O futuro do streaming

Buscar

Opinião

Publicidade

O futuro do streaming

Ótimo conteúdo não é o único fator para liderar esse mercado


13 de novembro de 2019 - 16h15

(Crédito: Reprodução)

Nos últimos meses, muitas pessoas com quem tenho conversado me fazem a pergunta de US$ 1 milhão: “Qual é o futuro do streaming?”. Duvido que alguém tenha essa resposta, mas, como trabalhei em quatro dos cinco maiores estúdios de Hollywood e lancei o serviço de streaming Fox+ no Brasil, me sinto tentado a opinar.

É consenso que, dificilmente, haverá espaço para muitos players nesse mercado, já que o modelo de negócios dos estúdios está baseado em um pagamento de assinatura mensal e consumidores têm muitas contas para pagar todo mês com itens de entretenimento, além de filmes e séries, como música, games e livros.

Também escuto que muitas pessoas irão concentrar seu rico dinheiro na assinatura de Netflix e Disney, baseado no conteúdo produzido até hoje, e que, portanto, eles serão os grandes vencedores dessa corrida ao pote de ouro do streaming.

Mas focar somente em conteúdo nos dá uma resposta relativa para a grande pergunta. Precisamos olhar para os outros fatores que, aliados ao conteúdo, formam os pilares dessa indústria: tecnologia, investimento e distribuição.

Se olharmos primeiro para a referência do mercado, o que fez da Netflix a grande vencedora até agora? Uma combinação explosiva de ótimo conteúdo com uma tecnologia de ponta que faz com que o consumidor tenha sempre uma grande experiência e eles tenham uma base de dados fantástica que permite identificar hábitos e preferências dos seus consumidores em escala global.

Mas nem tudo são flores para os líderes: seus acionistas não vislumbram lucro a médio prazo, já que a empresa continuará investindo cerca US$ 20 bilhões por ano na produção e aquisição de filmes e séries, para que seus consumidores nunca pensem em deixar de pagar sua mensalidade.

Ora, se uma companhia dá pouco lucro e aumenta muito seus custos, seu endividamento aumenta. Com a possibilidade de perder algumas séries e filmes de grande audiência de seu catálogo para seus donos originais, precisará investir ainda mais em produção de conteúdo de alta qualidade, e a conta ficará difícil de fechar.

E a Disney? A empresa tem se destacado nos últimos anos por produzir os maiores blockbusters do cinema, seu pipeline de filmes continua muito forte e suas franquias adoradas pelos fãs permitem o desenvolvimento de uma infinidade de séries e filmes, garantindo receitas futuras.

Ela também poderá escolher se irá lançar seus filmes nos cinemas ou no streaming para manter seus assinantes cativos e, se a isso juntarmos as produções de Fox e ESPN, temos uma programação de qualidade para agradar um público amplo. O combo desses conteúdos e sua força global de marca devem ser suas maiores fortalezas.

Mas a corporação tem dois grandes problemas para resolver:

1. O alto endividamento após ter que pagar um sobrepreço pela Fox, o que poderá fazer com que acionistas pressionem o CEO Bob Iger para diminuir custos e investimentos, afetar sua produção de novos conteúdos e até mesmo fazer com que tenha que distribuir seus produtos para os concorrentes para fazer caixa.

2. A empresa ainda não entrou no mercado de streaming (exceto nos EUA, Canadá e Holanda), e não se sabe que nível de tecnologia será empregado no seu serviço. Todos sabem que o início da implantação do serviço pode gerar muitas dores de cabeça e reclamações de consumidores pelo mundo (lembrem de HBO Go e Game of Thrones).

E os outros estúdios, que nunca fizeram investimentos nas suas marcas-mãe e agora terão que investir dinheiro para vender diretamente ao consumidor?

A AT&T, dona do conteúdo da Warner Media (filmes da Warner e programação da Warner, CNN, TNT, Cartoon e Esporte Interativo), e que tem aquele que parece ser o leque mais amplo de programação, sofre também com um endividamento gigantesco de US$ 180 bilhões após a compra da Warner e DirecTV.

Sua tecnologia também é uma incógnita, já que seu único serviço de streaming, o HBO Go, teve uma performance ruim quando foi exigido durante a última temporada de Game of Thrones. Não se pode ignorar uma companhia dona de marcas como Harry Potter, DC Comics, Cartoon Network, Big Bang Theory e Supernatural e licença de campeonatos com a Champions League, mas com essa dívida, pode ser que tenha que se desfazer das suas maiores franquias para fazer caixa.

