Anúncios do Super Bowl mostram diversidade limitada

Buscar
Publicidade

Marketing

Anúncios do Super Bowl mostram diversidade limitada

Embora alguns avanços tenham sido feitos, ainda é difícil quantificar a evolução da representatividade nas peças preparadas pelos anunciantes


11 de fevereiro de 2022 - 16h18

Por Jeanine Poggi, do Advertising Age*

À medida que a Madison Avenue se aproxima do segundo ano em seu compromisso de criar uma indústria de publicidade mais diversificada e inclusiva, a maioria dos anunciantes do Super Bowl ainda está lutando para criar comerciais que retratem uma representação mais verdadeira.

Antes do Big Game deste ano, o Ad Age perguntou a todos os anunciantes com planos de veicular comerciais no jogo sobre como eles priorizavam a diversidade e a inclusão na criação e produção de seus anúncios. Isso incluiu a forma como eles abordaram o casting, a diversidade dentro das agências com as qual trabalhavam e a composição daqueles que trabalham na produção.

Embora algumas marcas tivessem passos de ação muito claros e delineassem maneiras de implementar essas práticas nas fases conceituais e de produção de seus anúncios, muitas não puderam fornecer detalhes específicos sobre a composição de quem trabalhava em seus comerciais. Outras simplesmente disseram apoiar a causa sem revelar muitos detalhes.

Enquanto a maioria das marcas com anúncios planejados para o Super Bowl participou deste artigo de alguma forma, Toyota, Crypto.com, Gillette da Procter & Gamble, Turkish Airlines e Irish Spring da Colgate-Palmolive se recusaram a participar. E WeatherTech, Kia, Carvana, Salesforce e Rocket Mortgage não retornaram vários pedidos da reportagem antes da publicação.

Um dos maiores problemas na tentativa de medir a diversidade e acompanhar o progresso tanto na frente quanto atrás das câmeras envolve diretrizes que impedem a necessidade de membros do elenco em divulgar informações sobre o status de acessibilidade, com várias marcas, incluindo a Kellogg, controladora da Pringles, a plataforma de negociação cripto eToro e a BMW citando essas diretrizes como obstáculos para fornecer dados detalhados.

“Estamos no ponto de partida na América corporativa, onde as empresas reconhecem a necessidade desses dados e as estamos ajudando a navegar por eles”, disse Rich Ferraro, diretor de comunicações da GLAAD. “Estamos começando agora a ajudar as agências a fazer essas perguntas e, embora a participação precise ser totalmente opcional, a indústria de publicidade não está fazendo isso”.

Fazendo progresso
Algumas marcas foram bem-sucedidas em diversificar quase todos os elementos de seu comercial do Super Bowl – do elenco ao diretor e à equipe de produção – resultando em histórias que também são representativas e inclusivas.

O Google é uma das únicas marcas esperadas para enfrentar a representação de frente em seu comercial, que mostra a capacidade “Real Tone” de seu Pixel 6. A gigante da tecnologia aproveitou indivíduos e famílias com diversos tons de pele para o comercial, que também apresenta uma música original de Lizzo. “Também tivemos a intenção de apresentar indivíduos com deficiência, idosos e pessoas da comunidade LGBTQ+”, afirmou a empresa.

O anúncio do Google foi dirigido por Joshua Kissi, um diretor e fotógrafo ganense-americano. Ele foi um dos 17 fotógrafos profissionais com quem o Google trabalhou antes de lançar o Pixel 6 para ajudar a testar a câmera para garantir que ela destacasse igualmente as nuances de todos os tons de pele. O Google trabalhou com a GUT na criaçao da campanha. Os fundadores da agência com sede em Miami são latinos, 22% da equipe se identifica como pessoa de outras etnias e 62% são mulheres.

