanha que viabilize essa flexibilidade e que diferentes caminhos e cenários sejam criados antes do evento, possibilitando tempo de manobra aos criativos.

Conseguir comunicar efetivamente para o seu público é uma combinação de orçamento disponível e capacidade de execução da comunicação. Considerando que o investimento está definido, a única alavanca disponível para a Copa do Mundo é a execução. Na grande maioria dos casos, a diferenciação entre os anunciantes, que são competidores diretos não se dará na mensagem ou tagline da sua campanha principal, mas na sua capacidade de criar e veicular conteúdos que conversem naquele momento intenso da sociedade. É primordial que os executivos de marketing deem liberdade criativa e recursos para seus times e agências aproveitarem as principais jogadas, tenham agilidade para realocar seus investimentos entre as plataformas e adequem a comunicação aos micro-momentos vividos na medida que a competição evoluir. O esquema de jogo vencedor é uma combinação de adaptabilidade criativa, flexibilidade na alocação dos investimentos e adequação da comunicação aos momentos do jogo.

Que venha o Hexa e muitas vendas!

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Re-evolução artificial

    Ainda que a tecnologia possa funcionar como “co-piloto” e memória expandida, é preciso cuidado com o risco da acomodação intelectual

  • Pilha no Brinquedo #23: Que história ando contando? > saúde mental

    A questão é que fazer acontecer não é tão simples assim, pois há implicações em várias áreas da nossa vida, no entanto, não é utópico