Publicidade

Women to Watch

As novas colunistas desta semana

Confira mais nomes do nosso time de mulheres que irão compartilhar perspectivas de carreira, liderança e vida na plataforma Women to Watch


15 de janeiro de 2024 - 13h18

Em 2024, o time de colunistas do Women to Watch dá boas-vindas a mais lideranças femininas que irão dividir conosco suas experiências, opiniões, vivências e conhecimentos. Nossa ideia é ser cada vez mais uma plataforma de compartilhamento e troca com profissionais que estão fazendo a diferença em seus mercados.   

Nesta segunda semana de novidades, as seguintes colunistas estarão conosco: Camila Valverde, Gabriela Augusto, Joyce Cursino, Kamila Camilo e Rita Almeida.

Conheça melhor cada uma delas a seguir.  

Camila Valverde (Pacto Global da ONU) 

(Crédito: Divulgação)

COO do Pacto Global da ONU no Brasil e diretora da Frente de Impacto, Camila Valverde tem ampla experiência no setor privado, e ao longo de 25 anos de carreira ocupou posições de liderança nas áreas de sustentabilidade, responsabilidade social, relações governamentais e operações em diferentes regiões do país. Desenvolveu e implementou projetos de impacto em direitos humanos relacionados à capacitação e inserção de jovens no mercado de trabalho e ao empoderamento econômico feminino, por meio da iniciativa Movimento Mulher 360. Na área ambiental, atuou no desenvolvimento de ferramentas para pecuária sustentável no varejo e em articulação e implementação logística reversa de resíduos sólidos em parceria com atores nacionais.

Camila é baiana, administradora de empresa, especialista em Administração de Serviço pela Universidade Federal da Bahia e mestre em Desenvolvimento Regional e Urbano pela Unifacs-BA. Gestão corporativa, direitos humanos, meio ambiente, liderança e comunicação são alguns dos temas que a executiva irá abordar em suas colunas.  

Gabriela Augusto (Transcendemos Consultoria)

(Crédito: Débora Araújo/Divulgação)

Gabriela Augusto é uma mulher negra e trans, diretora e fundadora da Transcendemos Consultoria. Por meio da sua empresa, desenvolveu e implementou projetos relacionados à diversidade em organizações como Cyrela, Kraft-Heinz e Arcor. É bacharela em Direito (PUC-SP) e especialista em design thinking pela Echos Innovation Lab. Em 2020, recebeu o prêmio LGBTQ+ Achievement Award da Consultoria McKinsey & Company, e também foi eleita Top Voice do LinkedIn. Em 2021, foi eleita uma das personalidades com menos de 30 anos mais brilhantes do Brasil pela Forbes, e, em 2022, foi homenageada como uma das 50 mulheres de impacto na América Latina pela Bloomberg Línea.

Em seu espaço no Women to Watch, Gabriela pretende se aprofundar nas interseccionalidades que esbarram na pauta de igualdade de gênero, tais como idadismo, transgeneridade, negritude, entre outros. Ela pretende relacionar esses temas com empreendedorismo, desenvolvimento de carreira, liderança, cultura e mais recortes. 

Joyce Cursino (Negritar Filmes e Produções) 

(Crédito: Divulgação)

Joyce Cursino é fundadora e principal liderança da Negritar Filmes e Produções. Mulher negra nascida e criada entre baixadas, quilombos e aldeias da Amazônia, ela é produtora de cultura, cinema, educação e impacto socioambiental. Também é idealizadora do “Telas em Movimento”, projeto de democratização do acesso ao cinema nas periferias e comunidades tradicionais da Amazônia, e do Rios de Encatarias, festival de ações de impacto socioambiental e cultural. É, ainda, co-fundadora da Casa Samaúma, integrante da coalizão da Cop das Baixadas e da Rede de Ciberativistas Negras do Pará.  

Além de trabalhar com arte, educação e impacto, Joyce é jornalista, com passagem por emissoras como Globo, Sbt e TV Cultura. Atriz e cineasta, está prestes a rodar sua primeira série de TV para streaming na região. Em suas colunas, pretende escrever sobre saúde mental e periferia, cidadania ativa e participativa, empoderamento feminino, inovação cultural e artística, educação transformadora, tecnologia como aliada da periferia, consciência ambiental e urbana, ancestralidade, equidade de gênero e combate ao machismo e liderança autêntica. 

Kamila Camilo (Creators Academy) 

(Crédito: Divulgação)

Empreendedora social e ativista há 10 anos, Kamila Camilo busca construir pontes entre grandes organizações e iniciativas populares, voltadas ao desenvolvimento de projetos de inovação aberta, estratégias de responsabilidade social e ESG. Aualmente, aos 31, é líder do Davos Lab Brazil, do Fórum Econômico Mundial, ativista pela justiça climática e fundadora da Creators Academy, iniciativa que conecta pessoas aos biomas brasileiros, levando influenciadores não familiarizados com a pauta ambiental para uma vivência na floresta e com moradores da região.

Em 2023, Kamila passou a integrar o conselho de administração do Instituto Igarapé e a delegação brasileira do W20 (Women 20 – Mulheres 20), grupo de interesse focado em gênero para aconselhamento do G20. Em seus artigos no Women to Watch, irá abordar temas relacionados ao seu negócio e propósito. 

Rita Almeida (AlmapBBDO) 

(Crédito: Breno da Matta/Divulgação)

Rita Almeida é publicitária e precursora do planejamento estratégico criativo no Brasil. Há 40 anos na área, tem passagens por agências como Talent, Loducca, AlmapBBDO e F/Nazca. É cofundadora e primeira presidente do Grupo de Planejamento de São Paulo. A profissional também foi empresária por 10 anos, quando fundou a CO.R Inovação, consultoria de estudos de comportamento, branding e inovação. Atualmente, em sua segunda passagem pela AlmapBBDO, Rita atua como head de estratégia para O Boticário e todas as suas submarcas, além de liderar a área de estudos de comportamento da agência.  

Em 2023, esteve à frente do estudo “A Revolução da Longevidade”, que traz uma visão sobre como os brasileiros 50+ podem ganhar voz no universo da comunicação. Rita ainda é professora da Miami Ad School e da Proinfo, palestrante e fonte frequentemente convidada por podcasts e lives quanto o assunto é cultura, tendências e comportamento. Seu projeto do coração é o “Vamos Falar Sobre o Luto”, um site fundado em 2016 que se propõe a dar voz para esse assunto, tão evitado pela sociedade. Em seus textos, Rita irá fazer análises de cultura e comportamento, pesquisas e insights humanos, branding, inovação e tendências aplicadas ao futuro das pessoas e das marcas.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Lideranças indígenas femininas ocupam cada vez mais espaços

    Seja por meio do ativismo, da influência digital, da política, da comunicação ou pela arte, elas são símbolos de resistência e transformação

  • A jornada de Lorice Scalise para ampliar o acesso à saúde 

    A jornada de Lorice Scalise para ampliar o acesso à saúde 

    A presidente da Roche Farma no Brasil fala sobre seus desafios no comando da farmacêutica e a relação entre saúde, gênero e liderança feminina