O objetivo do comercial e do produto “Real Tone” é “abordar preconceitos raciais históricos por meio da fotografia, renderizando com mais precisão e beleza pessoas de cor, especialmente aquelas com tons de pele mais escuros”, de acordo com um porta-voz do Google. Para esse fim, o Google apresentou deliberadamente indivíduos com uma ampla variedade de tons de pele, em várias origens étnicas, incluindo tonganesa, asiática, negra, latina e caucasiana.

‘Ressalte a autenticidade’
Menos aberta em suas mensagens, mas igualmente impactante, a marca de saúde feminina Hologic selecionou propositalmente um grupo diversificado de líderes femininas na frente e por trás das câmeras para seu anúncio de 30 segundos chamado “Her Health is Her Wealth” (Sua saúde é sua riqueza, em tradução literal). Foi dirigido por child., um diretor/artista afro-americano.

Mary J. Blige protagoniza o comercial da empresa de tecnologia médica e, para os outros papéis, um porta-voz da Hologic disse que escolheu diversos atores, incluindo membros da própria equipe de Blige, “para enfatizar a autenticidade da mensagem e a diversidade com a qual ela se envolve todos os dias”.

Atrás das câmeras, a Hologic montou uma equipe liderada por mulheres e culturalmente diversificada, que inclui a agência de publicidade Ché Creative, que é propriedade feminina e de pessoas negras, com Gabrielle Shirdan, diretora executiva de criação; a produção foi de Little Minx, uma produtora de propriedade feminina; e as tarefas de integração de estratégia, mídia e campanha foram gerenciadas pela Cheryl Overton Communications, uma consultoria de comunicação integrada de marketing de propriedade de mulheres negras.

A NFL, que nos últimos anos enfrentou críticas por suas práticas de diversidade, equidade e inclusão, também forneceu uma análise detalhada de seu comercial. O anúncio intitulado “Bring Down The House” (derrube a casa, em tradução literal), que não será revelado na íntegra até o jogo, começa com um irmão e uma irmã jogando videogame de futebol americano em sua casa. Logo, os jogadores da NFL começam a sair da tela e entrar na casa. O elenco é uma família negra e os jogadores da NFL são “representantes da liga, sendo 70% negros”, revelou um porta-voz.

Quando se trata de quem trabalhou na peça, a liga disse que 28% do time da NFL é etnicamente diverso, enquanto seus parceiros de produção pretendem contratar pelo menos 15% de chefes de departamento e equipe negros em todos os trabalhos. A NFL acrescentou que seus fornecedores de produção contratam seus assistentes de produção de organizações como Streetlights e Manifest, que procuram criar oportunidades para equipes sub-representadas. Isso resultou em três assistentes de produção que são negros e três que se identificam como latinos.

Mas as iniciativas de diversidade da NFL estão sob um microscópio na esteira de um novo processo movido pelo ex-treinador do Miami Dolphins, Brian Flores, que alega que os times da NFL se envolveram em práticas racistas de contratação. A liga inicialmente emitiu uma declaração chamando as reivindicações de “sem mérito”, mas mais tarde o comissário da NFL, Roger Goodell, enviou um memorando a todos os clubes dizendo que não houve o suficiente para avançar nas contratações de minorias.

A história que se desenrola, e que está gerando grandes manchetes, poderia colocar o marketing do Super Bowl sob mais investigação do que o normal. Quando perguntado pelo Ad Age se a NFL reconsiderou sua abordagem do Super Bowl à luz da situação, o diretor de marketing da NFL, Tim Ellis, disse: “Não há dúvida de que precisamos continuar trabalhando mais. Somos lembrados disso todos os dias e certamente agora está claro que há muito mais a fazer. A equipe de marketing definitivamente tem um papel … e levamos isso muito a sério”. Mas “não há desejo de recuar no que estamos fazendo”, acrescentou. “Ainda precisamos continuar fazendo as coisas que estão realmente ajudando nossas comunidades lá fora. Mas isso é um lembrete claro de que há muito mais a fazer e todos nós temos que ser melhores”.