A Comcast — dona da Universal, Dreamworks e NBC — apesar de seu ótimo conteúdo e seus parques para sustentar as franquias e seu negócio a longo prazo, parece estar entrando muito tarde na guerra. Além de sua tecnologia ser uma incógnita, também sofre com o enorme endividamento após a compra da Sky na Europa.

A Viacom — dona da Paramount e CBS, e que chegou a lançar os primeiros filmes da Marvel e Dreamworks — também não parece ser uma das protagonistas desse mercado no futuro. A empresa se perdeu durante a gestão anterior de Philippe Dauman, que preferiu colocar o dinheiro na recompra de ações para inflar seus ganhos ao invés de investir em conteúdo e aquisições.

No mercado local, não podemos esquecer da Globoplay, serviço da maior empresa de TV do País, que tem penetração de mais de 90% nos lares brasileiros e conhece seu target como ninguém. As duas questões-chaves aqui são: será que consumidores pagarão uma mensalidade para assistir um conteúdo que sempre tiveram de graça e como competir em investimento e tecnologia com players gigantes e de escala globais?

Mas, talvez, a maior ameaça ao domínio do mercado por Netflix e Disney venha justamente de empresas pouco conhecidas pela produção de conteúdo e muito pelo seu desenvolvimento tecnológico de ponta: Amazon e Apple.

A Amazon tem uma presença fortíssima nos EUA e mais 18 importantes mercados pelo mundo como Reino Unido e Japão, e graças ao serviço Prime, que dá direito a assinatura do Prime Vídeo, já tem mais de 100 milhões de assinantes.

Sua tecnologia de ponta tanto para o streaming quanto para áreas distintas como varejo, cloud, assistente de voz e inteligência artificial, pode fazer com que rapidamente desenvolva e adquira conteúdos sob demanda para seu público. No último Emmy, já levou prêmios principais, mas ainda não teve nenhum sucesso de alcance global que levasse seu serviço a um outro patamar.

A empresa tem um endividamento até grande, mas encontrou o caminho da lucratividade recentemente e dinheiro parece não ser um problema para o time de Jeff Bezos.

E, finalmente, a Apple, que estreia seu serviço de streaming agora em novembro com grandes estrelas e produtores de Hollywood. O conteúdo mostrado na última conferência foi apenas OK, mas é importante lembrar que a empresa liderada por Tim Cook vendeu quase 1 bilhão de iPhones nos últimos cinco anos para um público que está acostumado a pagar mais por qualidade. Para se ter uma ideia, aproximadamente 80% do lucro da venda de celulares no mundo fica com a Apple. Com o advento do 5G, os telefones ganharão ainda mais importância para visualizar o conteúdo. A Apple sabe promover muito bem seus serviços e, nos EUA, já é líder no mercado de streaming de música superando o Spotify.

Apesar da empresa focar seu investimento em tecnologia para melhorar o hardware, ao contrário de Google e Amazon que que focam no software, não podemos duvidar de alguém que tem mais de US$ 200 bilhões (!!!) em caixa, prontinhos para serem investidos em conteúdo e aquisições.

Isso tudo sem falar na hipótese de Facebook e Google também decidirem entrar no jogo com todo seu capital, tecnologia e incrível banco de dados com informações detalhadas sobre consumo de seus usuários.

Do meu lado, acredito que as empresas com melhor tecnologia e dinheiro para investir irão prevalecer, pois poderão comprar o conteúdo das outras empresas e saberão identificar o que os consumidores querem, o que me faz apostar na Apple e Amazon no longo prazo.

O fato é que, com a estreia dos serviços da Apple e Disney (a partir de 1º de novembro), veremos as estruturas do mercado de entretenimento se movendo em novas direções e impactando consumidores. Assim como os grandes filmes de Hollywood, assistiremos a uma história que deixará heróis e vilões pelo caminho, com grandes reviravoltas, e cuja desfecho vale muito mais que US$ 1 milhão.

**Crédito da imagem no topo: Onfokus/iStock

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Tim Cook

  • Jeff Bezos

  • Philippe Dauman

  • facebook

  • Spotify

  • Apple

  • TNT

  • Fox

  • Netflix

  • Google

  • Amazon

  • esporte interativo

  • dreamworks

  • nbc

  • Viacom

  • at&t

  • Disney

  • universal

  • Marvel

  • Cartoon Network

  • Harry Potter

  • CNN

  • DC Comics

  • Warner

  • Paramount

  • globoplay

  • CBS

  • warner media

  • hbo go

  • cartoon

  • big bang theory

  • supernatural

  • tecnologia

  • Conteúdo

  • streaming

  • investimento

  • filmes

  • Séries

  • distribuição

  • Game of Thrones

  • PLAYERS

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”