Os 7 “Is” para manifestação da criatividade

Buscar

Opinião

Publicidade

Os 7 “Is” para manifestação da criatividade

Embora fator de diferenciação e ferramenta para superar crises, habilidade demanda repertório e disciplina


2 de junho de 2021 - 8h00

Criatividade é a inteligência se divertindo. (Albert Einstein)

A criatividade é a maior ferramenta para superar uma crise, na diferenciação e na geração de valor. Porém, o processo de manifestação criativo não é algo muitas vezes simples, ele demanda repertório e disciplina. É preciso procurar soluções autênticas e que contribuam para cada pessoa dentro de suas convicções e valores, despertar o seu propósito, edificando o processo criativo.

A criatividade é a principal e melhor forma de se diferenciar e combater uma crise (Crédito: Erhui 1979/ iStock)

Motivado por este propósito, desenvolvi e apresento a metodologia dos 7 “Is” para manifestação da criatividade na construção do fluxo criativo:

Inspiração
O segredo da criatividade é saber como esconder as fontes. (Albert Einstein)

“Roube” como um artista! A frase tira aquele peso enorme de tentarmos ser 100% originais o tempo todo. Podemos parar de construir algo do além e nos inspirarmos nas ideias das nossas fontes de inspiração. Eu não estou insinuando você copiar o trabalho de alguém, DE FORMA ALGUMA, estou dizendo para você se inspirar nas ideias de outras pessoas e nas suas maneiras de pensar.
Diante dos muitos movimentos que impulsionam a criatividade, acredito muito no poder do repertório na construção desse processo de preparação.

Intenção

A intenção é parte essencial da preparação da manifestação criativa. É um estado mental que representa um compromisso de realizar uma ação ou ações no futuro. A intenção envolve atividades mentais, como planejamento. A manifestação criativa deve iniciar com a inspiração, pretender apenas aquilo que lhe inspira a intenção, lhe inspira a manifestar. Também é essencial destacar que a intenção deve ser orientada no compartilhamento, buscando inspirar novas pessoas.

Intuição
Todo o conhecimento humano começou com intuições, passou daí aos conceitos e terminou com ideias. (Immanuel Kant)

Intuição é uma forma de conhecimento inerente dos seres humanos, embora nem todas as pessoas saibam como usá-la. O matemático e filósofo Blaise Pascal referia-se à intuição como o produto da capacidade da mente de fazer muitas coisas ao mesmo tempo, graças às infinitas conexões inconscientes que tornam possível à mente consciente fazer escolhas. Grandes cientistas, entre eles o físico Albert Einstein, enfatizaram o valor do potencial intuitivo.

Imaginação
Criatividade é a arte de conectar ideias. (Steve Jobs)

O principal ingrediente do processo criativo. A busca da informação por meio de livros, séries e filmes, música, arte e viagens, estimula o pensamento, ativa a imaginação e surgem novos pensamentos que na realidade não são novos pensamentos, são extrapolações de pensamentos já existentes. Mas eles agem como semente para o próximo passo: a incubação.

Incubação

Separe um espaço vazio em algum canto de sua mente e a criatividade instantaneamente irá preenchê-lo. (Dee Hock)
O período seguinte é de processamento inconsciente, no qual a mente criativa precisa “relaxar”. Muitos artistas se referem a essa fase como o “ócio criativo”. Ou seja, aquela fase em que você não está deliberadamente procurando a solução do problema, mas na verdade a sua mente está procurando novas conexões de forma inconsciente com base na preparação realizada anteriormente.
Há quem pratique esportes, escute música ou tome um banho. É nesse estágio que alguns criativos notáveis (o cineasta David Lynch, para citar um) defendem a meditação como forma de potencializar o trabalho do inconsciente na busca pela solução criativa mais profunda.

Insight
Você não pode esgotar a sua criatividade. Quanto mais você usa, mais você tem. (Maya Angelou)

O insight é um estágio superestimado. Contudo, ele é aparece como parte natural do fluxo do processo criativo após a edificação dos estágios anteriores.
O insight ou “iluminação”, não é um estágio que surge como um “raio” ou como alguns de maneira onomatopeica nomeiam de “Aha!”. Mas sim, fruto de um processo de disciplina e consistência, formada pela associação inédita de dois ou mais elementos que se intersectam na mente criativa.

Implementação
As ideias demandam disciplina, vontade e, sobretudo, esforço, para se tornarem realidade. (Graham Wallas)

Esse é o último estágio, e certamente o mais aflitivo: aquele em que o criativo tem que colocar sua ideia em prática e à prova. É a manifestação operacional do insight gerado. A manifestação da ideia criativa em forma: a criação de um produto, um serviço, um livro, um curso ou infoproduto que será apresentado para o mercado. É essencial mensurar os resultados, adequar sua operação criativa com as expectativas mercadológicas e criar novas metas que reverberarão em novas inspirações, intenções, pensamentos, insights e ideais. Parafraseando, Winston Churchill: “por mais bela que seja a estratégia (ideia criativa), você deve esporadicamente analisar os resultados”.

Publicidade

Compartilhe