IA generativa é prioridade para 84% dos CEOs de empresas de tecnologia

Buscar
Publicidade

Notícias

IA generativa é prioridade para 84% dos CEOs de empresas de tecnologia

Dado é parte do estudo CEO Outlook 2023, da KPMG, que mostra que 21% dos líderes do setor apontam aumento de lucratividade

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


13 de maio de 2024 - 6h03

A inteligência artificial generativa (GenAI) ocupa o topo das prioridades de investimentos para 84% dos CEOs da área de tecnologia ao redor do mundo. O dado sobre GenAI é do estudo CEO Outlook 2023, assinado pela KPMG, divulgado na última semana, que entrevistou 127 líderes globais.

Inteligência artificial

Estudo mostrou que GenAI é prioridade máxima para CEOs de tecnologia (Crédito: Filip/Adobestock)

Segundo o levantamento, 21% dos líderes do segmento apontam o aumento da lucratividade como o principal benefício do uso da GenAI. Além disso, 25% dizem que, nos próximos três anos, a meta central é avançar na digitalização e conectividade.

As organizações consideram IA e machine learning como as tecnologias mais importantes para alcançar seus objetivos de curto prazo. Nesse sentido, mais da metade dos CEOs globais (57%) e dos brasileiros (63%) acreditam que essas tecnologias serão importantes para atingir as metas empresariais nos próximos três anos.

Como era de se esperar, o interesse por novidades tecnológicas é uma característica do setor. Grande parte dos líderes, 38%, aderem às tecnologias emergentes, e 58% estão investindo mais na aquisição de novas ferramentas.

Por outro lado, apesar da busca por novas soluções, 55% das organizações dizem que o percurso da automação foi adiado por conta de preocupações quanto ao modo como a GenAI toma decisões. E mais da metade (53%) se preocupa com os desafios éticos relacionados, como plágio, proteção de dados, viés e falta de transparência.

GenAI e tendências

Márcio Kanamaru, sócio-líder de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil e na América do Sul, fala de uma nova onda da IA. De acordo com Kanamaru, esse novo momento vai impulsionar melhoras significativas em áreas como aprendizado de máquina avançado, visão computacional, processamento de linguagem natural e inteligência artificial generalizada.

“Essas melhorias estão resultando em soluções de software mais inteligentes, eficientes e adaptáveis. Assim, serão capazes de atender às demandas crescentes e resolver problemas de forma mais rápida e precisa. Além disso, nesta década, a associação de computação clássica com a computação quântica será mais frequente e demandada”, antecipa.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • IAB lança comitê para debater IA no Brasil e no mundo

    IAB lança comitê para debater IA no Brasil e no mundo

    Liderado por Microsoft e Google, grupo discutirá melhores práticas e utilização da tecnologia na publicidade

  • Microsoft e LinkedIn: 83% dos trabalhadores no Brasil já utilizam IA

    Microsoft e LinkedIn: 83% dos trabalhadores no Brasil já utilizam IA

    Desenvolvido pela Microsoft e LinkedIn, índice revela os impactos da inteligência artificial (IA) no trabalho e no mercado de empregos no próximo ano