Diversificando o casting
De acordo com uma nova análise de anúncios anteriores do Super Bowl do Instituto Geena Davis sobre gênero na mídia e CreativeX, uma empresa de insights criativos, de mais de 400 comerciais do Big Game que datam de 2016, apenas 35% dos anúncios têm personagens femininas; apenas 4% apresentam alguém com mais de 60 anos; e 85% dos personagens mostrados em papéis de liderança são homens.

Quando se trata de representação de tons de pele, CreativeX e o Instituto Geena Davis descobriram que havia uma preferência por personagens com tons de pele mais claros, com 76% dos personagens em anúncios do Super Bowl tendo os três tons de pele mais claros definidos pela Escala Fitzpatrick, um sistema para descrever o tipo de pele de uma pessoa.

No que diz respeito à safra de anúncios deste ano, dos 37 comerciais vistos pelo Ad Age a partir da tarde de quinta-feira, 10, há 33 pessoas de não-brancas em papéis principais ou em destaque, ligeiramente acima dos 27 que apareceram nos anúncios pouco antes do início em 2021. Há também 34 mulheres com papéis estrelados ou em destaque em comparação com 54 homens. No ano passado, dos 35 anúncios pré-lançados, havia 30 mulheres e 54 homens.

Sam’s Club, Pringles, Caesars Sportsbook, BMW, Vroom, Booking.com e Squarespace estavam entre as marcas que mostraram pessoas de outras etnias em papéis principais. JB Smoove interpreta Júlio César e Halle Berry é Cleópatra no anúncio de Caesars ; Kevin Hart estrela a peça do Sam’s Club; Idris Elba é o rosto de Booking.com; e Zendaya e o rapper Andre ‘3000’ Benjamin aparecem no anúncio do Squarespace.

O comercial de Michelob Ultra conta com uma mistura de estrelas do esporte, incluindo Peyton Manning, Serena Williams, Jimmy Butler, a estrela da WNBA Nneka Ogwumike, o golfista Brooks Koepka e a lenda do futebol feminino Alex Morgan, ao lado do ator Steve Buscemi e da cantora latina Becky G. Com este anúncio, a Michelob Ultra está procurando ampliar seus esforços em torno da igualdade de gênero nos esportes. Em agosto, a cervejaria se comprometeu a aumentar a visibilidade das mulheres no esporte e assinou um acordo de parceria de cinco anos com a Women’s Sports Foundation para ajudar a financiar as viagens e treinamentos necessários para atletas mulheres competirem em nível de elite. A Anheuser-Busch InBev, que também está exibindo anúncios para suas marcas Budweiser, Bud Light Next e Cutwater, não forneceu dados detalhados sobre a composição de seus elencos ou detalhes sobre a diversidade por trás das câmeras.

Os principais talentos do anúncio de Pringles são ambos de ascendência mexicana, comentou a marca, “oferecendo apelo crossover para nosso mercado total e público hispânico”. Pringles, cujo anúncio em 2021 contou com quase todos os homens brancos, disse que este ano três quartos dos principais membros do elenco são representantes de origens diversas.

Enquanto o anúncio de Meta promovendo o metaverso predominantemente apresentava personagens animatrônicos, a gigante da tecnologia pontuou: “Para este ponto em particular, fizemos questão de olhar para a representação tanto no elenco da vida real, quanto nas representações de avatar encontradas no mundo virtual”.

A Avocados From Mexico filmou seu anúncio no México e apresentou talentos locais, mas selecionou Andy Richter como seu talento de celebridade.

Planet Fitness disse que 54% do seu elenco do Super Bowl são pessoas não-brancas. Lindsay Lohan é a estrela do comercial, que também inclui participações de Dennis Rodman, Danny Trejo e William Shatner.

O Intuit’s QuickBooks afirmou que 33% de seu elenco são pessoas de outras etnias e que o elenco é dividido uniformemente entre homens e mulheres. O TurboTax pontuou que seu anúncio é 50% feminino e 50% de pessoas de não-brancas.

