Os desafios da IoT para ganhar escala no Brasil

Buscar
Publicidade

Notícias

Os desafios da IoT para ganhar escala no Brasil

Paulo Spaccaquerche, da Associação Brasileira de Internet das Coisas, aponta fator cultural e falta de mão de obra qualificada para maior avanço

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


29 de setembro de 2022 - 6h00

desafios do iot

“Hoje, a IoT deixou de ser para early adopters e passou a ser considerada uma prática necessária para os negócios”, aponta presidente da Abinc (Crédito: Zapp2Photo/shutterstock)

A Pesquisa TIC Empresas, estudo anual realizado desde 2005 pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, apontou crescimento da aplicação de internet das coisas (IoT) no Brasil. O conceito de IoT define a conexão de objetos físicos por meio de sensores, softwares e outras tecnologias para trocar dados por meio da internet.

De acordo com o relatório, 14% das mais de quatro mil empresas pesquisadas usaram algum tipo de tecnologia IoT. Entre as companhias do setor de comunicação e informação, esse número sobe para 36%. Questionadas sobre o uso da tecnologia, 85% das empresas que usam IoT apontaram a segurança como foco, com sistemas de alarme e câmeras de segurança inteligentes. Na sequência, com 44%, aparece o uso em dispositivos de gerenciamento do consumo de energia.

As empresas foram ouvidas entre agosto de 2021 e abril de 2022. Para Paulo Spaccaquerche, presidente da Associação Brasileira de Internet das Coisas (Abinc), o desenvolvimento do IoT ainda esbarra no fator cultural e na falta de mão de obra qualificada. Spaccaquerche comenta sobre maturidade da tecnologia no País.

Meio & Mensagem – Qual é o patamar de maturidade da tecnologia IoT no Brasil?
Paulo Spaccaquerche – A internet das coisas (IoT), antes um conceito debatido e discutido apenas em laboratórios e empresas de tecnologia, agora é realidade em qualquer segmento de mercado. Todos estão buscando empregar soluções de IoT para melhorar suas operações. Os avanços tecnológicos, principalmente na conectividade, incluindo redes móveis 5G, computação de ponta e análises avançadas, foram enormes. Essa combinação de tecnologias ofertadas na IoT mostra que, a cada dia que passa, a maturidade aumenta. O crescimento da oferta de aplicativos também levou à maior adoção da IoT ano após ano. Temos soluções para pedir comida, táxi, qualidade do ar e assim por diante. Hoje, a IoT deixou de ser para early adopters e passou a ser considerada prática necessária para os negócios. A posição do Brasil é respeitada. Estamos melhores que muitos países e, na América Latina, somos os primeiros.

M&M – Em paralelo, qual é o estágio de adesão por parte das empresas? Quais são os principais obstáculos?
Spaccaquerche – Existem diversas empresas utilizando soluções IoT com comprovado retorno sobre o que foi investido. Outras estão fazendo provas de conceito e outras, ainda, avaliando por onde começar. Todos irão adotar. Isso não se questiona. Mas o que temos visto é que o lado cultural da empresa e mão de obra qualificada tem contribuído para gerar os maiores obstáculos. A adoção de solução de IoT deve ser iniciada em área da empresa onde se tem as maiores dores do negócio para depois expandir. Outro ponto a ser pensado é que a maioria dos projetos de IoT são serviços e, como tal, são negociados no modelo softare como serviço (SaaS) e isso, culturalmente, pode ser um obstáculo. Empresas privadas, e mesmo as públicas, entendem como desafio adotar em escala a IoT, por falta de interoperabilidade, gerenciamento de mudanças e segurança. Sem considerar toda a parte da lei de proteção de dados (LGPD) e privacidade dos dados.

M&M – Entre os usos, o destaque é a segurança. Quais são as possibilidades do IoT nesse sentido?Spaccaquerche – Segurança é questão fundamental em qualquer projeto de IoT. A possibilidade de se ter abertura através de um sensor é um ponto preocupante. Atualmente, na Abinc, o comitê de segurança desenha metodologia para ser aplicada em projetos de IoT. Esta metodologia está baseada no framework do IoT Security Foundation (ISF), na Inglaterra, com o qual a Abinc tem parceria.

M&M – Para além da segurança, em quais áreas o IoT deve crescer nos próximos anos?Spaccaquerche – Cada vez mais nas conectividades, seja por rede privativa, LPwan, nano satélites, seja por combinações com IA e soluções de interoperabilidade. Outro setor de crescimento será o de integradores e aí não são somente as grandes empresas. Os médios integradores terão grande espaço no mercado. Por fim, entendemos que os ISP deverão desempenhar um papel importante nesse mundo da IoT.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Equativ e Retargetly formam aliança estratégica

    Equativ e Retargetly formam aliança estratégica

    Anunciantes que usam a plataforma da Equativ terão acesso aos dados de mais de 380 milhões consumidores na AL

  • Singularity University apresenta 24 tendências de tecnologia

    Singularity University apresenta 24 tendências de tecnologia

    Levantamento foi realizado em parceria com o Learning Village, do Grupo HSM