Publicidade

Opinião

A sociedade da abundância

Sobre a importância das escolhas e como a intencionalidade e as pausas podem beneficiar as nossas decisões


17 de janeiro de 2024 - 6h05

(Crédito: VectorMine/Shutterstock)

Ao refletir sobre o tema do meu primeiro artigo, inevitavelmente me veio à mente a ideia de compartilhar aprendizados de 2023, resoluções e os grandes desafios do novo ano. Porém, como alguém imersa em um ritmo de vida acelerado, existe uma questão que me deixa inquieta e que está relacionada à abundância, à ausência de pausas, à falta do ócio e como isso afeta diretamente as nossas escolhas.

O privilégio do poder de escolha é multifacetado, e nem todos têm essa realidade, considerando as disparidades sociais que afetam saúde, finanças e outros fatores. Para aqueles que fazem parte do círculo de privilégio da escolha, desde pequenas decisões como o que comer até decidir o horário de dormir, as opções são vastas. Podemos até escolher entre sorrir mais ou ficar mais sérios. O fato é que, se o privilégio permitir, as escolhas estão à disposição, e cabe a nós tomarmos as melhores rotas na vida.

Nos últimos dias do ano, ao revisitar algumas reflexões, encontrei falas importantes. O que será que uma neurocientista, um livro e as palavras de um padre têm em comum?

Carla Tieppo, uma renomada neurocientista brasileira com quem tive a honra de ter aula durante a pandemia, fala sobre a dopamina, a amígdala e a relação com as nossas decisões. No seu canal Nada Trivial, ela explica que a dopamina é um neurotransmissor que está relacionado ao prazer, à recompensa e à motivação. Quando estamos diante de uma possível recompensa, a dopamina é liberada no nosso cérebro, o que nos motiva a tomar a ação que nos levará a essa recompensa.

Já a amígdala é uma estrutura cerebral que está relacionada ao medo, à ansiedade e ao estresse. Quando estamos em uma situação perigosa ou estressante, ela é ativada e libera cortisol, o que nos prepara para lutar ou fugir. Isso pode nos levar a tomar decisões que não são necessariamente as melhores para nós no longo prazo. A Carla argumenta que a dopamina e a amígdala podem nos levar a fazer escolhas impulsivas e irresponsáveis.

Embora eu seja católica, somente recentemente descobri o Padre Paulo Ricardo quando uma amiga me encaminhou um vídeo do seu canal no YouTube, cujas palavras poderosas abordam o propósito da vida moderna. Ele argumenta que a sociedade contemporânea, marcada pela abundância de estímulos e pela ausência de desafios, pode resultar em tédio e vazio, que ele chama de “tédio estrutural”.

A vida fácil e confortável da era moderna, segundo o Padre, contrasta com o ambiente desafiador e perigoso enfrentado por nossos ancestrais. Ah, e lá vem ela de novo… a dopamina! O nosso cérebro é programado para buscar desafios e recompensas – quando esses elementos estão ausentes, ele pode entrar em um estado de frustração e insatisfação, destacando a sociedade da abundância.

Essas reflexões ressoaram profundamente em mim, especialmente considerando meus 10 anos de experiência na área de tecnologia. A busca por desafios está em todos os lugares, até mesmo no consumo excessivo de telas. Como mãe de dois pré-adolescentes, essas reflexões me inspiram a orientá-los para uma vida equilibrada, evitando os extremos, vícios ou excessos.

E então resgatei um livro lido há alguns anos: “Nudge” (o famoso empurrão), que discute a criação de uma “arquitetura da escolha” para facilitar decisões melhores, sem restringir a liberdade. Os autores argumentam que os seres humanos não são sempre decisores racionais, e que o ambiente influencia significativamente as escolhas. A abordagem “paternalista libertária” sugere intervenções sutis, “nudges”, cutucadas – ou como a gente quiser chamar – para orientar as pessoas em direção a escolhas que sejam do seu melhor interesse, respeitando sua autonomia.

O livro fornece numerosos exemplos de como os “nudges” foram usados com sucesso em vários contextos, como disponibilizar mais opções de alimentos saudáveis ao nível dos olhos, e de fácil acesso, pode levar as pessoas a fazerem escolhas mais saudáveis, ou como um medidor inteligente que fornece feedback em tempo real sobre o uso de energia pode ajudar as residências a gerar mais economia.

Em meio à complexidade da neurociência, todas essas referências me fizeram voltar meu olhar para contemplar nossa consciência, nossa educação e o papel como cidadãos que podem e devem moldar uma sociedade mais apta a tomar melhores decisões. 

Desejo a todos que estão lendo esse artigo um ano mais intencional, em que possibilidades, escassez, ócio, foco, aprendizado e contemplação se entrelacem em nossas vidas. Que como mulheres, mães e líderes, a gente possa promover mais “arquiteturas da escolha”. Que a sensação de recompensa não venha apenas do acelerar incessante, mas sim das decisões que tomamos (ou tentamos tomar). Um lindo e suave 2024 para nós!

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    W2W Summit 2024: Como vencer a impostora que me habita

    Confira na íntegra o painel com Luanda Vieira, Rafa Brites e a moderadora Camila Fremder

  • Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Seja por meio do ativismo, da influência digital, da política, da comunicação ou pela arte, elas são símbolos de resistência e transformação