O anúncio de Vroom é estrelado por Ariana Rosado, que é negra e latina, e o resto do elenco é composto por diversos dançarinos e cantores.

A Rakuten apontou para seu elenco de “personagens femininas fortes” lideradas por Hannah Waddingham de “Ted Lasso”, enquanto a BMW nota que Salma Hayek Pinault estrela como Hera, ao lado de Arnold Schwarzenegger como Zeus, em seu anúncio.

O anúncio de Taco Bell apresenta um elenco diversificado que inclui Doja Cat. Embora a empresa não tenha fornecido detalhes sobre o mix de talentos, observou que no ano passado foi capaz de aumentar o talento minoritário sub-representado em mais de 25% das aparições na tela, dublagem, modelo e influenciadores.

Existem algumas marcas onde a representação diversificada é menos óbvia, limitada às que está no fundo da ação ou não está presente.

A General Motors está revivendo “Austin Powers”. Um porta-voz da companhia pontuou que limitou sua capacidade de diversificar seu elenco, já que apresenta o elenco original do filme no comerical, incluindo Rob Lowe e Mike Myers. “Embora tenhamos sido limitados nesta execução à composição do elenco original, temos um forte histórico de diversidade no casting em toda a nossa programação criativa e continuamos comprometidos com a inclusão em todo o nosso portfólio de publicidade. Sabemos que nossa base de clientes é diversificada e fazemos disso uma prioridade em nossos esforços totais de publicidade e marketing para alcançar muitos públicos diferentes, de maneiras amplas e personalizadas”, compartilhou a empresa em comunicado ao Ad Age.

Irish Spring, Carvana e WeatherTech, que se recusaram a participar ou não responderam, apresentavam elencos predominantemente brancos. Comercial de Lay’s é estrelado por Paul Rudd e Seth Rogen; anúncio da Amazon conta com o casal da vida real Scarlett Johansson e Colin Jost; anúncio de Expedia é estrelado por Ewan McGregor; e o anúncio do DraftKings apresentando seu novo porta-voz, a Deusa da Fortuna, também carecia de diversidade na tela.

A DraftKings observou que seu apoio aos diretores e extras na câmera em todo o time de futebol, árbitros e casal de tatuadores representava um grupo diversificado.

A Frito-Lay forneceu poucos detalhes sobre a composição de seus comerciais, que incluem a marca Lay’s, e um anúncio combinado para Cheetos e Doritos (que um apresenta as vozes de Megan Thee Stallion e Charlie Puth). A companhia também não forneceu detalhes sobre a composição de seu elenco ou equipe ou em torno de como abordou a narrativa inclusiva nos comerciais do Super Bowl. Em vez disso, apontou para esforços fora do Big Game, como sua campanha #joyfullyBlack que lançou em novembro em parceria com a Revolt.

Representação LGBTQ+ e acessibilidade
Quando se trata de representação LGBTQ+, a GLAAD viu uma queda no número de celebridades que se identificam como LGBTQ+ em comerciais do Super Bowl em 2021, com cerca de quatro marcas criando anúncios com inclusão LGBTQ. Em 2020, foram apresentadas 11 celebridades LGBTQ+.

Este ano, quase nenhuma das marcas pesquisadas forneceu detalhes sobre como elas estão progredindo no que se refere à representação LGBTQ+, e Ferraro, da GLAAD, concorda, observando dias antes do Super Bowl que “até agora quase não há inclusão LGBTQ”.

A NFL está fazendo uma parceria com a GLAAD para sediar um evento focado em LGBTQ na preparação para o Super Bowl, reunindo ex-jogadores da NFL que saíram, além de apresentar uma conversa sobre inclusão LGBTQ na publicidade do Super Bowl.

A GLAAD tem focado predominantemente seus esforços na representação na tela e nas histórias dos anúncios. Para isso, Ferraro disse: “somos praticamente invisíveis como uma comunidade”.

