Somos diferentes, mas igualmente importantes

Buscar
Publicidade

Opinião

Somos diferentes, mas igualmente importantes

Quanto mais somos conscientes da amplitude da diversidade, mais capazes somos de tomar ações efetivas para que as pessoas tenham chances iguais e acesso às melhores oportunidades


21 de novembro de 2022 - 11h18

(Crédito: Angelina Bambina/Shutterstock)

Quem de nós não cresceu com a máxima certeza de que a frase “todos somos iguais” correspondia a uma afirmação absoluta e irrefutável? Mesmo tendo a clareza do quão longe nos encontramos desta realidade, passamos muito tempo de nossas vidas acreditando neste conceito como um ideal acima de qualquer bem. Praticamente uma meta coletiva a ser alcançada por empresas e sociedades.

Parece que não estamos a sós nesta jornada. Dados baseados em declaração da população nas principais regiões metropolitanas do Brasil* corroboram com este princípio, já que 88% concordam totalmente com a frase “creio que devemos lutar pela igualdade de todos”. Número um pouco superior que há 10 anos, quando a total concordância era de 73% da população.

Dentro do contexto em que construir um mundo sem discriminação e sem preconceitos é um grande objetivo a ser perseguido, o conceito de que “devemos ser iguais” ou “lutar pela igualdade de todos” pode ser entendido como a busca por direitos igualitários, respeito aos indivíduos e pela inexistência de privilégios tão marcados entre as pessoas. Neste sentido, então, a afirmação em questão se torna de fato aplicável. Sim, queremos que todos possam ter mais acesso, mais opções e escolha pelas melhores oportunidades.

Mas como criar a conscientização coletiva de que, enquanto percebermos que as pessoas querem e devem ser iguais, estaremos muito distantes de ambientes inclusivos e com oportunidades para todos?

Recentemente, vivenciei uma experiência interessante em relação ao tema durante um treinamento de letramento racial com os líderes aqui da empresa, o que me levou a vários aprendizados importantes. Logo no início das nossas sessões, quando fomos indagados a opinar sobre a concordância com algumas frases, entre elas, lá estava, tão simples: “somos todos iguais”. 

De maneira espontânea e automática, a resposta de grande parte do grupo foi: “nem tem o que pensar, claro que sim”. À medida que o treinamento se encaminhava e os conceitos eram estabelecidos, coletivamente fomos “repensando” a concordância inicial à frase. Enquanto eu assistia a algumas reações e reflexões, notava que gradualmente íamos decodificando e traduzindo dois termos que, muitas vezes, se cruzam e são erroneamente usados como sinônimos: igualdade e equidade.

Dentro de uma boa intenção de querer chegar aos objetivos, sem refletir sobre a complexidade da realidade e o caminho a ser percorrido, poderíamos subestimar que estaríamos resolvendo a questão da diversidade e inclusão apenas ao praticar o conceito de igualdade.

De uma maneira genuína, mas simplista, ao tratar todas as pessoas com respeito, da mesma forma, dando a elas os mesmos direitos e deveres, ilusoriamente garantiríamos que todos tivessem as mesmas oportunidades. Afinal, nos pareceria que todos estão sendo convidados para a mesma a festa e chamados para dançar uma só música.

Neste contexto, porém, precisamos revisar e complementar esta metáfora tão difundida, já que num ambiente de pessoas diversas, muitas delas podem não saber dançar, não ter afinidade com o ritmo musical, ou até mesmo não gostar de dançar. E só quando percebemos isto, estamos prontos para entrar na jornada de entendimento e busca pela equidade.

Precisamos diariamente educar e reforçar a todos estes conceitos e provocar reflexões a nossa volta. As diversas comunidades, grupos de pessoas e seus indivíduos precisam ser reconhecidos como igualmente importantes, mas tratados de forma diferente, de acordo com as suas histórias, suas necessidades, e seus distintos pontos de partida.

Quanto mais for claro que os contextos são diversos e plurais, mais nos tornamos conscientes da amplitude e do valor da diversidade. Só assim seremos capazes de desenvolver os meios e instrumentos para tomar ações efetivas, e para propiciar que de fato as pessoas, dentro das suas desigualdades, sejam equânimes e igualmente inseridas, e que tenham minimamente acesso às melhores oportunidades.

(*) Fonte: Target Group Index nas principais regiões metropolitanas

Publicidade

Compartilhe

Veja também