Como as marcas estão apoiando as mulheres na pandemia?

Buscar
Publicidade

Marketing

Como as marcas estão apoiando as mulheres na pandemia?

Anunciantes estão se envolvendo para questionar a sobrecarga das mulheres com o trabalho doméstico e a disparidade de gênero


15 de março de 2021 - 13h42

Quando, no Dia Internacional da Mulher, o Burger King cometeu o grande erro de fazer uma postagem no Twitter com a frase “lugar de mulher é na cozinha” as redes sociais foram tomadas por mulheres furiosas. A ação, na verdade, fazia parte de uma campanha para promover bolsas de estudo de culinária para mulheres, o que só foi explicado nos tweets subsequentes. A reação, no entanto, mostra o quanto o papel da mulher nas tarefas domésticas é um tema urgente.

 

Campanha Share the Load foi Glass Lion, em Cannes, em 2015 (Crédito: Reprodução)

Segundo um estudo publicado na semana passada por instituições como o Centro Internacional de Desenvolvimento de Pesquisa e a Fundação Bill & Melinda Gates, a pandemia pode reverter décadas de progresso econômico feminino, com as mulheres ocupando agora cerca de 30 horas na semana cuidando dos filhos. Outro estudo, do Escritório Nacional de Estatísticas do Reino Unido, tem mais chances de serem envolvidas em férias coletivas e tem precisado dedicar mais tempo a serviço não remunerados como o cuidado com a casa e crianças.

Embora essa disparidade de gênero no envolvimento com os trabalhos domésticos seja apenas uma parte do problema, alguns anunciantes decidiram focar nesse tema. A Procter & Gamble, por exemplo, fez uma campanha para as marcas Dawn e Swiffer no pré-jogo do Super Bowl, nos Estados Unidos, encorajando os norte-americanos a fecharem a “lacuna de tarefas domésticas”, para que os membros da família dividam igualmente o trabalho doméstico. A empresa também lançou um site, closethechoregap.com , que oferece dicas sobre compartilhamento de tarefas, incluindo informações sobre o parceiro S’moresUp, um aplicativo que pretende democratizar as tarefas domésticas.

Há alguns anos, a P&G, que produz uma série de produtos de limpeza, trata da disparidade de gênero nas tarefas em sua comunicação. Em 2015, a companhia ganhou um Glass Lion em Cannes por sua campanha Share the Load, para Ariel, na Índia. Mas uma série de outras marcas também estão aderindo ao tema.

A empresa de móveis Ikea, por exemplo, abordou o assunto em duas campanhas para o Dia Internacional da Mulher. Os anúncios fazem parte de um objetivo de longo prazo da varejista de alcançar uma divisão de gênero 50/50 em todos os níveis de sua empresa até 2022.

Em uma das campanhas, um jogo no Instagram chamado FiftyFifty, levanta questões sobre o trabalho doméstico. A gameficação foi projetada para despertar o debate entre casais que jogam juntos e faz perguntas como “Você faz alguma tarefa doméstica que passa despercebida?”. O game inclui uma enquete que avalia o quão igualitária é a divisão de tarefas dentro do relacionamento.

Com as mulheres trabalhando em home office e as escolas fechadas em boa parte do mundo, outros anunciantes decidiram focar no cuidado com as crianças.

Uma campanha recente da Wunderman Thompson para a empresa de telecomunicações britânica BT apresentou um filme interativo veiculado nas redes sociais, que coloca o espectador no lugar de uma mulher que luta contra um grande prazo de trabalho, quando inesperadamente precisa cuidar de sua sobrinha, já que a irmã e mãe da criança trabalha com serviço essencial.  A certa altura, ela é forçada a se agachar na lavanderia enquanto atende uma ligação de sua chefe.

Outro exemplo, a Unilever tem investido milhões para ajudar empresas criadas por mulheres e crianças que não têm acesso a computadores ou wifi para estudar em casa.

*Tradução: Taís Farias

**Crédito da foto no topo: Ajwad Creative/iStock

Publicidade

Compartilhe