Seguindo em frente, a GLAAD está olhando além de contar celebridades LGBTQ em anúncios e para que a comunidade seja destaque de maneiras mais autênticas, como mostrar casais e famílias LGBTQ. “Houve um período em que vimos inclusão. Até então éramos invisíveis ou havia inclusão codificada, e então vimos marcas colocarem celebridades LGBTQ na frente e no centro por causa de suas celebridades, mas as questões não eram visíveis. Agora queremos conscientizar as famílias LGBTQ e encorajar que os casais LGBTQ devam fazer parte da diáspora da contação de histórias”.

Outra área que falta em quase todas as marcas pesquisadas é a representação de pessoas com deficiência. Também foram fornecidas poucas informações sobre como as marcas estão pensando em acessibilidade.

A Toyota, que se recusou a comentar sua estratégia de diversidade e inclusão, é a única marca a contar a história de uma pessoa com deficiência. O comercial se concentra no paraolímpico de inverno, Brian McKeever, que tem uma condição genética que causa cegueira, e seu irmão Robin McKeever, que serve como seu guia de visão. A Toyota, que também é patrocinadora das Olimpíadas, tem apresentado paraolímpicos em seus anúncios nos últimos anos.

A NFL afirmou que seu comercial terá legendas oculta e em espanhol para transmissão. E a Nissan enfatizou que sua agência TBWA e seus parceiros de produção garantem que os comerciais sejam acessíveis para todos. A montadora também apontou para uma atualização recente em seu site para melhorar a experiência do cliente para pessoas com deficiência de visão.

Além disso, a maioria das marcas pesquisadas não respondeu diretamente à pergunta ou disse que não rastreia esses dados.

Representatividade na direção
Em termos de diversidade nos diretores, faltando apenas alguns dias para o início, fechar a lacuna na representação tem sido algo difícil.

Das 43 marcas que relataram informações de diretores ao Ad Age a partir de quinta-feira, 10, 37 são homens, oito são mulheres e seis são pessoas de outras etnias. No ano passado, havia três diretoras e cinco pessoas não-brancas.

Além de Google e Hologic terem diretores não-brancos, Budweiser trouxe o diretor vencedor do Oscar Chloé Zhao para dirigir seu anúncio no Super Bowl. Taco Bell conta com Los Perez, uma dupla de diretores composta por Tania Verduzco e Adrian Perez, enquanto o anúncio de Hellmann’s foi dirigido por Kris Belman, que se identifica como latino.

As mulheres diretoras incluem Georgia Hudson para Bud Light Next, Rachel Morrison para ambos os anúncios da Michelob Ultra e Alex Prager para TurboTax.

Algumas marcas podem não ter escolhido uma mulher ou pessoas de outras etnias como diretores, mas procuraram trazer diversidade para a equipe de direção de outras maneiras. O diretor principal de Avocados From Mexico foi David Shane, que atualmente é mentor de Thaddeus McCants, um diretor negro com sede no Brooklyn, que co-dirigiu o comercial, de acordo com a marca. O anúncio da E-Trade foi dirigido por Randy Krallman, que não se identifica como uma pessoa não-branca, mas E-Trade observou que sua equipe é “composta de liderança diversificada, incluindo sua produtora executiva, Sue Yeon Ahn”.

Equipes de produção e criação
Medir o progresso por trás da câmera, neste momento, varia de marca para marca e agência para agência. Muitas marcas, incluindo Pringles, eToro e Frito-Lay, dizem que, ou não pedem que as pessoas se autoidentifiquem ou não divulguem tais dados por razões de privacidade, dificultando o acompanhamento da composição diversificada das equipes de agências e da equipe de produção.

Para aqueles que estão relatando dados, nem sempre é claro como eles estão definindo a diversidade dentro de suas equipes (ou seja, se a diversidade inclui mulheres, representação LGBTQ+, etc.).

A Planet Fitness, que trabalhou com Publicis e Le Truc em seu comercial, revelou que 29% da equipe da agência é de não-brancos e 68% é do sexo feminino. A campanha do Taco Bell no Super Bowl foi criada e executada por uma equipe da agência composta de 39% de talento Negros, Indígenas e Povos de Cor (BIPOC) e quase 60% de mulheres.

A Greenlight trabalhou com a agência criativa Haymaker, com sede em Los Angeles, cuja agência é 50% de propriedade minoritária, e tem uma proporção de 50/50 de mulheres para homens, pessoas de outras etnias compõem 46% de sua equipe em tempo integral. A Expedia, que trabalhou com a Anomaly em seu anúncio, disse que cerca de 65% de sua equipe que trabalha na criação foram consideradas diversas por raça, orientação sexual e inclusão de pessoas com deficiência. Ao considerar o gênero, esse número vai para 90%.

A agência da BMW, Goodby Silverstein & Partners, nota que um terço da equipe na campanha é composta por origens diversas. A Caesars Sportsbook trabalhou com a Ten6 no comercial e afirmou que a equipe está dividida igualmente entre homens e mulheres, com 29% de não-brancos e 8% LGBTQ+. A Nissan notou que seu time do Super Bowl era equilibrado e 33% eram de uma formação diversificada.

A equipe da Amazon é 40% feminina e, em uma equipe de três criativos, um é uma pessoa não-branca. A gerente de campanha da Amazon, gerentes de programas criativos e gerentes de mídia que lideraram esse projeto eram todas mulheres e 50% eram mulheres de outras etnias, e seu produtor social era um homem não-branco. A Avocados From Mexico trabalhou com a GSD&M, cuja equipe é fortemente feminina e inclui cinco membros diversos representando diferentes etnias. Na equipe da marca, seus 34 funcionários são compostos por nove nacionalidades e são 60% do sexo feminino.

Dos 16 membros da equipe do TBWA\Chiat\Day que trabalharam com QuickBooks em sua campanha, 50% são pessoas de outras etnias e 56% são mulheres. Do lado da produção, 38% são mulheres. Da equipe Wieden+Kennedy que trabalha no local do TurboTax, 21% eram não-brancos, 58% brancas e 21% preferiram não se identificar. Em termos de sexo, 40% eram do sexo feminino, 44% do sexo masculino e 16% não divulgaram. Na equipe de produção, 66% eram pessoas de outras etnias e 50% eram do sexo feminino.

A General Motors, que trabalhou com McCann Detroit e Weber Shandwick, disse que oferecia uma oportunidade para as pessoas se revelarem, e que os dados agregados entre as agências incluem 20% de negros e 50% de mulheres. Do lado da produção, enquanto a General Motors não indaga se um membro da equipe se identifica como LGBTQ ou tem alguma deficiência, daqueles que optaram por se identificar, 8% se identificaram como não-brancos.

A Booking.com trabalhou com a Horse & Mules, cujos dois diretores criativos são asiáticos e do Pacífico, e a empresa observou que a produção incluiu várias pessoas de outras etnias, bem como estagiários de grupos sub-representados ou desfavorecidos.

A equipe principal da agência do Sam’s Club que trabalhou no comercial do Super Bowl era 55% BIPOC e aproximadamente 30% da equipe completa da agência é diversificada.

Marcas como Rakuten, Nissan e Uber Eats trabalham com associações como a Double The Line, o que lhes permite contratar candidatos BIPOC para trabalhar junto com a função escolhida e obter suporte e experiência. O Uber Eats também comentou que apoia o Change the Lens, uma iniciativa que pede 15% de representação negra na equipe de produção geral; e Free the Work, que exige no mínimo 40% de representação na equipe dedicada a negros, mulheres e membros da comunidade LBTGQ+.

Da mesma forma, a Verizon apontou para seu plano de ação de marketing responsável anunciado em abril, que em parte exige que todas as agências parceiras emitam uma leitura de diversidade trimestralmente. A última leitura do quarto trimestre de 2021 mostrou 39,3% de representação de pessoas não-brancas e 51,7% de mulheres para profissionais de marketing da Verizon e agências externas. E no início de 2022, a Verizon se comprometeu com a nova plataforma da Free the Work, “Invoke”, que capacita a equipe a se identificar de forma segura e anônima usando práticas baseadas em permissão para promover a diversidade e proteger a privacidade.

A Unilever, controladora de Hellmann’s, não forneceu um detalhamento específico de suas equipes, mas disse que apoia várias iniciativas que se concentram na diversidade criativa. A Kellogg, controladora da Pringles, também não forneceu a composição específica para seu anúncio no Super Bowl, mas observou que os gastos com diversidade de fornecedores de propriedade de negros aumentaram em geral para a empresa em 16% em 2021.

Pesos e contrapesos
Em um esforço para garantir que a narrativa fosse autêntica e representativa e também para evitar erros, várias marcas como Booking.com e FTX onotaram como trouxeram grupos de recursos de funcionários de agências e outros conselhos consultivos de diversidade, equidade e inclusão para fazer parte do processo.

A FTX recorreu ao Conselho de Revisão Criativa da Dentsu para obter quaisquer lacunas na nuance cultural que a equipe criativa principal possa ter perdido. “A entrada deste Conselho impactou o enredo em nosso roteiro, puxando uma cena para priorizar um momento mais profundo representativo no tempo. Fomos muito deliberados em dar crédito aos membros do conselho porque não vemos isso como trabalho voluntário — é trabalho em equipe. Todos os membros do conselho participante estão refletidos nos créditos da equipe do Super Bowl”, disse um porta-voz.

A Amazon disse que trabalhou com um painel de diversidade e inclusão composto por diversos indivíduos da comunidade amazônica para revisar o anúncio tanto no estágio de roteiro quanto na pré-produção, “para ter certeza de que estamos atentos a todas as perspectivas”.

Kellogg trabalhou com sua agência hispânica, Captura Group, para ajudar na produção e casting dos papéis principais do comercial de Pringles. Também se envolveu com sua equipe interna de marketing cultural e inclusiva e grupo de pesquisa de funcionários de negócios para garantir a autenticidade em contar histórias e retratos.

A Intuit, pai da QuickBooks, trabalhou com a Equipe de Liderança de Avanço de Equidade Racial da TBWA\Chiat\Day LA para desenvolver um conjunto de diretrizes e princípios de linguagem antidiscriminária e antirracista para ajudar a identificar, eliminar e alterar palavras e termos amplamente utilizados usados interna e externamente que têm a capacidade de infligir danos.

Da fase conceitual ao processo de acabamento, a Nissan trabalhou com a agência multicultural Fluent360 da TBWA para garantir que o enredo englobasse a verdadeira representação do elenco que levou a história por toda parte.

Cheryl Overton, que lidou com a estratégia da campanha do Hologic no Super Bowl, observa que algumas marcas, em sua seriedade para fazer a coisa certa, estão tropeçando em alguns bloqueios. “Uma delas é a paralisia de esperar até acertarmos, ou estar tão nervoso para nos movermos que não estamos fazendo nada”, disse ela durante o super bowl da Ad Age, esta semana. “O que eu tenho que encorajá-los é que nenhum certificado virá e será concedido a você antes de começar a falar sobre isso, você tem que começar a falar sobre isso porque este é o mundo em que vivemos”.

A Overton aconselha que as marcas precisam utilizar seus parceiros e construir as equipes certas internamente, “então pelo menos você sabe quando está tomando essas medidas e forjando novos territórios, você está fazendo isso com algum apoio e com alguma visão para abastecê-lo”.

O outro lado que Overton aponta é “aquela temida sinalização de virtude”. “Vemos quando o trabalho é perspicaz e é informado por uma verdade humana real”, continuou ela. “Quando não faz parte da narrativa ou realmente fala com alguém, quase parece ticamos a caixinha para dizer que fizemos algo”.

**Crédito da imagem no topo: Shutterstock

Publicidade

Compartilhe

Veja também